Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que é o transplante de células-tronco hematopoiéticas?

O transplante de células-tronco hematopoiéticas foi usado pela primeira vez como tratamento para alguns tipos de câncer, mas hoje é amplamente usado como terapia para várias doenças autoimunes.

É importante notar, no entanto, que enquanto a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) aprovou o transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) para uso contra o câncer, ainda não foi aprovado para uso mais amplo.

O que são transplantes de células-tronco usados ​​para tratar?

cientista trabalhando em um laboratório

As células-tronco são células que têm a capacidade de se desenvolver em uma variedade de diferentes células especializadas dentro do corpo.

Os transplantes de células-tronco são aprovados para tratar vários tipos de câncer. Estes incluem mieloma múltiplo, leucemia e alguns linfomas.

Além disso, o HSCT é usado em muitas clínicas especializadas em todo o mundo para tratar doenças autoimunes. Talvez o mais notável deles seja a esclerose múltipla.

Uma taxa de sucesso extremamente alta foi reivindicada para este tratamento, mas ainda é considerada experimental.

Embora usado para tratar o câncer, o HSCT não é considerado um procedimento oncológico. É referido como um processo hematológico, ou seja, um que envolve o papel do sangue na saúde e na doença.

Seleção de doadores

Existem dois tipos de HSCT. Estes são alogênicos e autólogos.

TCTH alogênico

O HSCT alogênico requer um doador para fornecer células-tronco adequadas. Os médicos que realizam este tipo de TCTH precisam garantir que o doador seja uma combinação apropriada para um receptor. Muitas vezes, este é um parente próximo, embora outros doadores, combinados através de tipagem de tecido, também sejam usados.

Proteínas conhecidas como antígenos leucocitários humanos (HLA) são usadas na tipagem tecidual. Eles permitem que os médicos comparem o sangue e o tipo de tecido de uma pessoa com amostras de sangue de possíveis doadores. Dessa forma, eles podem verificar se as células-tronco de um doador são a combinação correta.

dando apoio de mãos dadas

Além de usar células-tronco do sangue de um doador, as células do sangue do cordão umbilical também podem ser usadas.

As células-tronco do cordão umbilical são menos desenvolvidas que outras células-tronco, e isso significa que elas podem crescer em diferentes tipos de células.

As células-tronco do cordão umbilical são congeladas ao nascer, o que é importante porque elas não sofrem nenhum dano ambiental ou envelhecimento. Como resultado, os transplantes de sangue do cordão umbilical não requerem um nível tão alto de correspondência de tecidos.

TCTH autólogo

O TCTH autólogo evita a questão de tentar encontrar um doador compatível porque as células-tronco são colhidas dos próprios pacientes. As células são limpas e congeladas antes de serem reintroduzidas ao indivíduo após receberem os medicamentos quimioterápicos.

As etapas do TCTH autólogo, de acordo com o Centro Pirigov em Moscou, Rússia, são as seguintes:

  • estimulação de células-tronco, de 4 a 6 dias
  • coleta de células-tronco, de 1 a 3 dias
  • quimioterapia, por 4 dias
  • infusão de células-tronco, em 1 dia
  • isolamento, de 8 a 12 dias

Como o processo funciona

Enquanto a terapia é uma forma de transplante de células-tronco, as células-tronco não são a parte principal da história. Na verdade, o elemento chave é uma infusão de drogas quimioterápicas.

Existem dois tipos de processo de transplante, conhecido como mieloablativo e não mieloablativo.

Myeloablative inclui o uso de drogas quimioterápicas de alta dose para destruir o sistema imunológico. O não-mieloablativo usa drogas de quimioterapia de dose mais baixa e mais toleráveis ​​para suprimir o sistema imunológico. Altas doses de quimioterapia são necessárias para tratar o câncer.

Em ambos os processos, as células-tronco são transplantadas depois que as drogas quimioterápicas são administradas para ajudar a construir um novo sistema imunológico, e esperançosamente saudável.

Doses mais baixas de quimioterapia foram encontradas para ser bem sucedido em lidar com doenças auto-imunes, como a esclerose múltipla.

Riscos e complicações

glóbulos vermelhos

A doença veno-oclusiva hepática (DVO) com anormalidades renais ou pulmonares adicionais pode se desenvolver em pessoas após receberem TCTH. Em março de 2016, o FDA aprovou o Defitelio (defibrotide sodium) como tratamento para esse desenvolvimento.

Outro risco associado ao transplante alogênico de células-tronco é a doença do enxerto versus hospedeiro (GVHD), que ocorre quando as células doadas atacam os tecidos de uma pessoa. Quanto menor a correspondência do tipo de tecido entre paciente e doador, maior o risco de GVHD. Os médicos podem usar drogas para reduzir a possibilidade de infecção ou GVHD.

Para um procedimento cirúrgico, não há muitos riscos para os doadores se preocuparem. Além disso, é raro encontrar complicações sérias. Possíveis complicações incluem:

  • reações à anestesia
  • infecções
  • dano aos nervos ou músculos
  • reações a uma transfusão
  • lesão no local da inserção de uma agulha

A American Cancer Society (ACS) afirma que os doadores podem sentir cansaço, desconforto e dor ao redor da região lombar e dos quadris por alguns dias após a doação de células-tronco.

Este desconforto pode ser aliviado com over-the-counter acetaminofeno e medicamentos anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), como o ibuprofeno.

Os médicos podem sugerir que os doadores devem tomar suplementos de ferro até que sua contagem de glóbulos vermelhos retorne ao normal. Muitos doadores podem retornar à sua rotina diária após 2 a 3 dias de descanso. Em alguns casos, no entanto, a recuperação total pode levar de 2 a 3 semanas.

Pesquisa no tratamento de doenças autoimunes

Diferentes estudos chegaram a diferentes conclusões sobre o uso do TCTH para doenças autoimunes.

O Canadá relatou os resultados de um ensaio clínico de TCTH autólogo como um grande sucesso. Neste estudo, pessoas gravemente incapacitadas com esclerose múltipla foram relatadas como caminhando, pedalando e até esquiando após o tratamento. A história fez manchetes de jornais em todo o mundo.

Outros pesquisadores do Hospital Universitário de Basileia, na Suíça, já haviam analisado várias dificuldades encontradas por pessoas que têm TCTH autólogo como tratamento para doenças autoimunes.

Seu relatório foi publicado em fevereiro de 2012 e deu uma visão mais cautelosa sobre o uso do tratamento, afirmando que o TCTH “está associado à morbidade e mortalidade significativas e, portanto, ainda não é um tratamento padrão”.

Olhando para o futuro, os autores escreveram que novas complicações podem ser encontradas em pacientes tratados com TCTH para doenças autoimunes. Como resultado, recomendaram várias medidas de precaução para aqueles que usam este método de tratamento:

“Avaliação cuidadosa da função do órgão antes do aconselhamento do TCTH; após o TCTH, os exames de acompanhamento devem ser adaptados ao paciente e ao tipo de condicionamento de forma padronizada.”

“Os resultados dos estudos de fase III em curso ajudarão a obter mais informações sobre as complicações após o TCTH e podem ajudar a identificar os pacientes em risco”, concluíram os autores.

Like this post? Please share to your friends: