Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que você precisa saber sobre câncer anal

O câncer anal ocorre no ânus, localizado no final do trato gastrointestinal. É diferente e menos comum que o câncer colorretal, que é o câncer do cólon ou do reto.

O câncer anal é raro, mas o número de novos casos está aumentando. Segundo a American Cancer Society, em 2017, é provável que haja cerca de 8.200 novos casos, dos quais 5.250 afetarão as mulheres e 2.950 afetarão os homens. Cerca de 1.100 pessoas devem morrer de câncer anal, incluindo 650 mulheres e 450 homens.

Vários fatores de risco estão ligados ao câncer anal, mas a infecção por dois tipos de vírus do papiloma humano (HPV) parece estar por trás de 79% dos casos.

O câncer anal é raro antes dos 35 anos de idade. A idade média de diagnóstico é no início dos anos 60. Os homens têm uma chance em 500 de contrair câncer anal, e o risco é um pouco maior nas mulheres.

Sintomas e sinais

Diagrama do esfíncter

Sintomas comuns de câncer anal podem incluir

  • sangramento retal perceptível se houver sangue nas fezes ou papel higiênico
  • dor na região anal
  • caroços ao redor do ânus, que podem ser confundidos com hemorróidas ou hemorróidas
  • muco ou descarga gelatinosa do ânus
  • coceira anal
  • alterações nos movimentos intestinais, incluindo diarreia, obstipação ou enfraquecimento das fezes
  • incontinência fecal ou problemas no controle dos movimentos intestinais
  • inchaço
  • as mulheres podem sentir dor lombar enquanto o tumor pressiona a vagina
  • as mulheres podem sentir secura vaginal

Causas

No câncer anal, um tumor é criado pelo crescimento anormal e descontrolado de células no ânus.

O ânus é a área no final do trato gastrointestinal. O canal anal liga o reto ao exterior do corpo. Está rodeado por um músculo conhecido como o esfíncter. O esfíncter controla os movimentos intestinais, contraindo e relaxando. O ânus é a parte em que o canal anal se abre para o exterior.

O canal anal é revestido com células escamosas. Essas células planas parecem escamas de peixe sob o microscópio. A maioria dos cânceres anais se desenvolve a partir dessas células escamosas. Tais cancros são conhecidos como carcinomas de células escamosas.

O ponto em que o canal anal encontra o reto é chamado de zona de transição. A zona de transição tem células escamosas e células glandulares. Estes produzem muco que ajuda as fezes, ou fezes, a passar pelo ânus suavemente.

A maioria dos cânceres anais são carcinomas de células escamosas, mas o adenocarcinoma também pode se desenvolver a partir das células glandulares do ânus.

Fatores de risco

Múltiplos fatores de risco foram estudados que estão ligados ao câncer anal. Eles incluem qualquer ou uma combinação dos seguintes:

  • Vírus do papiloma humano (HPV): Alguns tipos de HPV estão intimamente ligados ao câncer anal. Cerca de 79 por cento das pessoas com câncer anal têm HPV 16 ou 18, e 8 por cento têm outros tipos de HPV.
  • Parceiros sexuais múltiplos: essa atividade aumenta o risco de contrair o HPV, o que, por sua vez, aumenta o risco de câncer anal, que é um fator de risco conhecido.
  • Relações anais receptivas: homens e mulheres que recebem relações anais têm um risco maior de desenvolver câncer anal. Homens que são HIV positivos e que fazem sexo com homens têm até 90 vezes mais chances de desenvolver câncer anal, em comparação com a população em geral.
  • Outros tipos de câncer: Mulheres que tiveram câncer vaginal ou do colo do útero, e homens que tiveram câncer de pênis estão em maior risco de desenvolver câncer anal. Isso também está ligado à infecção pelo HPV.
  • Idade: O câncer anal, como a maioria dos cânceres, tem maior probabilidade de ser detectado em uma idade mais avançada.
  • Um sistema imunológico enfraquecido: Pessoas com HIV ou AIDS e aqueles que estão tomando medicamentos imunossupressores após um transplante estão em maior risco.
  • Tabagismo: fumantes têm um risco significativamente maior de câncer anal e outros do que os não-fumantes.
  • Lesões anais benignas: doença intestinal irritável (DII), hemorróidas, fístulas ou cicatrizes têm sido associadas ao câncer anal. A inflamação resultante de lesões anais benignas pode aumentar o risco.

Tratamento

O tratamento para o câncer anal dependerá de vários fatores, incluindo o tamanho do tumor, se ele se espalhou ou não, onde está e a saúde geral do paciente. Cirurgia, quimioterapia e radioterapia são as principais opções.

Cirurgia

O tipo de cirurgia depende do tamanho e posição do tumor.

Ressecção

O cirurgião remove um pequeno tumor e alguns tecidos circundantes. Isso só pode ser feito se o esfíncter anal não for afetado. Após este procedimento, a pessoa ainda será capaz de passar um movimento intestinal.

Ressecção abdominoperineal

O ânus, o reto e uma seção do intestino são removidos cirurgicamente, e uma colostomia será estabelecida. Em uma colostomia, o final do intestino é trazido para a superfície do abdômen. Uma bolsa é colocada sobre o estoma, ou a abertura. A bolsa recolhe as fezes do lado de fora do corpo. Uma pessoa com uma colostomia pode levar uma vida normal, praticar esportes e ser sexualmente ativa.

Quimioterapia e Radioterapia

A maioria dos pacientes provavelmente precisará de quimioterapia, radioterapia ou ambos.

A radioterapia pode ser combinada com a quimioterapia para destruir as células cancerosas anais. Os tratamentos podem ser administrados em conjunto ou um após o outro. Esta abordagem aumenta a chance de reter um esfíncter anal intacto. As taxas de sobrevivência e remissão são boas.

A quimioterapia usa drogas citotóxicas que impedem a divisão das células cancerígenas. Eles são administrados por via oral ou por injeção.

A radioterapia usa raios de alta energia que destroem as células cancerígenas. Radiação pode ser entregue internamente ou externamente.

Radioterapia e quimioterapia têm efeitos adversos, e combiná-los pode tornar os efeitos colaterais mais agudos.

Os efeitos colaterais podem incluir:

  • diarréia ou constipação
  • dor e bolhas ao redor da área-alvo, que é o ânus
  • maior susceptibilidade a infecções durante o tratamento
  • fadiga
  • perda de apetite
  • náusea ou vômito
  • úlceras na boca ou boca dolorida
  • perda de cabelo
  • estreitamento e secura da vagina
  • uma contagem baixa de glóbulos brancos, aumentando o risco de infecção
  • anemia, devido a uma baixa contagem de glóbulos vermelhos
  • baixa contagem de plaquetas, aumentando o risco de hematomas ou hemorragias
  • pele seca
  • erupções cutâneas
  • problemas musculares e nervosos
  • tosse excessiva e, por vezes, dificuldades respiratórias
  • problemas de fertilidade

Outlook

O câncer é diagnosticado de acordo com seu estágio. Opções de tratamento e perspectivas dependem do estágio em que é diagnosticado.

Uma forma comum de encenar o câncer é de 0 a 4. No estágio 0, as células cancerígenas estão apenas na camada superior do tecido anal. Isso também é conhecido como doença de Bowen. No estágio 4, o câncer se espalhou por todo o corpo.

A chance de sobreviver mais 5 anos ou mais após o diagnóstico depende do estágio e do tipo de câncer.

A American Cancer Society oferece as seguintes taxas de sobrevivência de 5 anos:

Etapa Cânceres escamosos Cânceres não-escamosos
0 71% 59%
1 64% 53%
2 48% 38%
3 43% 24%
4 21% 7%

É importante lembrar que esses números são baseados em taxas médias do passado. À medida que a medicina progride, a expectativa é que os tratamentos sejam cada vez mais eficazes, especialmente se o câncer for diagnosticado em um estágio inicial.

O resultado também depende da idade e condição de saúde de uma pessoa, além do câncer.

Diagnóstico

Um médico perguntará sobre os sintomas e histórico médico e realizará um exame.

Se o médico acredita que o câncer anal está presente, ele encaminhará o paciente para um cirurgião colorretal, um médico especializado em problemas intestinais.

O especialista pode realizar vários testes.

Um exame retal

Isso pode ser desconfortável, mas geralmente não é doloroso. O médico pode usar um proctoscópio, anuscópio ou sigmoidoscópio para examinar a área com mais detalhes. O exame determinará se uma biópsia é necessária.

Uma biópsia

Uma pequena amostra de tecido é retirada da área anal e enviada ao laboratório para teste. O tecido será examinado sob um microscópio.

Se a biópsia revelar tecido canceroso, mais testes serão feitos para descobrir o tamanho do câncer e se ele se espalhou.

Uma tomografia computadorizada, ressonância magnética ou ultra-sonografia pode ajudar a confirmar os resultados. Este pode ser um ultra-som retal, onde o instrumento é inserido no ânus.

Prevenção

O câncer anal é raro, mas algumas recomendações podem ajudar a reduzir ainda mais o risco.

Esses incluem:

  • reduzindo a chance de ser infectado pelo HPV através da vacinação
  • usar preservativos ao fazer sexo
  • limitando o número de parceiros sexuais
  • abstendo-se de relações anais
  • não fume

A maioria dos casos de câncer anal pode ser diagnosticada precocemente. No entanto, se os sintomas começarem mais acima no canal anal, isso pode não ser possível.

As pessoas que têm um risco maior devem considerar o rastreamento para câncer anal. Isso inclui mulheres que tiveram câncer vulvar ou cervical, infecção por HPV conhecida, qualquer um que seja HIV positivo, pessoas com história de verrugas anais e receptores de transplante de órgão.

Like this post? Please share to your friends: