Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Vivendo com Esclerose Múltipla: Qual é o Prognóstico?

A esclerose múltipla é um distúrbio degenerativo comum do sistema nervoso central. A causa da EM é desconhecida. Acredita-se que seja uma doença auto-imune, pois é o próprio sistema imunológico da pessoa que causa o dano.

As fibras nervosas são protegidas por um revestimento de uma substância chamada mielina. Na esclerose múltipla (MS), o revestimento de mielina das fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal é destruído pelo sistema imunológico. Esse processo é chamado de desmielinização.

A mielina isola e envolve o núcleo de uma fibra nervosa conhecida como axônio. Quando o axônio é danificado, dificulta a transmissão de sinais ao longo dos nervos. Danos ao próprio nervo também podem ocorrer e são freqüentemente referidos como lesão axonal.

Fatos rápidos sobre o prognóstico da esclerose múltipla

  • A presença de sintomas depende do tipo de EM que uma pessoa tem
  • Pessoas com EM podem não apresentar sintomas da doença de vez em quando
  • A EM não é em si fatal, embora os pacientes possam experimentar complicações graves que são fatais
  • Os sintomas da EM podem afetar todos os aspectos da vida
  • A redução da qualidade de vida pode levar à depressão em pessoas com EM

Impacto da esclerose múltipla

Pessoas com esclerose múltipla podem estar livres de sintomas por muitos anos. No entanto, viver com esclerose múltipla pode ser tanto física como mentalmente avassalador quando os sintomas estão presentes.

Uma mulher cansada está sentado em uma mesa.

É comum pessoas com EM se sentirem constantemente cansadas. Este cansaço pode afetar todos os aspectos da vida, incluindo a capacidade de sair e fazer as coisas e a capacidade de usar o cérebro de forma eficaz.

Os sintomas da esclerose múltipla podem causar desconforto constante e incapacidade que limita a capacidade de fazer coisas cotidianas que muitas pessoas tomam como garantidas.

Pessoas com esclerose múltipla podem ter que participar de muitas consultas médicas. Eles também devem viver com a incerteza de quando o próximo ataque de sintomas pode acontecer.

Juntos, reduzem a qualidade de vida de uma pessoa. A frustração contínua de tais restrições resulta em algumas pessoas com EM desenvolvendo depressão.

Existem muitos programas de terapia ocupacional e relaxamento que podem ajudar as pessoas com EM a gerenciar seus sintomas. Esses programas podem ajudar as pessoas com EM a melhorar o desempenho das atividades diárias, apesar das limitações impostas pela condição. Uma variedade de grupos de pacientes também está disponível para oferecer suporte a pessoas que vivem com esclerose múltipla.

Pesquisas recentes sugerem que uma dieta rica em proteínas pode melhorar as perspectivas para a esclerose múltipla, reduzindo a inflamação. A SM não é em si fatal, mas a taxa de mortalidade entre pessoas com esclerose múltipla é maior do que na população em geral. O aumento do número de mortes é devido a complicações da EM, como infecção, doenças que afetam os pulmões ou coração, ou suicídio.

Sintomas do MS

O dano à mielina e aos nervos pode ocorrer em várias áreas diferentes do cérebro e da medula espinhal. Isso significa que qualquer parte do corpo pode ser afetada pela EM.

Sintomas típicos de MS incluem:

  • Fraqueza muscular e espasmos
  • Visão turva ou dupla
  • Cansaço
  • Mudanças no humor
  • Dificuldade em pensar claramente
  • Perda de controle da função da bexiga e intestino

Fraqueza muscular e espasmos podem causar problemas de fala, coordenação e equilíbrio.

Felizmente, a maioria das pessoas com EM não apresenta todos esses sintomas. Os sintomas reais que se desenvolvem dependem de quão ruim é o dano aos nervos e onde ocorre no corpo. À medida que a quantidade de dano aumenta, os sintomas pioram.

Os sintomas geralmente se desenvolvem entre as idades de 15 e 45 anos. MS é tipicamente diagnosticada quando uma pessoa está em seus vinte e tantos ou trinta e poucos anos.

Tipos

O tipo mais comum de MS é EM remitente-recorrente (EMRR). Segundo a Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla, cerca de 85% das pessoas com EM têm essa forma da doença.

No EMRR, há momentos em que os sintomas são leves ou mesmo ausentes (remissão) e outros períodos são conhecidos como recaídas quando os sintomas pioram.

Com o tempo, à medida que os nervos se tornam mais danificados, pode haver menos períodos de remissão e sintomas mais graves. Quando isso acontece, o RRMS progrediu para MS secundária progressiva (SPMS). Cerca de metade dos indivíduos com EMRR desenvolve o SPMS.

O tipo menos comum de MS é o MS progressivo primário (PPMS). Esta forma de EM ocorre em cerca de 15% das pessoas com EM. PPMS é muitas vezes mais debilitante para os pacientes como os sintomas pioram ao longo do tempo, em vez de ocorrer como ataques repentinos separados por períodos com poucos sintomas.

Causas

Imagem do sistema nervoso.

Os especialistas ainda não sabem exatamente o que causa o MS. Por alguma razão desconhecida, o sistema imunológico ataca a camada protetora de fibras nervosas, como ocorre com bactérias ou vírus.

Pesquisas sobre a esclerose múltipla mostraram que os níveis das células responsáveis ​​por elevar uma resposta imune (células T, células B e macrófagos) estão aumentados em áreas afetadas pela esclerose múltipla.

Outras possíveis causas da EM, como a infecção viral, também foram sugeridas, mas ainda não foi encontrada uma resposta definitiva.

Fatores de risco

O risco de desenvolver MS depende de quais genes uma pessoa nasce e as coisas que eles estão expostos durante a vida cotidiana.

As mulheres são mais propensas a desenvolver EM do que os homens. Um estudo publicado no estudo descobriu que a proporção média entre mulheres e homens para EM era de 2,4.

Ter um parente imediato com EM pode aumentar ainda mais o risco de desenvolver EM. Pessoas que têm outra doença auto-imune, como diabetes tipo 1, também podem ter maior probabilidade de desenvolver EM do que pessoas que não o fazem.

Alguns estudos mostraram uma ligação entre a exposição aos vírus Epstein-Barr ou zoster e o desenvolvimento de EM. Foi até sugerido que a exposição a esses vírus no início da vida pode proteger contra doenças auto-imunes mais tarde na vida. Acredita-se que a exposição precoce à infecção permite que o corpo desenvolva proteção contra a autoimunidade mais tarde na vida.

O risco de desenvolver EM pode ser aumentado pelo tabagismo. O risco pode ser reduzido pela exposição à luz solar e aumento dos níveis de vitamina D.

Tratamento

Existem vários tratamentos para MS, mas atualmente não há cura.

Os tratamentos médicos geralmente se enquadram em três categorias principais:

  • Drogas que retardam a taxa de agravamento da doença e reduzem recaídas de sintomas
  • Drogas que ajudam a reduzir os sintomas específicos da EM
  • Drogas que são usadas para gerenciar os ataques repentinos de sintomas graves

Além disso, as pessoas com esclerose múltipla recebem frequentemente fisioterapia sob a forma de exercícios e massagem para ajudar a melhorar a forma como os seus músculos trabalham e para aliviar a dor.

Como a EM pode afetar muitas partes diferentes do corpo, o tratamento geralmente é fornecido por uma série de médicos especialistas. Esses especialistas podem envolver neurologistas, urologistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e psicólogos.

Like this post? Please share to your friends: