Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Prediabetes: o que você precisa saber

Quando alguém tem pré-diabetes, seus níveis de glicose no sangue são altos, mas ainda não altos o suficiente para ser um sinal de diabetes tipo 2.

O pré-diabetes é muito comum, afetando 1 em cada 3 adultos americanos.

Fazer exercício físico suficiente, comer uma dieta saudável e manter um peso saudável pode reverter os sintomas do pré-diabetes e evitar que o diabetes tipo 2 se desenvolva.

O que é pré-diabetes?

[homem saudável testando para pré-diabetes]

A insulina é um hormônio responsável pelo transporte de açúcar da corrente sangüínea para as células a serem usadas como energia.

Quando uma pessoa tem pré-diabetes, seu corpo não pode usar insulina de forma eficaz.

Às vezes, isso resulta em células não recebendo açúcar suficiente, o que deixa muito açúcar circulando na corrente sanguínea.

Níveis elevados de açúcar no sangue podem causar sérias complicações à saúde, especialmente danos aos vasos sanguíneos, coração e rins.

De acordo com os Centros de Controle de Doenças (CDC), cerca de 86 milhões de americanos têm pré-diabetes, mas muitos não sabem que têm a doença.

A maioria das pessoas que têm pré-diabetes não apresenta nenhum sintoma. No momento em que o fazem, geralmente é um sinal de que a condição progrediu para o diabetes tipo 2.

Diagnóstico

A American Diabetes Association (Associação Americana de Diabetes) sugere que as pessoas devem considerar exames de sangue quando tiverem cerca de 45 anos de idade.

No entanto, o teste de glicose deve começar mais cedo para aqueles com fatores de risco para diabetes, como excesso de peso ou histórico familiar de diabetes.

Vários testes de açúcar no sangue podem confirmar um diagnóstico pré-diabetes. Os médicos repetem os testes duas ou três vezes antes de fazer um diagnóstico oficial.

Aqui estão os testes diagnósticos mais comuns.

Teste de hemoglobina glicada (A1C)

Este teste verifica os níveis médios de açúcar no sangue de uma pessoa nos últimos 3 meses. Uma pontuação do teste de sangue A1C entre 5,7 e 6,4 por cento significa que um indivíduo provavelmente terá pré-diabetes.

Algumas condições, como gravidez, afetam os níveis de açúcar no sangue. Isso pode interferir nos resultados da A1C.

Além disso, os resultados para algumas pessoas de certas etnias, ou aqueles com certas doenças do sangue, como a anemia falciforme, podem mostrar imprecisões no teste. Isso pode levar a um diagnóstico incorreto ou a um manejo inadequado da doença.

Teste de glicose no sangue em jejum (FBGT)

O teste de glicemia em jejum mede os níveis de açúcar em um determinado ponto. Um resultado entre 100 e 125 miligramas por decilitro (mg / dL) é considerado um sinal de pré-diabetes.

Aqueles submetidos a um FBGT não podem comer ou beber por pelo menos 8 horas antes de dar uma amostra de sangue. Muitos agendam o teste para o início da manhã, quando a maioria já jejuou durante a noite.

Teste de tolerância oral à glicose (OGTT)

O OGTT também requer 8 horas de jejum. Normalmente, os níveis de açúcar no sangue serão verificados antes e 2 horas depois de beber uma bebida de glicose.

Outros protocolos incluem testar os níveis de açúcar no sangue a cada 30 a 60 minutos após o consumo da bebida de glicose.

Um valor de 2 horas entre 140 e 199 miligramas por decilitro (mg / dL) é considerado intolerância à glicose. É um sinal de pré-diabetes.

O OGTT é freqüentemente usado para ajudar a diagnosticar aqueles que não são bons candidatos para o teste de A1C. Essas pessoas incluem mulheres com suspeita de diabetes gestacional ou relacionada à gravidez e aquelas com problemas no sangue.

Teste de pré-diabetes em crianças

Segundo a American Diabetes Association (ADA), o número de crianças com diabetes tipo 2 nos Estados Unidos está aumentando.

A ADA recomenda o rastreamento anual de diabetes para crianças com excesso de peso ou que tenham uma combinação de fatores de risco para pré-diabetes. Os resultados dos testes para crianças devem ser interpretados da mesma forma que para adultos.

Fatores de risco de diabetes para crianças incluem:

[criança diabético]

  • Excesso de peso: Crianças obesas ou com altos níveis de gordura na barriga.
  • Sexo: O diabetes tipo 2 afeta mais as meninas do que os meninos.
  • Idade: A maioria dos diagnósticos de diabetes tipo 2 em crianças é feita até os 10 anos de idade.
  • Família: crianças que têm familiares com diabetes tipo 2 ou mães que tiveram diabetes gestacional.
  • Raça ou etnia: Filhos de ascendência afro-americana, nativa americana e hispânica têm maior probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2.

Uma vez que o pré-diabetes tenha sido diagnosticado, as pessoas devem continuar a fazer o teste regularmente. Isso dá aos médicos uma melhor compreensão da situação da pessoa e da progressão da condição.

Manter um olho nos níveis de açúcar no sangue durante um período de tempo também ajuda a rastrear o impacto que qualquer mudança de estilo de vida causou.

Pessoas com pré-diabetes devem fazer testes de glicemia pelo menos uma vez por ano. Muitos médicos exigem que as pessoas façam testes com mais frequência, dependendo de seus fatores de risco individuais.

Fatores de risco

Muitos fatores podem contribuir para o desenvolvimento de pré-diabetes.

Cada vez mais a ligação entre genética, história familiar e pré-diabetes foi identificada. No entanto, inatividade e excesso de gordura da barriga são consideradas as causas mais comuns e influentes de pré-diabetes e diabetes tipo 2.

Fatores de risco para pré-diabetes e diabetes tipo 2 incluem:

  • Excesso de peso ou obesidade: quanto mais tecido adiposo está presente, menos sensível à glicose as células se tornam.
  • Excesso de gordura ao redor da região abdominal: para as mulheres, um tamanho de cintura acima de 35 polegadas está ligado a uma maior prevalência de pré-diabetes. Para os homens, um tamanho de cintura acima de 40 polegadas é considerado um risco.
  • Idade: O pré-diabetes pode se desenvolver em qualquer pessoa de qualquer idade, mas acredita-se que o risco de pré-diabetes aumenta após os 45 anos de idade. Isto pode ser devido a inatividade, má alimentação e perda de massa muscular, que tipicamente diminui com a idade.
  • Dieta: O excesso de carboidratos, especialmente alimentos adoçados ou bebidas, pode prejudicar a sensibilidade à insulina ao longo do tempo.Dietas ricas em carnes vermelhas ou processadas também estão ligadas ao desenvolvimento de pré-diabetes.
  • Padrões de sono: Pessoas com apneia obstrutiva do sono têm um risco aumentado de desenvolver pré-diabetes.
  • História familiar: Ter um parente imediato com diabetes tipo 2 aumenta significativamente o risco de desenvolver a doença.
  • Estresse: Durante períodos de estresse, o corpo libera o hormônio cortisol na corrente sanguínea, aumentando os níveis de glicose no sangue. Pessoas que sofrem de estresse a longo prazo podem ter a síndrome de Cushing, que pode causar diabetes.
  • Diabetes gestacional: Mulheres que dão à luz bebês com 9 quilos ou mais podem ter um risco maior de pré-diabetes. As mulheres que desenvolvem diabetes gestacional durante a gravidez e seus filhos correm maior risco de desenvolver a doença.
  • Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP): Mulheres com SOP são mais suscetíveis à resistência à insulina, o que pode levar ao pré-diabetes, ou diabetes tipo 2. As mulheres com diabetes tipo 1 têm um risco maior de SOP.
  • Etnia: O risco de desenvolver pré-diabetes tende a ser maior para afro-americanos, nativos americanos, hispânicos, ilhéus do Pacífico e asiáticos americanos. O motivo ainda não está claro.
  • Síndrome Metabólica: Quando o impacto da obesidade, pressão alta, altos níveis de triglicérides (gorduras “ruins”) e baixos níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL ou “gorduras boas”) se combinam, a resistência à insulina pode ocorrer. A síndrome metabólica é definida como a presença de três ou mais condições que influenciam o metabolismo.

Tratamento: remédios naturais

O pré-diabetes pode ser revertido através de exercícios e dieta. Mas de acordo com o CDC, 15 a 30 por cento das pessoas com pré-diabetes desenvolverão diabetes tipo 2 se não fizerem essas mudanças no estilo de vida.

Nem todas as recomendações funcionam para todos, mas consistentemente fazem uma dieta saudável, e se exercitar regularmente são as principais formas de evitar que o pré-diabetes progrida para o diabetes tipo 2.

Mudancas de estilo de vida

[dieta saudável e exercício físico previne prediabetes]

Mudanças no estilo de vida que podem reduzir as chances de desenvolver diabetes tipo 2 incluem:

  • Perda de peso: perder cerca de 7% do peso total do corpo, particularmente reduzindo a gordura da barriga, pode reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2 em 58%.
  • Atividade moderada e consistente: pessoas com diabetes devem tentar 30 minutos de exercício moderado cinco vezes por semana.
  • Aumento da massa muscular: O músculo queima calorias a uma taxa maior que a gordura, o que pode contribuir para atingir um peso saudável. Isso, por sua vez, ajuda a estabilizar os níveis de glicose no sangue.
  • Aumentando a flexibilidade: o alongamento é uma forma de exercício. Ser flexível também pode ajudar a reduzir o impacto de lesões e melhorar a recuperação.
  • Reduzindo o estresse: O estresse provoca a liberação de um hormônio chamado cortisol na corrente sanguínea, o que eleva os níveis de glicose no sangue.
  • Dieta saudável: As dietas, que são ricas em fibras, proteínas magras e carboidratos complexos, mas pobres em açúcares simples, ajudam a manter os níveis de glicose no sangue estáveis.
  • Mantendo um cronograma rigoroso de refeições: Fazer pequenas refeições regularmente ao longo do dia ajuda a evitar picos e quedas nos níveis de glicose no sangue. A maioria das pessoas precisa comer a cada 3 a 5 horas para administrar melhor os níveis de açúcar no sangue.
  • Deixando de fumar: A nicotina é um estimulante, que aumenta os níveis de glicose no sangue. Fumar pode causar resistência à insulina e é um fator de risco para o desenvolvimento de diabetes.
  • Evitar o excesso de açúcares: alimentos e bebidas com açúcares adicionados causam picos e quedas na glicose no sangue e contribuem para o excesso de peso.
  • Ingestão de café com moderação: A cafeína é um estimulante que aumenta os níveis de glicose no sangue. No entanto, alguns estudos mostraram que o café tem sido associado ao aumento da sensibilidade à insulina.
  • Dormir o suficiente: Estar cansado ou doente pode aumentar os níveis de estresse, o que pode aumentar o açúcar no sangue.
  • Monitoramento da glicose no sangue: Pessoas com fatores de risco pré-diabetes ou altos níveis de glicose no sangue podem precisar monitorar seus níveis em casa.
  • Tomar medicamentos como prescrito: algumas pessoas com pré-diabetes podem receber medicamentos como a metformina para controlar seus sintomas.

Tratamento de condições que afetam os níveis de glicose no sangue

Há várias maneiras de tratar condições que afetam os níveis de açúcar no sangue de uma pessoa. Esses incluem:

  • Envolvendo os outros: quanto mais pessoas souberem que você está tentando mudar o estilo de vida, melhor. Dizer aos entes queridos sobre seus objetivos ou formar um grupo com outras pessoas que administram pré-diabetes é uma boa maneira de fazer e manter as mudanças necessárias.
  • Definir metas realistas e fazer mudanças lentamente: concentre-se no que você pode fazer no dia a dia. Definir metas irrealistas significa que as pessoas têm menos probabilidade de enfrentá-las e isso pode fazer com que elas se sintam desanimadas. A American Diabetes Association oferece conselhos para ajudar as pessoas a começar.
  • Testes online: existem para avaliar sintomas. Os testes on-line podem ser úteis, mas se alguém apresentar algum sintoma de pré-diabetes, deve consultar o médico.

Progressão para diabetes tipo 2

Os sinais de que o pré-diabetes progrediu para diabetes tipo 2 incluem:

  • sede aumentada ou implacável
  • fadiga ou sentir-se fraco
  • sentindo-se fraco ou tonto
  • visão embaçada

Qualquer pessoa que tenha esses sintomas deve consultar um médico.

Terapias alternativas

Embora ainda existam poucas evidências para provar que as terapias alternativas podem tratar pré-diabetes, elas podem ajudar no tratamento da doença.

[aromaterapia reduz o estresse e, portanto, também pré-diabetes]

Uma variedade de ervas, vitaminas e minerais pode ajudar.

Esses incluem:

  • fenacho
  • magnésio
  • Canela das Indias
  • babosa
  • alho
  • ácido alfa-lipóico, que é um antioxidante encontrado em alimentos, como espinafre, brócolis e batatas
  • cromo
  • Ácidos graxos ômega-3 podem ajudar a estabilizar os níveis de glicose no sangue

Terapias alternativas que podem reduzir o risco diminuindo o estresse incluem terapia de relaxamento, aromaterapia, massagem terapêutica e reflexologia.

No entanto, terapias alternativas não devem ser usadas no lugar de uma dieta saudável, exercícios regulares e atenção médica para pessoas com sintomas.

Like this post? Please share to your friends: