Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Qual é a teoria do processo adversário e sua relação com o vício

A teoria do processo adversário pode explicar os fatores emocionais e motivacionais por trás do vício. Também é possível que uma melhor compreensão do processo possa levar a melhores resultados para o tratamento do abuso de substâncias.

A teoria do processo adversário pode explicar por que é tão difícil quebrar um vício em drogas. O uso de drogas inicialmente traz sentimentos agradáveis. Com o tempo, no entanto, a droga perderá seu efeito e exigirá que a pessoa use mais a droga para alcançar as sensações prazerosas.

Um exemplo da teoria do processo adversário em circunstâncias normais é ter medo de alguma coisa. A teoria do processo adversário afirma que quanto mais a pessoa experimenta o medo, menos o medo irá afetá-lo. Essa diminuição do medo pode continuar até o ponto em que a situação não é mais assustadora. Se o estímulo (a coisa temida) não é mais um medo, então uma segunda emoção (alívio) assume o controle.

Fatos rápidos sobre a teoria do processo adversário:

  • A teoria do processo adversário pode explicar situações em que algo desagradável pode ser gratificante.
  • A teoria foi aplicada para entender a satisfação no trabalho.
  • A teoria liga as emoções de uma pessoa à sua motivação.
  • Pesquisas sobre a teoria mostraram que o alívio da dor física pode trazer sentimentos agradáveis ​​e reduzir os negativos.
  • A teoria do processo adversário também tem sido usada para explicar a capacidade de ver cores.

Qual é a teoria do processo adversário?

Várias substâncias viciantes em uma mesa, incluindo álcool, drogas, isqueiro e um cartão de jogo.

Richard Solomon, um psicólogo do século 20, acreditava que as emoções agiam em pares opostos. Por exemplo, o prazer é uma emoção oposta à dor.

Quando uma pessoa é repetidamente exposta a algo que causa uma resposta emocional, por exemplo, medo, eventualmente uma emoção oposta será desencadeada. Isso pode fazer com que a primeira emoção se torne mais fraca e a outra se torne mais forte.

Uma importante contribuição do trabalho de Salomão é sua teoria sobre o vício.

Ele argumentou que o vício em drogas resulta do emparelhamento das emoções de prazer e abstinência.

Como isso se relaciona com o vício?

Quando uma pessoa é viciada em uma droga, os efeitos prazerosos da droga diminuirão com o tempo. Eventualmente, a pessoa não tem prazer em tomar o medicamento, e a resposta de retirada (efeito negativo) assume o controle. É provável que a pessoa continue a tomar o medicamento para evitar sintomas de abstinência (ou negativos).

Tratamento da dependência

Terapia de grupo em uma reunião de apoio.

O processo adversário é uma maneira de explicar como e por que os indivíduos sofrem implicações negativas do uso de drogas.

Emoções e motivação são uma força motriz no vício. Quanto mais tempo uma pessoa usa drogas, mais efeitos negativos existem. É o desejo de evitar esses efeitos negativos que fazem a pessoa continuar usando drogas, afetando sua capacidade de parar.

Infelizmente, a teoria do processo adversário não se concentra o suficiente nos resultados do tratamento.

A melhor maneira de controlar as emoções e a necessidade de um motivo adquirido é mantendo o controle dos efeitos negativos.

Remover-se do comportamento viciante requer ajuda e suporte profissionais. É possível que a teoria do processo oponente possa ser aplicada ao tentar entender o processo de recuperação do vício baseado em sucessos e fracassos, e as razões para isso.

Por que a teoria do processo do oponente é tão negativa para algumas pessoas?

Quando alguém começa a usar uma droga, há um alto nível de satisfação e baixa abstinência. Neste ponto, os indivíduos ainda podem ter a capacidade de desistir com menos dificuldade. No entanto, por causa do prazer que recebem da droga, eles podem não ser motivados a desistir.

Com o tempo, no entanto, o prazer diminui e os sintomas de abstinência aumentam. Neste ponto, a motivação para tomar a droga não é sobre o prazer, mas sobre evitar sintomas de abstinência.

De acordo com Salomão, o vício pode dominar outras necessidades básicas.

Por exemplo, uma pessoa que tenha um vício pode gastar mais tempo procurando maneiras de satisfazer seu vício do que em outras necessidades básicas – como amor e conexões sociais, comida e bebida, realizações e outros comportamentos humanos cotidianos.

Isso porque, de acordo com Salomão, o vício está relacionado ao motivo e se torna tão importante quanto as outras necessidades. Salomão acredita ainda que o vício se torna um “motivo adquirido”, e os motivos adquiridos ou aprendidos, tais como desejos, preferências alimentares e desejo de realização ou emoções, são os principais aspectos do comportamento humano.

O que dizem os estudos?

Conforme explicado por pesquisadores do Instituto Politécnico da Virgínia e da Universidade Estadual, em Blacksburg, VA, Solomon analisou as emoções dos pára-quedistas e descobriu que novos paraquedistas tinham níveis mais altos de medo do que paraquedistas experientes e ganhavam pouco prazer com a atividade.

Os paraquedistas experientes também experimentaram mais prazer com o pouso. Enquanto os paraquedistas mais novos continuavam saltando, eles começaram a sentir mais prazer e menos medo.

Outro relatório da Frontiers in Psychology examinou a teoria de Solomon, colocando cães em arreios que administravam tratamentos de choque de 10 segundos. Inicialmente, os cães ficaram com medo e entraram em pânico. Uma vez que os choques pararam, os cães ficaram cautelosos e cautelosos.

Como o experimento continuou, os cães começaram a tolerar melhor os choques. Após o término do experimento, os cães acabaram retornando ao estado anterior. Os resultados mostraram como os cães mudaram do medo para o medo, e com o tempo, de volta para suas personalidades originais. Os pesquisadores acreditam que isso ocorreu principalmente porque os cães se acostumaram com os tratamentos de choque.

Processo Adversário em Situações Saudáveis

Doutor que guarda a mão do paciente na cama de hospital nas urgências.

O estresse pode às vezes alimentar o sistema de recompensa. Por exemplo, a maioria das pessoas que suportam continuamente situações estressantes tendem a se sair melhor ao longo do tempo.

Outro exemplo são pessoas com empregos altamente estressantes, como médicos de emergência. Inicialmente, os médicos experimentam altos níveis de estresse e pouca pressa. Com o tempo, no entanto, a pressa os leva a estressá-los.

A teoria do processo do oponente também pode ser vista em novos relacionamentos, onde duas pessoas que lidam inicialmente com as peculiaridades de cada um, acham que esses hábitos se tornam menos atraentes ao longo do tempo.

Outro exemplo do processo adversário em situações saudáveis ​​diz respeito a pessoas que assistem a filmes de terror. Muitas pessoas as acham perturbadoras no começo, mas depois de algum tempo, elas gostam de assisti-las.

Alívio de situações dolorosas

A teoria do processo adversário se manifesta na cura e no alívio da dor. À medida que a dor diminui ou a cura continua, os sentimentos negativos que as pessoas inicialmente sentiam começam a diminuir e começam a experimentar sentimentos mais agradáveis.

Essa teoria foi explicada com pesquisas sobre comportamentos não suicidas de automutilação.

Pesquisadores da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, em Wuhan, Hubei, China, examinaram a ligação entre a auto-agressão não-suicida e as tentativas de suicídio em adolescentes e universitários chineses.

Eles descobriram que o método para decretar o suicídio, baseado na teoria do processo adversário, sugeriu que a exposição repetida aos gatilhos emocionais mudaria com o tempo.

O prazer inicial durou pouco e, à medida que a resposta oposta se tornou mais forte, as pessoas não conseguiram provocar a mesma reação da emoção que tinham antes.

Em outras palavras, a razão original para querer cometer suicídio – desejando eliminar a dor – é ofuscada por não temer mais a morte.

Satisfação no trabalho e motivação

No final dos anos 1970, o psicólogo Frank Landy sugeriu que as atitudes profissionais resultam do bom desempenho do corpo. Com base na abordagem de Landy, fatores motivacionais, como um aumento salarial, seriam de curta duração porque o tempo muda a força das emoções. Portanto, toda vez que o salário aumenta, a resposta de uma pessoa é menos favorável.

Outros pesquisadores discordam de algumas das idéias de Landy. Por exemplo, estudos mais recentes constataram que o estresse diário afeta a satisfação no trabalho e a motivação, e não fatores instintivos ou relacionados ao funcionamento do corpo.

Embora a teoria do processo do oponente possa oferecer algum insight sobre a satisfação no trabalho, não há pesquisas suficientes para indicar sua eficácia em contextos profissionais e no trabalho.

Like this post? Please share to your friends: