Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que são eutanásia e suicídio assistido?

A eutanásia e o suicídio assistido por médico referem-se a ações deliberadas tomadas com a intenção de terminar uma vida, a fim de aliviar o sofrimento persistente.

Na maioria dos países, a eutanásia é contra a lei e pode levar uma sentença de prisão. Nos Estados Unidos, a lei varia entre os estados.

A eutanásia tem sido um tema controverso e emotivo.

Eutanásia e suicídio assistido

paciente e médico de mãos dadas

As definições de eutanásia e suicídio assistido variam.

Uma distinção útil é:

Eutanásia: É permitido a um médico, por lei, acabar com a vida de uma pessoa por meios indolores, desde que o paciente e sua família concordem.

Suicídio assistido: Um médico ajuda um paciente a cometer suicídio se ele solicitar.

Eutanásia voluntária e involuntária

A eutanásia também pode ser classificada como voluntária ou involuntária.

A eutanásia voluntária é conduzida com consentimento. A eutanásia voluntária é atualmente legal na Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Suíça e nos estados de Oregon e Washington nos EUA.

A eutanásia involuntária é a eutanásia realizada sem consentimento. A decisão é tomada por outra pessoa, porque o paciente é incapaz de tomar a decisão.

Eutanásia passiva e ativa

Existem duas classificações processuais de eutanásia:

A eutanásia passiva é quando os tratamentos que sustentam a vida são retidos. As definições não são precisas. Se um médico prescreve doses crescentes de medicamentos analgésicos fortes, como opioides, isso pode eventualmente ser tóxico para o paciente. Alguns podem argumentar que isso é eutanásia passiva.

Outros, no entanto, diriam que isso não é eutanásia, porque não há intenção de tirar a vida.

A eutanásia ativa é quando alguém usa substâncias ou forças letais para acabar com a vida do paciente, seja pelo paciente ou por outra pessoa.

A eutanásia ativa é mais controversa, e é mais provável que envolva argumentos religiosos, morais, éticos e compassivos.

O que é suicídio assistido?

O suicídio assistido tem várias interpretações e definições diferentes.

Um é:

“Ajudar intencionalmente uma pessoa a cometer suicídio, fornecendo medicamentos para auto-administração, a pedido voluntário e competente da pessoa.”

Algumas definições incluem as palavras “para aliviar o sofrimento intratável (persistente, imparável)”.

O papel dos cuidados paliativos

Como a dor é o sinal mais visível de sofrimento persistente, as pessoas com câncer e outras condições crônicas que ameaçam a vida frequentemente recebem cuidados paliativos. Opioides são comumente usados ​​para controlar a dor e outros sintomas.

Os efeitos adversos dos opioides incluem sonolência, náusea, vômito e constipação. Eles também podem ser viciante. Uma overdose pode ser fatal.

Recusando o tratamento

Em muitos países, incluindo os EUA, um paciente pode recusar o tratamento que é recomendado por um profissional de saúde, desde que eles tenham sido devidamente informados e “de boa mente”.

História

Um argumento contra a eutanásia ou suicídio assistido por médico é o Juramento de Hipócrates, que remonta a cerca de 2.500 anos. Todos os médicos fazem esse juramento.

O juramento de Hipócrates

O juramento original incluía, entre outras coisas, as seguintes palavras:

“Eu não darei uma droga mortal a quem pediu, nem farei uma sugestão nesse sentido.”

Existem variações do juramento moderno.

Um afirma:

“Se me for dado para salvar uma vida, todo o agradecimento. Mas também pode estar ao meu alcance tirar uma vida; essa responsabilidade incrível deve ser encarada com grande humildade e consciência de minha própria fragilidade.”

Como o mundo mudou desde a época de Hipócrates, alguns acham que o juramento original está desatualizado. Em alguns países, uma versão atualizada é usada, enquanto em outros, por exemplo, o Paquistão, os médicos ainda aderem ao original.

À medida que mais tratamentos se tornam disponíveis, por exemplo, a possibilidade de prolongar a vida, seja qual for sua qualidade, é uma questão cada vez mais complexa.

Eutanásia nos Estados Unidos

Nos EUA e em outros países, a eutanásia tem sido um tópico de debate desde o início do século XIX.

Em 1828, a primeira lei anti-eutanásia nos EUA foi aprovada no estado de Nova York. Com o tempo, outros estados seguiram o exemplo.

No século 20, Ezekiel Emmanual, um bioeticista dos Institutos Nacionais Americanos de Saúde (NIH), disse que a era moderna da eutanásia foi introduzida pela disponibilidade de anestesia.

Em 1938, uma sociedade de eutanásia foi estabelecida nos EUA, para pressionar pelo suicídio assistido.

O suicídio assistido por médicos tornou-se legal na Suíça em 1937, desde que o médico que acabou com a vida do paciente não tivesse nada a ganhar.

Durante a década de 1960, a defesa da abordagem do direito à morte à eutanásia cresceu.

A Holanda descriminalizou o suicídio assistido por médico e afrouxou algumas restrições em 2002. Em 2002, o suicídio assistido por médico foi aprovado na Bélgica.

Nos EUA, os comitês formais de ética agora existem em hospitais, casas de repouso e hospitais, e as diretrizes de saúde antecipadas, ou testamentos em vida, são comuns em todo o mundo. Estes se tornaram legais na Califórnia em 1977, com outros estados logo seguindo o exemplo. No testamento vital, a pessoa declara seus desejos por cuidados médicos, caso se tornem incapazes de tomar sua própria decisão.

Em 1990, o Supremo Tribunal Federal aprovou o uso da eutanásia não ativa.

Em 1994, os eleitores do Oregon aprovaram a Lei da Morte com Dignidade, permitindo que os médicos auxiliassem os pacientes terminais que não deveriam sobreviver mais de 6 meses.

A Suprema Corte dos EUA adotou tais leis em 1997, e o Texas tornou a eutanásia não-ativa legal em 1999.

O caso Terri Schiavo galvanizou a opinião pública na Flórida e nos EUA.Schiavo teve uma parada cardíaca em 1990, e passou 15 anos em estado vegetativo antes que o pedido de seu marido para permitir que ela passasse foi concedido.

O caso envolveu várias decisões, apelações, moções, petições e audiências judiciais durante vários anos antes da decisão de desconectar o suporte de vida da Schiavo em 2005.

A Legislatura da Flórida, o Congresso dos EUA e o presidente Bush desempenharam um papel importante.

Em 2008, 57,91% dos eleitores do Estado de Washington escolheram a Lei da Morte com Dignidade, e o ato tornou-se lei em 2009.

Controvérsia

Vários argumentos são comumente citados a favor e contra a eutanásia e o suicídio assistido por médicos.

Argumentos para

Liberdade de escolha: Os defensores argumentam que o paciente deve ser capaz de fazer sua própria escolha.

Qualidade de vida: Somente o paciente sabe realmente como se sente e como a dor física e emocional da doença e a morte prolongada afetam sua qualidade de vida.

Dignidade: Todo indivíduo deve poder morrer com dignidade.

Testemunhas: Muitos que testemunham a morte lenta de outros acreditam que a morte assistida deve ser permitida.

Recursos: Faz mais sentido canalizar os recursos de pessoal altamente qualificado, equipamentos, leitos hospitalares e medicamentos para tratamentos que salvam vidas para aqueles que desejam viver, em vez daqueles que não desejam.

Humane: É mais humano permitir que uma pessoa com sofrimento intratável possa escolher acabar com esse sofrimento.

Amados: Pode ajudar a encurtar a dor e o sofrimento dos entes queridos.

Nós já fazemos isso: se um animal de estimação amado tem sofrimento intratável, é visto como um ato de bondade para colocá-lo para dormir. Por que essa gentileza deve ser negada aos humanos?

Argumentos contra

O papel do médico: Os profissionais de saúde podem não estar dispostos a comprometer seus papéis profissionais, especialmente à luz do Juramento de Hipócrates.

Argumentos morais e religiosos: Várias religiões vêem a eutanásia como uma forma de assassinato e moralmente inaceitável. O suicídio também é “ilegal” em algumas religiões. Moralmente, há um argumento de que a eutanásia enfraquecerá o respeito da sociedade pela santidade da vida.

Competência do paciente: A eutanásia só é voluntária se o paciente for mentalmente competente, com uma compreensão lúcida das opções e conseqüências disponíveis e a capacidade de expressar esse entendimento e seu desejo de encerrar sua própria vida. Determinar ou definir competência não é simples.

Culpa: Os pacientes podem sentir que são um fardo para os recursos e são psicologicamente pressionados a consentir. Eles podem sentir que o fardo financeiro, emocional e mental de sua família é grande demais. Mesmo que os custos do tratamento sejam fornecidos pelo estado, existe o risco de que o pessoal do hospital possa ter um incentivo econômico para encorajar o consentimento da eutanásia.

Doença mental: É mais provável que uma pessoa com depressão peça suicídio assistido, e isso pode complicar a decisão.

Escalada escorregadia: Existe o risco de que o suicídio assistido por um médico comece com aqueles que estão em estado terminal e desejem morrer por causa do sofrimento intratável, mas depois comecem a incluir outros indivíduos.

Possível recuperação: Muito ocasionalmente, um paciente recupera, contra todas as probabilidades. O diagnóstico pode estar errado.

Cuidados paliativos: Os bons cuidados paliativos tornam a eutanásia desnecessária.

Regulamento: A eutanásia não pode ser adequadamente regulada.

Estatisticas

As opiniões parecem estar aumentando em favor da eutanásia e do suicídio assistido.

Em 2013, pesquisadores publicaram resultados de uma pesquisa na qual perguntaram a pessoas de 74 países suas opiniões sobre o suicídio assistido por médicos.

No geral, 65 por cento dos entrevistados votaram contra o suicídio assistido por médico. Em 11 dos 74 países, a votação foi principalmente para.

Nos EUA, onde 1.712 entrevistados representavam 49 estados, 67% votaram contra. Em 18 estados, a maioria era para suicídio assistido por médico. Estes 18 não incluem Washington ou Oregon.

Em 2017, uma pesquisa da Gallup indicou que 73% dos entrevistados eram a favor da eutanásia nos EUA e 67% eram a favor do suicídio assistido por médico.

Entre os frequentadores da igreja semanais, Gallup descobriu que 55 por cento eram a favor de um médico acabando com a vida de um paciente que está com doença terminal, em comparação com 87 por cento daqueles que não freqüentam regularmente a igreja.

É também uma questão política. A pesquisa Gallup de 2017 descobriu que quase 9 entre 10 liberais são a favor, em comparação com 79% dos moderados e 60% dos conservadores.

Quantas pessoas morrem a cada ano?

Nos países onde a eutanásia ou o suicídio assistido são legais, eles são responsáveis ​​por um total entre 0,3 e 4,6 por cento das mortes, mais de 70 por cento delas relacionadas ao câncer. Nos estados de Oregon e Washington, menos de 1% dos médicos prescrevem receitas que ajudarão ao suicídio a cada ano.

Like this post? Please share to your friends: