Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que há para saber sobre transtorno de ansiedade social?

Transtorno de ansiedade social ou ansiedade social é um desconforto emocional excessivo, medo ou preocupação com situações sociais. O indivíduo está preocupado em ser avaliado ou examinado por outras pessoas, e há um medo maior de interações com os outros.

Transtorno de ansiedade social é por vezes referido como fobia social. Uma fobia é um medo irracional de certas situações, objetos ou ambientes.

Estima-se que 7% dos adultos nos Estados Unidos tenham experimentado ansiedade social no último ano e que 12,1% da mesma população o façam em algum momento de suas vidas.

Fatos rápidos sobre ansiedade social

  • Pessoas com transtorno de ansiedade social são desproporcionalmente nervosas em situações sociais.
  • Os sintomas podem incluir desconforto abdominal, tontura e um “ciclo negativo” de sentir-se ansioso sobre qualquer sensação de ansiedade. Ataques de pânico também podem ocorrer.
  • É mais comum em mulheres que em homens.
  • O tratamento pode incluir psicoterapia e medicação.

O que é transtorno de ansiedade social?

Ansiedade social

Uma pessoa com transtorno de ansiedade social pode ter muito medo de constrangimento em situações sociais. Esse medo pode afetar relacionamentos pessoais e profissionais.

A ansiedade social geralmente ocorre no início da infância como uma parte normal do desenvolvimento social e pode passar despercebida até que a pessoa fique mais velha. Os gatilhos e a frequência da ansiedade social variam dependendo do indivíduo.

Muitas pessoas se sentem nervosas em certas situações sociais, como quando fazem uma apresentação, saem em uma data ou participam de uma competição. Isso é normal e não se qualifica como transtorno de ansiedade social.

A ansiedade social torna-se uma condição médica quando as interações sociais cotidianas causam medo, autoconsciência e constrangimento excessivos.

Tarefas triviais e cotidianas, como preencher um formulário com pessoas ao redor e comer em lugares públicos ou com amigos, podem se tornar altamente estressantes para alguém com ansiedade social.

Sintomas

Pode haver sintomas físicos, emocionais e comportamentais. A ansiedade social pode afetar as tarefas diárias, incluindo a vida escolar, o trabalho e outras atividades.

Os sinais e sintomas comportamentais e emocionais incluem:

  • evitando situações em que o indivíduo sente que pode ser o centro ou foco de atenção
  • medo de estar em situações com estranhos
  • pavor de como eles serão apresentados aos outros
  • medo excessivo de constrangimento e humilhação, ser provocado e criticado, ou outras pessoas percebendo que uma pessoa com transtorno de ansiedade social parece ansiosa
  • um medo de estar ansioso que piora a ansiedade
  • medo de conhecer pessoas em autoridade
  • ansiedade grave ou ataques de pânico quando experimentando a situação temida
  • abstendo-se de certas atividades ou conversando com as pessoas por medo de constrangimento
  • uma mente em branco em situações sociais que causam ansiedade

As crianças com possível transtorno de ansiedade social tendem a se preocupar em ficar constrangidas diante dos colegas, mas não dos adultos.

Os sinais e sintomas físicos incluem:

  • palpitações cardíacas
  • dor abdominal
  • evitando contato visual
  • rubor
  • choro, birra, apego aos pais ou isolamento em crianças
  • mãos úmidas e frias
  • confusão
  • chorando
  • diarréia
  • dificuldade em falar, às vezes incluindo uma voz trêmula
  • boca seca e garganta
  • suor excessivo
  • tensão muscular
  • náusea
  • tremendo e tremendo
  • perturbação da marcha, em que o indivíduo fica tão preocupado com a forma como anda que perde o equilíbrio ou talvez tropeça ao passar um grupo de pessoas

Um indivíduo com transtorno de ansiedade social também pode:

  • ser super sensível a críticas
  • ter baixa auto-estima
  • tem habilidades sociais pobres
  • não ser assertivo
  • falar negativamente sobre si mesmos, com pensamentos imprecisos e autodestrutivos

Indivíduos com transtorno de ansiedade social, às vezes, sofrem menos do que a escola ou trabalham para evitar a atenção de serem promovidos ou terem que participar de tarefas em grupo. Em casos graves ou crônicos de ansiedade social, a pessoa pode desenvolver outras condições psicológicas, como a depressão.

Uma pessoa com transtorno de ansiedade social pode achar as seguintes situações extremamente difíceis de enfrentar:

  • sendo apresentado e conversando com novas pessoas
  • indo para uma sala onde as pessoas já estão instaladas
  • fazendo contato visual
  • encomendar uma refeição em um restaurante
  • começar uma conversa
  • usando um telefone público ou banheiro público
  • escrevendo na frente de outras pessoas

Pessoas com transtorno de ansiedade social geralmente sabem que sua ansiedade é irracional. No entanto, em muitos casos, a ansiedade persiste e não melhora sem tratamento adequado.

Superando a ansiedade

Dança menina feliz

Um dos fatores que pioram os sintomas de ansiedade social é o medo de se tornar ansioso.

Quanto mais ansiosa uma pessoa se sente em situações sociais, menos provável é que ela se exponha às situações sociais.

Estar exposto a situações sociais, no entanto, é necessário para superar a ansiedade, e quanto menos a pessoa se expõe à interação social, mais extrema se torna a ansiedade.

É importante quebrar o ciclo de pensamentos ansiosos. Há etapas comprovadas para ajudar a preparar uma pessoa para interações sociais que podem se sentir nervosas antes de ter que enfrentá-las.

Esses incluem:

Estimulando pensamentos positivos antes dos compromissos sociais: As atividades que fazem você feliz podem liberar substâncias químicas do bem-estar no cérebro que o relaxam durante os encontros potencialmente estressantes. Ouça a música que você ama, assista a uma pequena TV ou jogue videogame. Talvez se envolva em algum exercício leve ou meditação.

Reformulando os processos de pensamento negativos: Dizer a si mesmo que você é uma pessoa tímida reforçará as ansiedades atuais sobre conversar com as pessoas ou estar em público.Pensamentos alimentam padrões de comportamento. Uma técnica realizada na terapia cognitivo-comportamental envolve orientar os pacientes durante o processo de ressignificação.

Anotar esses processos de pensamento pode ajudar. Por exemplo, “Eu sou uma pessoa tímida” pode se tornar “Eu agi como uma pessoa tímida na reunião”. Ajuda as pessoas a saberem que podem mudar a forma como se percebem e como sentem que os outros as vêem.

Não depender de álcool ou narcóticos: eles não apenas podem formar uma dependência mais tarde na vida, mas também não ajudam o problema no âmago da ansiedade social. Tente administrar sentimentos negativos em situações sociais sem produtos químicos ou siga um curso medicamente apoiado de medicamentos prescritos por um médico.

Embora alguns casos de ansiedade social possam ser tão graves que essas etapas não resolvam a condição sem tratamento, elas podem ajudar a pessoa a abordar a interação social com uma mentalidade positiva.

Diagnóstico

Um médico, muitas vezes um médico da atenção primária, pode realizar uma avaliação física, bem como um exame psiquiátrico básico. O exame físico ajuda o médico a descartar quaisquer causas físicas para os sintomas.

Um clínico geral provavelmente encaminhará o indivíduo para um profissional de saúde mental, geralmente um psiquiatra ou psicólogo.

O profissional de saúde mental perguntará à pessoa com suspeita de ansiedade social para descrever os sintomas, quando eles ocorrem, com que frequência e por quanto tempo eles estão ocorrendo. Eles podem então pedir ao paciente para preencher um questionário.

Nos EUA, os sintomas devem atender aos critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM) para ansiedade social antes que um diagnóstico possa ser dado, incluindo:

  • evitando situações que possam produzir ansiedade.
  • um medo persistente de situações sociais em que eles acreditam que serão examinados ou agir de forma embaraçosa ou humilhante.
  • níveis excessivos ou desproporcionais de ansiedade para a situação
  • vida diária sendo afetada pela ansiedade
  • muita ansiedade causada por situações sociais

Tratamento

Transtorno de ansiedade social é uma condição vitalícia para muitas pessoas, geralmente mudando em quão grave é. Tratamentos podem ajudar as pessoas a controlar seus sintomas e ganhar confiança.

Psicoterapia e medicamentos são considerados os tratamentos mais eficazes.

Psicoterapia

Este é um tratamento psicológico que utiliza uma ampla variedade de técnicas para ajudar a pessoa a encarar a si mesma e seus problemas de uma forma mais realista, superando-os e lidando com eles de maneira eficaz.

Existem muitos tipos de psicoterapia, incluindo terapia cognitiva, terapia interpessoal, terapia psicodinâmica e terapia familiar.

Terapia cognitiva comportamental

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) demonstrou melhorar muito os sintomas.

A TCC ajuda o paciente a perceber que são seus próprios pensamentos, em vez de outras pessoas, que determinam como eles reagem ou se comportam. Neste tipo de psicoterapia, o paciente aprende a reconhecer e mudar pensamentos negativos sobre si mesmos.

Este tipo de terapia tem duas partes principais:

  • um elemento cognitivo, projetado para limitar o pensamento distorcido ou desproporcional
  • um elemento comportamental, projetado para mudar a forma como as pessoas reagem a objetos ou situações que provocam ansiedade

O indivíduo também pode receber terapia de exposição, na qual eles gradualmente trabalham para enfrentar as situações que temem.

Com a exposição cognitiva entregue (CDE), o paciente confronta com segurança as situações ou locais que causam problemas, muitas vezes na companhia do terapeuta.

Medicamentos

Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) são os medicamentos mais comuns prescritos para pessoas com transtorno de ansiedade social.

Eles são pensados ​​para ser o tratamento mais seguro e eficaz para sintomas persistentes. Exemplos podem incluir:

  • paroxetina (Paxil, Paxil CR)
  • sertralina (Zoloft)
  • fluvoxamina (Luvox, Luvox CR)
  • fluoxetina (Prozac, Sarafem)

Possíveis efeitos colaterais podem incluir:

  • dores de cabeça
  • insônia
  • náusea
  • disfunção sexual

Um médico pode prescrever inibidores de recaptação de serotonina e norepinefrina (SNRIs), como a venlafaxina (Effexor, Effexor XR). Eles geralmente começam prescrevendo uma dose pequena, que é gradualmente aumentada. Pode levar até 3 meses para qualquer melhora nos sintomas ser perceptível.

As benzodiazepinas são uma classe de droga também usada como medicação anti-ansiedade. Exemplos incluem alprazolam (Xanax) e clonazepam (Klonopin). Os cursos de benzodiazepínicos geralmente são curtos, pois podem causar dependência.

Os efeitos colaterais podem incluir:

  • confusão
  • sonolência
  • tontura
  • perda de equilíbrio
  • perda de memória

Os beta-bloqueadores ajudam a bloquear os efeitos estimulantes da adrenalina. Eles geralmente são prescritos para situações específicas, como ter que fazer uma apresentação. Eles não são usados ​​para tratamento contínuo.

Causas

Especialistas dizem que o transtorno de ansiedade social tem causas ambientais e genéticas.

  • Causas genéticas: como a condição parece ocorrer nas famílias, as ligações genéticas estão sendo investigadas. Há pesquisas em andamento que tentam descobrir quanto disso é genético e quanto é adquirido.
  • Produtos químicos no corpo: Os cientistas estão atualmente pesquisando quais produtos químicos no corpo podem promover o desenvolvimento de transtorno de ansiedade social. A serotonina, uma substância química do cérebro, pode ter um papel importante quando os níveis não estão certos ou se um indivíduo é extremamente sensível.
  • Estrutura cerebral: Alguns pesquisadores acreditam que a amígdala no cérebro pode desempenhar um papel na resposta ao medo, resultando em reações excessivas.
  • Meteorologia e demografia: os países do Mediterrâneo têm taxas mais baixas de transtorno de ansiedade social em comparação com os países escandinavos. Isto pode ser devido a um clima mais quente, bem como uma maior densidade populacional.Um clima mais quente pode reduzir a evitação de situações sociais e aumentar o contato com outras pessoas. Outros sugerem que fatores culturais podem contribuir para reduzir as taxas de ansiedade social.

Complicações

Silhueta de pessoa deprimida

Transtorno de ansiedade social pode persistir ao longo da vida de uma pessoa, se for deixada sem tratamento. Suas ansiedades podem acabar dominando seu estilo de vida.

Isso pode interferir na vida diária, no trabalho escolar, no trabalho profissional, nos relacionamentos e na felicidade geral.

Em casos graves, o indivíduo pode deixar o trabalho, abandonar a escola e ficar isolado.

Há também um risco de abuso de álcool ou substâncias, depressão e pensamentos suicidas.

Fatores de risco

Transtorno de ansiedade social geralmente começa no início a meados da adolescência, mas às vezes pode começar muito mais cedo ou mais tarde.

Os seguintes fatores podem aumentar o risco de desenvolver transtorno de ansiedade social:

  • Gênero: O distúrbio é significativamente mais comum entre mulheres do que homens.
  • Genética: O risco de desenvolver a condição pode ser maior se os pais ou irmãos de uma pessoa tiverem essa condição.
  • Criação: Algumas pessoas acreditam que o transtorno de ansiedade social pode se desenvolver em pessoas que testemunharam comportamento ansioso em outras pessoas. Pode haver uma ligação entre a ansiedade social e a paternidade superprotetora.
  • Algumas experiências de vida: Crianças que sofreram bullying, ridicularização, humilhação ou rejeição são consideradas mais suscetíveis à ansiedade social quando comparadas a outras pessoas. Os fatores também podem incluir abuso sexual, um conflito familiar ou outra experiência negativa.
  • Personalidade: Crianças retiradas, contidas, tímidas ou tímidas são consideradas mais propensas a desenvolver transtorno de ansiedade social.
  • Uma provação exigente: algumas pessoas podem sentir ansiedade social pela primeira vez quando precisam fazer uma apresentação importante. Os atores podem sentir medo do palco ou fobia social quando estão no palco.

Os seres humanos são animais sociais, e a espiral negativa de pensamentos que contribuem para a ansiedade social pode transformar uma ligeira inquietação em conversar com grandes grupos de pessoas sobre um sério problema de saúde mental. Aprender a gostar da socialização antes que o processo de pensamento chegue a esse estágio é vital para melhorar a qualidade de vida.

Like this post? Please share to your friends: