Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é uma fratura?

Uma fratura óssea é uma condição médica em que a continuidade do osso é quebrada.

Uma porcentagem significativa de fraturas ósseas ocorre por causa do impacto de alta força ou estresse.

No entanto, uma fratura também pode ser o resultado de algumas condições médicas que enfraquecem os ossos, por exemplo, osteoporose, alguns tipos de câncer ou osteogênese imperfeita (também conhecida como doenças dos ossos frágeis).

Uma fratura causada por uma condição médica é conhecida como uma fratura patológica.

Fatos rápidos sobre fraturas

Aqui estão alguns pontos importantes sobre fraturas. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • A maioria das fraturas ósseas é causada por quedas e acidentes.
  • Fraturas ósseas causadas por doenças são denominadas fraturas patológicas.
  • Uma fratura composta é aquela que também causa lesão na pele sobrejacente.
  • Existem vários tipos diferentes de fraturas, incluindo fraturas por avulsão, cominução e capilar.
  • A cicatrização óssea é um processo natural, o tratamento gira em torno de dar ao osso condições ótimas para se curar.

O que é uma fratura óssea?

[Mãos e pulsos de raios X]

A palavra “break” é comumente usada por pessoas leigas (não profissionais).

Entre os médicos, especialmente especialistas em ossos, como cirurgiões ortopédicos, “quebrar” é um termo muito menos comum quando se fala de ossos.

Uma rachadura (não apenas uma fratura) no osso é também conhecida como fratura. As fraturas podem ocorrer em qualquer osso do corpo.

Existem várias maneiras diferentes pelas quais um osso pode fraturar; por exemplo, uma ruptura no osso que não danifique o tecido circundante ou rasgue a pele é conhecida como uma fratura fechada.

Por outro lado, aquele que danifica a pele circundante e penetra na pele é conhecido como uma fratura exposta ou uma fratura exposta. As fraturas compostas geralmente são mais graves do que fraturas simples, porque, por definição, estão infectadas.

A maioria dos ossos humanos é surpreendentemente forte e pode geralmente resistir a impactos ou forças razoavelmente fortes. No entanto, se essa força for muito poderosa, ou se houver algo errado com o osso, ela poderá fraturar.

Quanto mais velhos ficamos, menos força nossos ossos podem suportar. Como os ossos das crianças são mais elásticos, quando eles têm fraturas, eles tendem a ser diferentes. As crianças também têm placas de crescimento no final dos ossos – áreas de crescimento ósseo – que às vezes podem ser danificadas.

Tipos

Existe uma variedade de tipos de fratura, incluindo:

  • Fratura avulsão – um músculo ou ligamento puxa o osso, fraturando-o.
  • Fratura cominutiva – o osso é quebrado em vários pedaços.
  • Fratura por compressão (esmagamento) – geralmente ocorre no osso esponjoso da coluna vertebral. Por exemplo, a porção frontal de uma vértebra na coluna pode entrar em colapso devido à osteoporose.
  • Luxação de fratura – uma articulação se desloca, e um dos ossos da articulação tem uma fratura.
  • Fratura em galho verde – o osso fratura parcialmente de um lado, mas não se rompe completamente porque o resto do osso pode dobrar. Isso é mais comum entre as crianças, cujos ossos são mais macios e mais elásticos.
  • Fratura da linha fina – uma fratura parcial do osso. Às vezes, esse tipo de fratura é mais difícil de detectar com raios-x de rotina.
  • Fratura impactada – quando o osso é fraturado, um fragmento de osso entra em outro.
  • Fratura intra-articular – onde a ruptura se estende para a superfície de uma articulação
  • Fratura longitudinal – a quebra é ao longo do comprimento do osso.
  • Fratura oblíqua – uma fratura que é diagonal ao longo eixo do osso.
  • Fratura patológica – quando uma doença ou condição subjacente já enfraqueceu o osso, resultando em uma fratura (fratura óssea causada por uma doença / condição subjacente que enfraqueceu o osso).
  • Fratura em espiral – uma fratura em que pelo menos uma parte do osso foi torcida.
  • Fratura por estresse – mais comum entre os atletas. Um osso quebra por causa de tensões e esforços repetidos.
  • Fratura do toro (fivela) – o osso se deforma, mas não racha. Mais comum em crianças. É doloroso, mas estável.
  • Fratura transversal – uma ruptura direta em um osso.

Sintomas

[Raio X do Joelho]

Os sinais e sintomas de uma fratura variam de acordo com a qual o osso é afetado, a idade e a saúde geral do paciente, bem como a gravidade da lesão. No entanto, eles geralmente incluem alguns dos seguintes:

  • dor
  • inchaço
  • contusões
  • pele descolorida ao redor da área afetada
  • angulação – a área afetada pode ser dobrada em um ângulo incomum
  • o paciente é incapaz de colocar peso na área lesada
  • o paciente não pode mover a área afetada
  • o osso afetado ou articulação pode ter uma sensação de grade
  • se for uma fratura aberta, pode haver sangramento

Quando um osso grande é afetado, como a pélvis ou o fêmur:

  • o sofredor pode parecer pálido e úmido
  • pode haver tontura (sensação de desmaio)
  • sentimentos de doença e náusea.

Se possível, não mova uma pessoa com um osso quebrado até que um profissional de saúde esteja presente e possa avaliar a situação e, se necessário, aplique uma tala. Se o paciente estiver em um lugar perigoso, como no meio de uma rua movimentada, às vezes é preciso agir antes de os serviços de emergência chegarem.

Causas

A maioria das fraturas é causada por queda ou acidente automobilístico. Ossos saudáveis ​​são extremamente resistentes e resilientes e podem suportar impactos surpreendentemente poderosos. À medida que as pessoas envelhecem, dois fatores aumentam o risco de fraturas maiores: ossos mais fracos e maior risco de queda.

As crianças, que tendem a ter estilos de vida mais ativos fisicamente que os adultos, também são propensas a fraturas.

Pessoas com doenças subjacentes e condições que podem enfraquecer seus ossos têm um risco maior de fraturas. Exemplos incluem osteoporose, infecção ou tumor. Como mencionado anteriormente, esse tipo de fratura é conhecido como uma fratura patológica.

As fraturas por estresse, que resultam de repetidas tensões e deformações, comumente encontradas em esportistas profissionais, também são causas comuns de fraturas.

Diagnóstico e tratamento

[Menino com a perna quebrada]

Um médico realizará um exame físico, identificará sinais e sintomas e fará um diagnóstico.

O paciente será entrevistado – ou amigos, parentes e testemunhas se o paciente não puder se comunicar adequadamente – e perguntado sobre as circunstâncias que causaram a lesão ou podem ter causado isso.

Os médicos geralmente pedem um raio-X. Em alguns casos, uma ressonância magnética ou tomografia computadorizada também pode ser solicitada.

Cura óssea é um processo natural que, na maioria dos casos, ocorrerá automaticamente. O tratamento da fratura geralmente visa garantir que haja a melhor função possível da parte lesada após a cicatrização.

O tratamento também se concentra em fornecer ao osso lesionado as melhores condições para a cura ideal (imobilização).

Para que o processo natural de cicatrização comece, as extremidades do osso quebrado precisam ser alinhadas – isso é conhecido como reduzir a fratura.

O paciente geralmente está dormindo sob anestesia geral quando a redução da fratura é feita. A redução da fratura pode ser feita por manipulação, redução fechada (puxando os fragmentos ósseos) ou cirurgia.

Imobilização – assim que os ossos estão alinhados, eles devem permanecer alinhados enquanto curam. Isso pode incluir:

  • Moldes de gesso ou chaves funcionais de plástico – estes mantêm o osso em posição até que ele tenha cicatrizado.
  • Placas de metal e parafusos – procedimentos atuais podem usar técnicas minimamente invasivas.
  • Unhas intramedulares – hastes de metal internas são colocadas no centro dos ossos longos. Fios flexíveis podem ser usados ​​em crianças.
  • Fixadores externos – estes podem ser feitos de metal ou fibra de carbono; eles têm pinos de aço que entram diretamente no osso através da pele. Eles são um tipo de andaime fora do corpo.

Normalmente, a área óssea fraturada é imobilizada por 2-8 semanas. A duração depende de qual osso é afetado e se há alguma complicação, como um problema de suprimento de sangue ou uma infecção.

Cura – se um osso quebrado foi alinhado corretamente e mantido imóvel, o processo de cicatrização é geralmente simples.

Os osteoclastos (células ósseas) absorvem ossos velhos e danificados, enquanto os osteoblastos (outras células ósseas) são usados ​​para criar novos ossos.

Calo é um novo osso que se forma em torno de uma fratura. Ele se forma em cada lado da fratura e cresce em direção a cada extremidade até que o espaço da fratura seja preenchido. Eventualmente, o excesso de osso suaviza e o osso fica como estava antes.

A idade do paciente, qual osso é afetado, o tipo de fratura, bem como a saúde geral do paciente, são fatores que influenciam a rapidez com que o osso se recupera. Se o paciente fumar regularmente, o processo de cicatrização demorará mais tempo.

Fisioterapia – após o osso ter cicatrizado, pode ser necessário restaurar a força muscular e a mobilidade para a área afetada. Se a fratura ocorreu perto ou através de uma articulação, existe um risco de rigidez permanente ou artrite – o indivíduo pode não ser capaz de dobrar essa articulação, bem como antes.

Cirurgia – se houver dano à pele e aos tecidos moles ao redor do osso ou articulação afetados, pode ser necessária uma cirurgia plástica.

Sindicatos e não sindicatos atrasados

Não-uniões são fraturas que não cicatrizam, enquanto uniões atrasadas são aquelas que demoram mais para cicatrizar.

  • Terapia por ultra-som – ultra-som de baixa intensidade é aplicado na área afetada diariamente. Isso foi encontrado para ajudar a fratura a se curar. Estudos nesta área ainda estão em andamento.
  • Enxerto ósseo – se a fratura não cicatrizar, um osso natural ou sintético é transplantado para estimular o osso quebrado.
  • Terapia com células-tronco – estudos estão em andamento para verificar se as células-tronco podem ser usadas para tratar fraturas que não cicatrizam.

Complicações

Cura na posição errada – isso é conhecido como uma má união; ou a fratura cura na posição errada ou se desloca (a própria fratura se desloca).

Interrupção do crescimento ósseo – se uma fractura óssea na infância afectar a placa de crescimento, existe o risco de que o desenvolvimento normal desse osso possa ser afectado, aumentando o risco de uma deformidade subsequente.

Infecção óssea ou na medula óssea persistente – se houver uma ruptura na pele, como pode acontecer com uma fratura exposta, as bactérias podem entrar e infectar o osso ou a medula óssea, o que pode se tornar uma infecção persistente (osteomielite crônica).

Os pacientes podem precisar ser hospitalizados e tratados com antibióticos. Às vezes, a drenagem cirúrgica e a curetagem são necessárias.

Morte óssea (necrose avascular) – se o osso perder o suprimento essencial de sangue, ele pode morrer.

Prevenção

Nutrição e luz solar – o corpo humano precisa de suprimentos adequados de cálcio para ossos saudáveis. Leite, queijo, iogurte e vegetais folhosos verde-escuros são boas fontes de cálcio.

Nosso corpo precisa de vitamina D para absorver o cálcio – a exposição à luz solar, assim como a ingestão de ovos e peixes oleosos, são boas maneiras de obter vitamina D.

[Yoga ao pôr do sol]

Atividade física – quanto mais exercícios você fizer, mais fortes e densos serão seus ossos.

Exemplos incluem pular, caminhar, correr e dançar – qualquer exercício em que o corpo puxa o esqueleto.

A idade avançada não só resulta em ossos mais fracos, mas frequentemente em menos atividade física, o que aumenta ainda mais o risco de ossos ainda mais fracos. É importante que pessoas de todas as idades permaneçam fisicamente ativas.

Menopausa – o estrogênio, que regula o cálcio de uma mulher, diminui durante a menopausa, tornando a regulação do cálcio muito mais difícil. Consequentemente, as mulheres precisam ter um cuidado especial com a densidade e a força de seus ossos durante e após a menopausa.

Os seguintes passos podem ajudar a reduzir o risco de osteoporose pós-menopáusica:

  • Faça várias sessões de exercícios curtos de peso a cada semana.
  • Não fume.
  • Consuma apenas quantidades moderadas de álcool ou não beba.
  • Obtenha exposição adequada à luz do dia.
  • Certifique-se de que sua dieta tenha muitos alimentos ricos em cálcio. Para aqueles que acham isso difícil, um médico pode recomendar suplementos de cálcio.
Like this post? Please share to your friends: