Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é estimulação cerebral profunda?

Parece o material da ficção científica, mas a estimulação cerebral profunda é um procedimento cirúrgico que parece ajudar pessoas com vários distúrbios neurológicos.

O processo envolve colocar um neuroestimulador no cérebro. Isso envia impulsos elétricos para partes específicas do cérebro. Os impulsos podem bloquear sinais anormais que podem estar subjacentes a uma gama de condições neurológicas.

A estimulação cerebral profunda (DBS) é comumente usada para tratar tremor essencial, doença de Parkinson e distonia, um distúrbio de movimento no qual os músculos se contraem e espasmos, e tem sido estudado como possível tratamento para a síndrome de Tourette e depressão maior.

O que envolve a estimulação cerebral profunda?

[cérebro com eletricidade]

O sistema DBS envolve três componentes diferentes:

  • Um gerador de pulsos implantado
  • Um chumbo
  • Um fio de extensão.

O chumbo, também chamado de eletrodo, é um fio fino e isolado. Está implantado na região alvo do cérebro.

O fio de extensão circula sob a pele e conecta o eletrodo ao gerador de pulsos implantado. É este gerador que envia os sinais elétricos.

O DBS altera a atividade cerebral de maneira controlada e seus efeitos são reversíveis.

O DBS está associado a uma liberação aumentada de trifosfato de adenosina (ATP), uma molécula transportadora de energia que é encontrada nas células de todos os seres vivos. Esta liberação de ATP leva a um acúmulo de adenosina.

A ativação do receptor de adenosina A1 desencadeia um processo que reduz tanto o tremor quanto os efeitos adversos causados ​​pelo DBS.

Isso ocorre porque diminui a transmissão excitatória no tálamo.

O procedimento não destrói nenhuma célula nervosa ou tecido cerebral saudável.

DBS é principalmente realizado em pacientes cujos sintomas não tenham respondido bem aos medicamentos. A maioria dos pacientes continuará a tomar medicação após DBS, mas muitos experimentam uma redução significativa em seus sintomas.

O que acontece na estimulação cerebral profunda?

DBS normalmente envolve duas cirurgias separadas. Estes são feitos para implantar o equipamento necessário.

A cirurgia cerebral será necessária para implantar os eletrodos no cérebro. Um exame de ressonância magnética permite que os médicos identifiquem o local apropriado.

Primeiro, uma armação da cabeça estereotáxica é fixada, para assegurar que a cabeça do paciente permaneça imóvel durante o procedimento.

A anestesia local é usada para anestesiar o couro cabeludo e um fio fino com eletrodos é implantado no cérebro. Depois disso, um neuroestimulador é implantado perto da clavícula.

Os pacientes devem estar acordados durante o procedimento, para que o neurologista e o neurocirurgião possam fazer perguntas para garantir que as áreas corretas do cérebro estejam sendo estimuladas.

Um dia depois, o cirurgião implanta um estimulador de pulso no tórax do paciente durante a cirurgia da parede torácica.

Uma pequena abertura é feita atrás da orelha, e o fio de extensão passa sob a pele e se conecta ao neuroestimulador.

O estimulador é programado para enviar pulsos elétricos ao cérebro.

Como a estimulação cerebral profunda pode ajudar?

Pessoas com doença de Parkinson grave têm sintomas que não podem ser controlados por medicamentos. Métodos adicionais para aliviar sintomas, como o DBS, podem ajudar.

Os resultados de um ensaio clínico de dois anos descobriram que DBS melhora a qualidade de vida global e funcionamento social dos pacientes nos estágios iniciais da doença de Parkinson.

O DBS também pode ajudar a tratar os sintomas de outras condições, incluindo rigidez, dificuldade para andar, distonia e tremores.

Distonia

Um estudo de pessoas com a forma mais comum de distonia hereditária relatou que DBS trouxe benefícios duradouros para os pacientes. Embora pareça ser mais eficaz para alguns tipos de distonia do que para outros, os cientistas observam que ainda são necessárias pesquisas mais definitivas.

Tremores

Uma equipe da Universidade do Sul da Flórida observou que, após o uso do DBS, um número significativo de pacientes foi capaz de parar de tomar os medicamentos usados ​​para tratar tremores essenciais dentro de um ano após a cirurgia.

[velhinha com água]

Três de um grupo de quatro pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) foram beneficiadas pelo tratamento com DBS.

Pessoas com síndrome de Tourette que receberam tratamento com DBS experimentaram menos tiques, mas há algumas evidências de que pessoas com esta condição podem estar em maior risco de complicações após DBS. Estes podem incluir efeitos colaterais psiquiátricos.

No Canadá, pacientes com depressão maior resistente ao tratamento apresentaram resultados positivos após o tratamento com DBS. Pesquisas tentaram sugerir que, como um tratamento emergente, o DBS poderia ser útil no tratamento da depressão, mas os cientistas também pedem cautela no uso desse tratamento para pacientes com necessidades psiquiátricas.

Neurocirurgiões sugeriram que o DBS poderia ajudar algumas pessoas com dependência de álcool, afetando o impacto do “circuito de vício” do cérebro. Mas mais estudos são recomendados para o efeito do DBS nos padrões alimentares.

Riscos e complicações da estimulação cerebral profunda

A DBS é considerada um procedimento seguro, mas existe um pequeno risco de várias complicações.

Estes incluem confusão e problemas de coordenação e concentração, reações alérgicas, visão embaçada e formigamento no corpo.

Problemas mais sérios podem incluir inchaço cerebral, coágulos sangüíneos, derrame, infecção e problemas respiratórios.

Há também o risco de o equipamento quebrar.

Like this post? Please share to your friends: