Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre o transtorno da compulsão alimentar periódica?

Transtorno alimentar compulsivo envolve períodos de excessos excessivos. No entanto, ao contrário de outros transtornos alimentares, como a bulimia, a pessoa geralmente não vomita depois de comer.

A condição pode ocorrer sozinha ou ao lado de outros distúrbios ou doenças.

A compulsão alimentar pode estimular o desenvolvimento de pressão alta, obesidade, diabetes e doenças cardíacas.

Fatos rápidos sobre compulsão alimentar

  • Distúrbio alimentar compulsivo difere de bulimia, como não há purgação após a compulsão.
  • As pessoas com a condição sentem que não têm controle sobre sua alimentação.
  • Depressão e outros fatores psicológicos podem desencadear a condição.
  • Uma sessão de compulsão pode consistir em até 20.000 calorias.
  • A obesidade é uma complicação possível.

Sintomas

Binge comendo junk food

Quando as pessoas têm um transtorno da compulsão alimentar periódica, também chamado de compulsivo, elas frequentemente consomem grandes quantidades de alimentos.

Essa compulsão é conhecida como compulsão.

Em alguns casos, 10.000 a 20.000 calorias de comida podem ser consumidas em um período de compulsão. A pessoa média consome entre 1.500 a 3.000 calorias por dia.

No entanto, existem várias definições para uma compulsão. Pode durar tipicamente um par de horas. Alguns especialistas, no entanto, dizem que uma compulsão pode durar até um dia inteiro.

Em muitos casos de transtorno da compulsão alimentar periódica, não há sinais ou sintomas claros.

O ganho de peso é o principal sinal do transtorno da compulsão alimentar periódica. Uma proporção significativa de pessoas com o transtorno está acima do peso.

Os seguintes sinais e sintomas de obesidade, assim como potenciais consequências, podem incluir:

  • diabetes
  • doença cardíaca
  • hipertensão
  • alguns cancros
  • colesterol alto
  • doença da vesícula biliar

Uma pessoa com compulsão alimentar pode também:

  • anseiam por açúcar
  • sentir dor de estômago
  • encontrar altas ou baixas temperaturas difíceis de suportar
  • tem dores de cabeça mais frequentes

Características psicológicas incluem:

  • um ciclo de culpa, começando com o desespero de estar preso em uma farra, seguido de culpa, em seguida, uma tentativa de auto-disciplina antes de compulsão novamente
  • baixa autoestima
  • auto-culpa, o que prejudica ainda mais a auto-estima

Os seguintes problemas psicológicos podem estar subjacentes ou podem ocorrer como consequência da compulsão alimentar:

  • depressão
  • ataques de pânico
  • falta de foco
  • ansiedade
  • desespero

Uma pessoa com um transtorno de compulsão alimentar pode tipicamente:

  • tem períodos em que grandes quantidades de comida são consumidas
  • coma mesmo quando cheio
  • comer rapidamente durante um surto de compulsão
  • sentir que o comportamento alimentar é incontrolável
  • tem depressão
  • tem ansiedade
  • dieta freqüentemente sem sucesso
  • muitas vezes comem sozinho
  • comida de açougue
  • esconder recipientes de comida vazios
  • sentir remorso, vergonha, culpa, desgosto, desespero por comer.

Quando ver um médico

Como compulsão alimentar é comportamental, muitas vezes pode ser o caso de uma pessoa não reconhecer que o hábito se tornou um problema médico até que seu peso corporal aumente para um nível que irá afetar a saúde.

Portanto, é muito importante consultar um médico assim que sentir que se tornou uma compulsão ou vício em ingerir quantidades excessivas de alimentos.

A questão pode causar sentimentos de constrangimento e isolamento, mas é crucial agir de acordo com o conselho de pessoas próximas a você, caso tenham identificado padrões destrutivos na forma como você consome alimentos.

Se você experimenta regularmente condições relacionadas, como depressão ou ansiedade, e se encontra compulsivamente comendo, é importante abordar essas causas subjacentes com um médico.

O que é transtorno da compulsão alimentar?

Mulher olha na geladeira

Uma pessoa com um transtorno de compulsão alimentar se sente compelida a comer demais. Indivíduos consumirão enormes quantidades de comida, mesmo quando não estiverem com fome.

Comedores compulsivos acreditam que eles não têm absolutamente nenhum controle sobre sua alimentação.

Após um período de compulsão alimentar, uma pessoa pode sentir nojo e culpa. Esses sentimentos podem fazer parte de um problema subjacente, como ansiedade ou depressão, mas ambas as condições podem causar ou exacerbar o transtorno.

A maioria das pessoas ocasionalmente come muita comida, ajudando-se a segundos e até a terços, especialmente em feriados ou comemorações festivas. Este não é um sinal de compulsão alimentar.

A compulsão alimentar torna-se uma desordem quando ocorre regularmente, e a pessoa sempre sente vergonha e sigilo. A pessoa com um transtorno de compulsão alimentar é profundamente envergonhada por comer em excesso e promete nunca mais fazê-lo. No entanto, a compulsão é tão forte que os desejos subseqüentes de se empanturrar não podem ser resistidos.

Pesquisadores da Universidade Estadual da Pensilvânia descobriram que o humor de mulheres em idade universitária que estão preocupadas com sua auto-imagem e dieta tendem a piorar depois de ataques desordenados.

Em muitas partes do mundo, o transtorno da compulsão alimentar periódica não é considerado uma condição distinta. No entanto, é o mais comum de todos os transtornos alimentares. Isso pode mudar à medida que mais pesquisas são publicadas e os cientistas aprendem mais sobre a condição.

Fatores de risco

Os seguintes fatores foram sugeridos como fatores de risco para o transtorno da compulsão alimentar periódica:

  • Idade: Embora pessoas de qualquer idade possam ser afetadas, os primeiros sinais de compulsão alimentar freqüentemente começam no final da adolescência ou início dos vinte anos, sugerindo que a idade desempenha um papel.
  • Outros transtornos alimentares: Pessoas que têm ou tiveram outros transtornos alimentares, como anorexia ou bulimia, correm maior risco de desenvolver transtorno da compulsão alimentar periódica.
  • Condições relacionadas: Condições como o distúrbio de Prader-Willi, uma lesão do hipotálamo, podem desencadear reações de compulsão alimentar.
  • Dieta: A dieta é um fator de risco para bulimia e anorexia. Algumas pessoas com transtorno alimentar nunca fizeram dieta, enquanto outras têm histórico de dieta. Mais estudos são necessários para confirmar a dieta como um fator de risco.
  • Problemas de saúde mental: Pessoas com transtorno de compulsão alimentar agem impulsivamente e sentem que não têm controle sobre sua alimentação. Uma porcentagem maior de pessoas com transtorno de compulsão alimentar tem problemas em lidar com o estresse, a ansiedade, a raiva, a tristeza, o tédio e a preocupação. Tem sido sugerido que pode haver uma ligação com a depressão.
  • Abuso sexual: alguns indivíduos com o transtorno relatam que sofreram abuso sexual quando eram jovens.
  • Expectativas da sociedade: Tem sido sugerido que o foco da mídia na forma, aparência e peso do corpo pode ser um gatilho para o transtorno da compulsão alimentar periódica. A mídia social tem sido associada a esse fator.
  • Biologia: O desenvolvimento do transtorno da compulsão alimentar periódica pode estar ligado à vulnerabilidade biológica envolvendo genes e substâncias químicas cerebrais. A pesquisa atual está olhando como a regulação do apetite do sistema nervoso central pode afetar os hábitos alimentares das pessoas. Também pode haver pistas de como funciona o intestino.
  • Ocupação: Há algumas evidências de que uma porcentagem maior de atletas e modelos tem transtorno da compulsão alimentar em comparação com outras pessoas. Embora algumas pessoas sugiram que os indivíduos que trabalham em restauração podem ser suscetíveis, mais estudos são necessários para confirmar o link.

A prevalência do transtorno da compulsão alimentar periódica não é conhecida. Isso se deve em parte à tendência de os bingers tenderem a ser secretos e também à definição variável do distúrbio entre os diferentes centros de tratamento e os médicos.

Um estudo sugere que o transtorno da compulsão alimentar periódica afeta até 3,5% das mulheres nos EUA e 2% dos homens.

Tratamento

Terapia de compulsão alimentar

O tratamento geralmente é destinado a:

  • reduzindo a frequência de comer compulsões
  • melhorar o bem-estar emocional
  • quando necessário, perdendo peso

A compulsão alimentar está intimamente ligada a emoções negativas, como culpa, vergonha, baixa autoestima e autodepreciação. Estes precisam ser abordados, assim como alguns outros problemas psicológicos.

Qualquer um que suspeite que eles podem ter transtorno alimentar compulsivo deve procurar ajuda médica o mais rapidamente possível.

A seguir, são eficazes terapias para transtornos alimentares:

  • um programa de autoajuda supervisionado por profissionais de saúde
  • terapia psicológica
  • um antidepressivo inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS), como o Prozac, para pessoas com transtorno da compulsão alimentar grave

Terapias

Em terapias para o transtorno da compulsão alimentar periódica, o indivíduo é incentivado a parar de depender do ciclo de compulsão por culpa como forma de lidar com problemas emocionais. Os seguintes tipos de terapia foram mostrados para ajudar pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica:

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): O terapeuta ajuda o indivíduo a procurar novas maneiras de interpretar e lidar com situações, sentimentos e alimentos.
  • Grupos de apoio: juntar-se e participar de grupos de ajuda e apoio pode ajudar a remover a sensação de isolamento
  • Livros de autoajuda: Existe uma ampla gama de material de auto-ajuda disponível que pode ajudá-lo a monitorar a ingestão de alimentos, fazer planos de refeições realistas, descobrir e abordar seus gatilhos e identificar as causas subjacentes do comportamento. Cursos de auto-ajuda são melhor recebidos em uma capacidade “guiada”, com o tratamento sendo apoiado e supervisionado por um profissional de saúde, geralmente um terapeuta.
  • Psicoterapia: O tratamento do transtorno da compulsão alimentar periódica pode envolver o encontro regular com um terapeuta que ajuda a pessoa a entender as causas de sua ansiedade e maneiras de aceitar seus pontos fortes e fracos. Isso geralmente envolve a terapia interpessoal, que se concentra nas relações com outras pessoas. Se relacionamentos ruins e habilidades de comunicação prejudiciais contribuíram para o transtorno da compulsão alimentar periódica, a terapia interpessoal pode ajudar.
  • Controle de peso: Para que a pessoa alcance um peso corporal ideal, os problemas psicológicos subjacentes existentes precisam ser abordados primeiro. Um indivíduo com excesso de peso deve seguir um plano de perda de peso estabelecido por um profissional de saúde qualificado.

Prevenção

Uma pessoa pode não reconhecer os hábitos de compulsão alimentar até que tenha causado efeitos sobrepeso e efeitos adversos à saúde.

Embora não haja uma maneira definitiva de prevenir o distúrbio, existem medidas que podem ajudar a reduzir o risco, incluindo:

  • Manter um diário alimentar: Ao manter um diário alimentar, a pessoa com compulsão alimentar pode eventualmente identificar quais padrões alimentares, ou tipos de alimentos, tendem a desencadear uma sensação repentina e falsa de fome.
  • Comer alimentos com pouco açúcar: alimentos com baixo índice glicêmico liberam açúcar de forma mais lenta e consistente ao longo do dia.
  • Aumente a frequência alimentar, mas reduza o tamanho das porções: Para manter os níveis de açúcar no sangue, faça pequenas refeições com mais frequência e certifique-se de incluir carboidratos complexos.
  • Evite alimentos açucarados, álcool e cafeína: corte todos os alimentos e bebidas que causam flutuações severas nos níveis de açúcar no sangue.

As definições variadas do transtorno de compulsão alimentar significam que também existem recomendações diferentes para a prevenção.

Os pediatras geralmente conseguem identificar os primeiros sinais de um distúrbio alimentar que começa na infância e tomam medidas para impedir seu desenvolvimento. Os pais devem cultivar e reforçar uma imagem corporal saudável em seus filhos desde tenra idade, independentemente de seu tamanho ou forma corporal.

Like this post? Please share to your friends: