O que há para saber sobre vaginite atrófica?

A vaginite atrófica é um distúrbio vaginal que geralmente ocorre após a menopausa. Quando os níveis de estrogênio caem, as paredes vaginais podem ficar finas, secas e inflamadas. Isso pode ser desconfortável.

Entre 10 e 40 por cento das mulheres apresentam sintomas de vaginite atrófica após a menopausa, mas apenas 20 a 25 por cento procuram ajuda médica.

GABA 750 mg no iHerb
GABA 750 mg
⚡️ Ajuda com a depressão ⚡️
⚡️ Reduz o estresse e a ansiedade ⚡️
⚡️ Melhora o sono ⚡️
⚡️ Relaxa e acalma ⚡️
⚡️ Melhora a concentração ⚡️
❤️ Recomendo-o sinceramente! ❤️
➡️ Saiba mais e compre no iHerb ⬅️

Outros podem não fazê-lo porque eles usam tratamento em casa ou porque se sentem constrangidos devido à natureza sensível da condição.

Não tratada, pode afetar a qualidade de vida.

Fatos rápidos sobre vaginite atrófica

  • Vaginite atrófica refere-se ao ressecamento da vagina.
  • Cerca de 40% das mulheres na pós-menopausa apresentam sintomas, mas muitas não procuram tratamento.
  • Os sintomas incluem relações sexuais dolorosas e aumento das infecções do trato urinário (ITUs).
  • É causada por uma redução no estrogênio, normalmente após a menopausa ou tratamento com drogas anti-estrogênicas.
  • Tratamentos tópicos e terapia de reposição hormonal (TRH) podem aliviar os sintomas.

Sintomas

Vaginite atrófica

Aqui estão os principais indicadores da vaginite atrófica:

  • secura vaginal
  • dor durante a relação sexual ou dispareunia
  • descarga fina, aquosa, amarela ou cinza
  • palidez e afinamento dos lábios e da vagina
  • irritação ao usar determinadas roupas, como jeans apertados, ou quando em um assento de bicicleta
  • infecções do trato urinário mais freqüentes (ITUs)

Os sintomas também estão presentes no processo de micção. Esses incluem:

  • dor ao urinar
  • sangue na urina
  • aumento da frequência de micção
  • incontinência
  • maior probabilidade e ocorrência de infecções

Também pode haver uma redução nos cabelos públicos, e a vagina pode se tornar mais estreita e menos elástica.

Causas

A causa mais comum de vaginite atrófica é a diminuição do estrogênio após a menopausa. Também pode ocorrer após o parto, e pode acontecer quando drogas antiestrogênicas são usadas para tratar outras condições.

Os ovários produzem estrogênio até que a mulher tenha a menopausa. Nos Estados Unidos, 51 anos é a idade média em que ocorre a menopausa. Antes da menopausa, o estrogênio na corrente sanguínea da mulher ajuda a proteger a pele da vagina e estimula as secreções vaginais.

Quando os ovários param de produzir estrogênio após a menopausa, as paredes da vagina tornam-se finas e as secreções vaginais são reduzidas. Mudanças similares podem acontecer com mulheres após o parto, mas essas mudanças são temporárias e menos severas.

Medicamentos ou hormônios podem ser usados ​​como parte do tratamento para câncer de mama, endometriose, miomas ou infertilidade para reduzir os níveis de estrogênio. Essa diminuição pode levar à vaginite atrófica.

Outras causas incluem:

  • tratamento para a área pélvica
  • diabetes descontrolado
  • quimioterapia
  • estresse severo
  • depressão
  • exercício rigoroso

Vaginite atrófica pode ocorrer em mulheres mais jovens que tiveram a cirurgia para remover seus ovários. Algumas mulheres desenvolvem a condição quando os níveis de estrogênio são naturalmente mais baixos, como durante a amamentação.

Outras substâncias que podem causar irritação adicional à vagina são sabões, detergentes para a roupa, loções, perfumes ou duchas.

Fumar, tampões, infecções por fungos e preservativos também podem desencadear ou piorar a secura vaginal.

Diagnóstico

O médico fará um exame e perguntará sobre o histórico médico. Eles podem perguntar sobre o uso de agentes que podem irritar a área e causar ou agravar os sintomas, como sabonetes ou perfumes.

O pH, ou acidez, da área vaginal também é tomado. Um pH de 4,6 ou superior indica vaginite atrófica. O pH normal desta área é de 4,5 ou menos.

O médico também pode solicitar uma triagem de infecção, especialmente em casos de alta ou sangramento. Um teste de diabetes pode ser realizado para descartar o diabetes.

Exemplos de infecções que também podem estar presentes incluem candidíase, endometrite e vaginose bacteriana. A vaginite atrófica pode tornar a área mais suscetível à infecção. Pode ocorrer ao lado de uma infecção.

Se o diagnóstico não for claro ou houver suspeita de malignidade, uma biópsia pode ser realizada para descartar o câncer.

É provável que um exame vaginal cause desconforto ou dor em um paciente com vaginite atrófica.

Tratamento

Tratamentos tópicos podem ajudar.

Um lubrificante vaginal solúvel em água pode ajudar a proporcionar alívio durante a relação sexual, em casos leves.

Vaginite atrófica HRT

Geleia de petróleo, óleo mineral ou outros óleos não são adequados. Estes podem aumentar a chance de infecção e podem danificar preservativos de látex ou diafragmas.

A terapia de reposição hormonal (TRH), como um comprimido, gel, adesivo ou implante, pode fornecer estrogênio para todo o corpo. É eficaz, mas pode haver efeitos colaterais. Os pacientes devem discutir os riscos do TRH a longo prazo com o seu médico.

A TRH localizada é aplicada topicamente e concentra o tratamento na área afetada. Uma dose baixa de creme de estriol pode ser usada para estimular a rápida reprodução e reparo das células do epitélio vaginal.

Comprimidos, cremes, anéis e pessários vaginais podem ser aplicados internamente para concentrar o suprimento de estrogênio na área vaginal.

O exercício regular é importante, pois mantém o fluxo sanguíneo e a circulação genital elevados. Experimentar a dieta também pode ser eficaz. Estrogênios vegetais, sementes de linhaça, óleos de peixe e cohosh preto podem ajudar a aliviar a vaginite atrófica.

Prevenção

Usar o estrogênio vaginal antes que a condição se torne grave pode ser uma maneira de proteger a vagina.

A atividade sexual regular pode ajudar a prevenir a vaginite atrófica. Usando um lubrificante vaginal solúvel em água pode aliviar casos leves durante a relação sexual.

Desde que a vagina tenha níveis suficientes de estrogênio, a atividade sexual também pode mostrar benefícios tanto para a elasticidade quanto para a flexibilidade da região.Mulheres que são sexualmente ativas relatam menos sintomas de vaginite atrófica quando comparadas a mulheres que não têm relações sexuais regularmente.

Escrito por Sy Kraft

Like this post? Please share to your friends:
PTMedBook.com