Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

“Todos nós ouvimos vozes em nossas cabeças”, mas por quê? Estudo investiga

O cérebro trata de falar dentro de nossas cabeças como essencialmente a mesma coisa que falar em voz alta, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista, que pode ajudar a explicar condições como a esquizofrenia.

cabeça com bolhas do discurso em torno dele

Nós gastamos muito tempo ouvindo a nós mesmos falando dentro de nossas cabeças. Ouvimos nossa voz interior cada vez que lemos um livro, decidimos o que fazer para o almoço ou imaginamos como vamos ver a nossa visão em uma reunião.

De fato, as estimativas sugerem que passemos pelo menos um quarto de nossas horas de vigília atendendo à nossa voz interior.

Mas como o cérebro é capaz de dizer a diferença entre a voz interior e a voz externa que produz os sons que outras pessoas ouvem?

As ferramentas que exploram essa área do processamento cerebral podem ser muito úteis para melhorar nossa compreensão dos distúrbios que envolvem “ouvir vozes”, como a esquizofrenia.

Esquizofrenia e alucinações

A esquizofrenia é uma doença mental de longo prazo, grave e incapacitante que afeta cerca de 1,1% dos adultos nos Estados Unidos. Na maioria dos casos, os sintomas começam no final da adolescência ou início da idade adulta.

O distúrbio interrompe o pensamento, as emoções, a percepção e o comportamento, dificultando o relacionamento com as pessoas, mantendo um emprego e administrando a vida cotidiana. Especialistas sugerem que esta doença altamente complexa é provavelmente uma coleção de vários distúrbios.

Um sintoma comum da esquizofrenia é “alucinações auditivas verbais” ou ouvir vozes que outras pessoas não ouvem. Por algum tempo, assumiu-se que essas alucinações são resultado de problemas com a fala interna.

“Este estudo”, explica o primeiro autor do estudo, Thomas Whitford, professor associado da Escola de Psicologia da Universidade de New South Wales, na Austrália, “fornece as ferramentas para investigar essa suposição que não foi testada”.

‘Cópia de preferência amortece a resposta do cérebro’

Quando falamos nossos pensamentos em voz alta, nosso cérebro envia instruções que dizem às cordas vocais, língua e lábios como se mover para produzir o som pretendido. Quando isso acontece, o cérebro também faz uma cópia das instruções. Isso é conhecido como “cópia de eferência”.

A cópia de eferência permite que as regiões do cérebro que processam o som prevejam o que estão prestes a receber. Se a cópia de eferência corresponder aos sons que realmente ouvimos quando falamos, a resposta do processamento de som é mais moderada.

“A cópia de eferência amortece a resposta do cérebro a vocalizações auto-geradas”, diz o Prof. Whitford, “dando menos recursos mentais a esses sons, porque eles são tão previsíveis”.

Ele explica esse efeito com outro exemplo: tentar agradar a nós mesmos é muito menos delicado do que quando alguém faz isso. Quando tentamos fazer cócegas em nós mesmos, o cérebro produz uma cópia de eferência das instruções para os dedos, permitindo-lhe prever as sensações exatas, resultando em uma resposta um pouco atenuada.

Mas, se alguém faz as cócegas, não há cópia de referência, e o ato imprevisto – mesmo que envolva as mesmas sensações – cria uma resposta maior no cérebro e a sensação de ser cócegas.

A fala interior faz cópias de eferência?

O objetivo do novo estudo foi descobrir se o cérebro faz ou não uma cópia de eferência para a fala interna da mesma forma que faz com as palavras que são ditas em voz alta.

A equipe recrutou 42 voluntários saudáveis ​​e usou a eletroencefalografia (EEG) para rastrear sua atividade cerebral enquanto escutavam a fala vocal em fones de ouvido.

Enquanto ouviam, os participantes tinham que fazer o mesmo ou um som diferente em suas cabeças ao som que podiam ouvir.

As gravações EEG mostraram que um tipo específico de resposta cerebral foi “amortecido” quando o som da fala interna era o mesmo que o externo. No entanto, quando o som da fala interna não coincide com o externo, o amortecimento não ocorreu – a resposta foi muito maior.

Os pesquisadores concluem que isso indica que o cérebro faz uma cópia de eferência para a fala interna da mesma maneira que faz para a fala externa.

Eles sugerem que o método usado no estudo poderia ser útil para explorar o que acontece no cérebro durante as alucinações verbais auditivas.

“Todos nós ouvimos vozes em nossas cabeças. Talvez o problema surja quando nosso cérebro é incapaz de dizer que somos nós que estamos produzindo”.

Prof. Thomas Whitford

Like this post? Please share to your friends: