Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo o que você precisa saber sobre o acorde da nuca

Um cordão nucal ocorre quando o cordão umbilical envolve o pescoço fetal completamente ou por 360 graus.

Os cordões nucais são comuns durante a gravidez, com incidências registradas em torno de 12 por cento em 24-26 semanas, chegando a 37 por cento a termo.

Quando um cordão umbilical é enrolado no pescoço, a alça é chamada de cordão nucal. O termo “nuca” refere-se à nuca ou nuca.

Fatos rápidos sobre o acorde da nuca:

  • O cordão umbilical transporta nutrientes e oxigênio para o feto no útero da mãe.
  • Um cordão nucal pode interromper o fluxo de sopro, oxigênio e nutrientes para o feto e causar complicações.
  • Felizmente, a maioria dos cordões nucais resolverá antes do parto.
  • Se houver preocupação com o aumento do cordão um bebê pode ser entregue por cesariana.
  • Mesmo nos casos em que não resolvem, o potencial para problemas é baixo.

Causas

diagrama do bebê no útero

A principal causa de um cordão nucal é o movimento fetal excessivo.

Outras razões médicas pelas quais os cordões podem se mover ao redor do pescoço de um feto ou podem resultar em nós frouxos incluem:

  • um cordão umbilical anormalmente longo
  • uma estrutura de cordão fraco
  • líquido amniótico excessivo
  • ter gêmeos ou múltiplos

Um estudo relatado no emaranhamento encontrado de cordões umbilicais mais longos aumentou as chances de complicações.

Também é possível que uma corda nucal seja o resultado de um evento aleatório sem explicação.

Quais são os riscos para a mãe e o bebê?

Os cordões nucais não são pensados ​​para representar muitos riscos para a mãe ou a criança, com estudos de pesquisa continuando a apoiar esta teoria.

Um cordão nucal só pode representar riscos para a saúde em casos raros. É provável que um médico monitore um bebê durante o parto, caso tenha notado um cordão nucal na ultrassonografia de rotina da gravidez da mãe.

Anormalidades da frequência cardíaca

O risco mais comum de uma corda nucal é a redução da frequência cardíaca do bebê durante o parto. Isso geralmente é o resultado da redução do fluxo de oxigênio e sangue através do cordão emaranhado durante as contrações. Mesmo se houver um ritmo cardíaco diminuído, a maioria dos bebês ainda nascerá saudável.

Qual é a possibilidade de natimorto?

Pesquisas encontraram pouca ou nenhuma conexão entre natimortos e cordas nucal, embora tenha havido alguma especulação sobre a relação entre pesquisadores em Timisoara, Romênia.

Seus resultados foram anotados na revista e sugeriram que incidentes na nuca deveriam receber mais atenção. Eles recomendaram o monitoramento completo das frequências cardíacas fetais, durante o parto, uma vez que os ultrassons haviam revelado cordas nucais. Eles também sugeriram parto cesáreo quando qualquer dificuldade foi notada.

Houve pelo menos um caso notado de morte fetal no útero em 16 semanas devido a uma corda nucal. O relatório de 2015 da Obstetrics and Gynecology Internationalsame apontou a raridade dessas incidências e que elas tendiam a ocorrer no primeiro e segundo trimestres.

Diagnóstico

Um cordão nucal não apresenta sintomas físicos. A menos que o feto tenha um ritmo cardíaco anormal ou dificuldades respiratórias e de oxigênio, um cordão nucal é normalmente encontrado apenas durante um exame de ultrassonografia de rotina.

A menos que o médico sinta que há uma razão para se preocupar, não são recomendados tratamentos ou testes adicionais.

Gerenciamento e Monitoramento

cesariana

Atualmente, não há maneiras de prevenir ou tratar os cordões nucais.

Um médico pode recomendar um parto cesáreo se sentir que o feto está em perigo ou a saúde da mãe pode ser afetada negativamente por um parto vaginal. Esses casos são raros, no entanto.

A maioria das mulheres grávidas não precisará fazer nenhuma preparação especial se achar que seu bebê tem um cordão nucal. Quaisquer preocupações que possam ter devem ser discutidas com seu médico.

A monitorização fetal com ultrassonografias pode ser útil na prevenção de complicações, mas isso não alterará nenhum desfecho de parto ou o potencial de complicações.

Gravidez, trabalho de parto e parto

Uma vez que o trabalho de parto tenha começado, os especialistas em parto não tentam afrouxar ou soltar os cordões nucal, já que isso pode causar mais danos do que benefícios. Além disso, pesquisadores e médicos não sabem que efeito isso teria, e são cuidadosos com a intervenção.

Pesquisas mostram que manter a corda nucal intacta resulta em melhores resultados tanto para a mãe quanto para o bebê. O cordão pode ser desembrulhado assim que o bebê nascer.

Em geral, cordas nucais soltas não justificam a necessidade de parto cesáreo.

Cordas nucais estreitas ocorreram em cerca de 6,6 por cento dos quase 220 mil nascimentos analisados ​​por pesquisadores do Institute for Healthcare Delivery Research, em Salt Lake City, Utah. Existem apenas casos raros em que os cordões da nuca apresentam sérios riscos durante o trabalho de parto e parto.

Leve embora

Um cordão nucal é muito comum e raramente é motivo de preocupação.

Se uma corda da nuca for encontrada durante um ultrassom de rotina, ela é monitorada pelo restante da gravidez, e a freqüência cardíaca fetal é observada cuidadosamente durante o trabalho de parto e o parto.

Existem casos raros de complicações, mas sempre que houver motivo para preocupação durante o parto, o médico determinará se uma cesariana ou outra intervenção pode ser necessária.

Se uma mãe grávida sente que algo não está certo durante a gravidez, ela deve falar com seu médico sobre o teste e obter garantias sobre suas preocupações.

Like this post? Please share to your friends: