Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Poderia um extrato de cúrcuma ajudar no tratamento do câncer de pâncreas?

Um obstáculo comum no tratamento do câncer de pâncreas é a resistência aos medicamentos. No entanto, novas pesquisas mostraram que a curcumina – um composto que pode ser encontrado na cúrcuma – pode ajudar a superar a resistência à quimioterapia.

raiz de cúrcuma e pó

A curcumina é o composto ativo encontrado em plantas como açafrão, e mais e mais estudos têm apontado para o potencial terapêutico do composto para várias condições, variando de câncer a diabetes.

Estudos pré-clínicos sugeriram que o composto tem várias propriedades antioxidantes, neuroprotetoras, anti-inflamatórias e anticarcinogênicas.

No entanto, o composto é muito rapidamente metabolizado e eliminado do corpo humano quando tomado por via oral. Por essa razão, mais estudos e ensaios clínicos são necessários para testar os benefícios terapêuticos que ele pode ter – seja por conta própria ou em combinação com outros tipos de tratamento convencional.

Novas pesquisas ajudam a preencher essa lacuna de pesquisa, uma vez que testa os benefícios da curcumina em combinação com a quimioterapia tradicional no tratamento do câncer de pâncreas.

Especificamente, o novo estudo investiga o potencial da curcumina para superar a quimiorresistência, que é um desafio comum no tratamento do adenocarcinoma ductal pancreático (PDAC).

O estudo foi conduzido por pesquisadores liderados por Ajay Goel, Ph.D., diretor de pesquisa gastrointestinal e genômica translacional e oncologia no Baylor Scott & White Research Institute, em Dallas, Texas.

Os resultados foram publicados na revista

Inibindo vias de resistência a medicamentos

Acredita-se que as células-tronco cancerígenas sejam o principal culpado no desenvolvimento da resistência à quimioterapia no tratamento da PDAC; estudos sugeriram que eles têm a capacidade de escapar da quimioterapia, e que eles podem ser a principal causa de metástase.

No entanto, como os autores do novo estudo explicam, outras pesquisas mostraram que a curcumina pode bloquear essa quimiorresistência adquirida, embora os mecanismos moleculares precisos para esse benefício potencial sejam desconhecidos.

Evidências recentes apontam para uma subunidade do chamado grupo de proteínas policomponentes como um elemento crucial na manutenção de células-tronco. As proteínas Polycomb desempenham um papel fundamental na diferenciação de células-tronco, e uma subunidade do complexo repressivo poliforme 2 mostrou regular a resistência a drogas.

Esta subunidade é chamada de Enhancer of Zeste Homolog 2 (EZH2), e sua expressão anormal foi mostrada para bloquear a ação de supressores de tumor.

Quando o Dr. Goel e colegas trataram as células pancreáticas com curcumina, inibiram a via EZH2, o que tornou as células mais receptivas à quimioterapia.

Além disso, os pesquisadores descobriram que a curcumina bloqueia a formação de esferóides em culturas de células, o que sugere que também inibiria o crescimento e a recorrência de tumores.

“Ao tratar certas células com pequenas doses de curcumina, fomos capazes de reverter os caminhos que levam à quimiorresistência”, diz o Dr. Goel.

“Este é um avanço importante que pode levar a um melhor prognóstico e a uma vida mais longa para pacientes com câncer pancreático quimiorresistente”.

Ajay Goel, Ph.D.

Estudos anteriores mostraram que a curcumina tem benefícios preventivos, mas, para o conhecimento dos autores, este é o primeiro estudo que mostra o efeito benéfico do extrato da planta em combinação com a quimioterapia e suas vantagens em superar a resistência a drogas.

Dr. Goel e sua equipe estão esperançosos de que este composto natural tenha um potencial único de cura. “Os vegetais com base em alimentos têm o potencial de restaurar uma expressão genética mais saudável em pacientes, mas sem a toxicidade de certas drogas”, conclui.

Like this post? Please share to your friends: