Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é colestase da gravidez?

A colestase da gravidez, também conhecida como colestase obstétrica ou colestase intra-hepática da gravidez, pode causar coceira intensa, especialmente nas mãos e nos pés.

Geralmente ocorre no final do segundo trimestre ou durante o último trimestre da gravidez.

A condição geralmente não representa um sério risco para a saúde a longo prazo da mãe, mas pode causar complicações graves para a criança.

O termo “colestase” vem das palavras gregas “chole” que significa “bile” e “stasis”, que significa “ainda”.

A colestase acontece quando o fígado não consegue excretar a bile adequadamente. A bile é um fluido que ajuda o corpo a processar gordura.

Sintomas

[mulher coçando]

Os seguintes sinais e sintomas podem estar presentes em casos de colestase da gravidez:

  • coceira intensa, especialmente nas palmas das mãos e solas dos pés
  • urina escura
  • fezes de cor clara
  • icterícia, dando aos brancos dos olhos, pele e língua um tom amarelado ou alaranjado

A coceira pode ser o único sintoma e muitas vezes piora durante a noite.

Uma mulher grávida que tenha algum dos sinais ou sintomas acima mencionados deve informar um profissional de saúde o mais rapidamente possível, porque pode indicar um risco para o seu feto.

Tratamento

O tratamento pode não ser necessário se a colestase for leve e ocorrer no final da gravidez. O tratamento normalmente visa aliviar os sintomas, principalmente a coceira, e prevenir possíveis complicações.

Os seguintes medicamentos podem ser prescritos:

  • ácido ursodesoxicólico, para aliviar a coceira e aumentar o fluxo biliar
  • mentol cremes, para ajudar a aliviar a coceira, como não há evidências de que eles causam danos durante a gravidez

A imersão das áreas afetadas da pele em água morna pode proporcionar algum alívio temporário. Dabbing as áreas afetadas com bicarbonato de sódio ou vinagre de maçã pode ajudar, ou aplicar o óleo de coco depois de um banho.

Pacientes com colestase terão baixos níveis de vitamina K, aumentando a chance de hemorragia, por isso a mãe precisará de suplementos de vitamina K antes e depois do parto.

De acordo com a American Pregnancy Association, remédios naturais para a saúde do fígado e raiz de dente-de-leão e cardo de leite e loção de calamina podem ajudar com a coceira, mas quaisquer suplementos ou tratamentos alternativos devem ser discutidos primeiro com um médico, pois os efeitos durante a gravidez podem ser desconhecidos. .

Algumas fontes recomendam banhos de aveia, mas a Associação Americana de Gravidez afirma que o uso de banhos de Aveeno ou de aveia deve ser evitado. Eles também alertam contra o uso de anti-histamínicos.

Muitas mulheres optam por tomar ervas, cremes, banhos e tinturas em vez de medicação. Algumas ervas são difíceis de quebrar, especialmente quando o fígado já está comprometido.

É muito importante verificar previamente com o médico, para se certificar de que um remédio natural é seguro, e consultar o médico se os sintomas piorarem.

Diagnóstico

O médico considerará os sinais e sintomas do paciente, como a cor da urina e das fezes, e coceira. A mãe também será questionada sobre seus históricos médicos pessoais e familiares, e haverá um exame físico.

Exames de sangue podem revelar o quão bem o fígado do paciente está funcionando. Os níveis sanguíneos de bílis também serão medidos.

A ultrassonografia pode detectar anormalidades no fígado da mãe, mas não no feto.

Dieta

Para reduzir o risco de colestase e outros problemas durante a gravidez, é importante seguir uma dieta saudável e equilibrada com muitas frutas e vegetais frescos.

Produtos orgânicos são menos propensos a serem afetados por pesticidas e outras toxinas. Maçãs, morangos e uvas muitas vezes contêm quantidades mais elevadas de produtos químicos indesejados, enquanto abacates, milho doce e abacaxi estão no topo da lista “limpa”.

Se o produto enlatado for usado, verifique se ele está preservado em seu próprio suco e se não há açúcares adicionados.

Escolha carne orgânica certificada e evite peixe frito e frutos do mar crus. Feijões secos e legumes, como lentilhas e grão de bico, são uma boa fonte de proteína.

Concentre-se em alimentos integrais, como pão integral.

Evite o seguinte:

  • açúcares e alimentos altamente refinados, como pão branco e xarope de milho
  • produtos de soja
  • Carnes processadas
  • laticínios integrais

Você deve beber 8 a 12 copos de água por dia e evitar bebidas alcoólicas e refrigerantes, como cola.

Beber álcool não causará colestase na gravidez, mas o álcool deve ser evitado durante a gravidez, pois pode levar a uma série de complicações, incluindo outros tipos de doença hepática.

É importante seguir as instruções do médico em relação ao tratamento e dieta. Dieta não é uma alternativa à medicação prescrita pelo médico.

Também é importante verificar se qualquer produto “orgânico” é realmente orgânico. Deve ser 100% orgânico. Alimentos rotulados como “naturais” não são necessariamente orgânicos ou saudáveis.

Causas

A bile é um líquido verde-amarelo que ajuda a digerir a gordura. Consiste principalmente em colesterol, sais biliares e bilirrubina pigmentar.

É produzido pelo fígado e armazenado na vesícula biliar. Da vesícula biliar, passa através do ducto biliar comum, no duodeno.

Às vezes, um bloqueio fora do fígado impede que a bile deixe o fígado, levando a uma condição conhecida como colestase extra-hepática.

A colestase intra-hepática acontece quando há um problema com a eliminação dos sais biliares do fígado. Este é o tipo de colestase que acontece durante a gravidez.

Acredita-se que os hormônios da gravidez, e especialmente o estrogênio adicional, possam afetar o funcionamento adequado da vesícula biliar e do fígado.

Fatores de risco

A prevalência de colestase da gravidez não é conhecida.Uma estimativa sugere que afeta de 1 a 2 gestações em cada 1.000 nos EUA. Outros números sugerem que até 1 em 50 mulheres pode desenvolvê-lo, dependendo da população.

Fatores que podem aumentar o risco de uma mulher desenvolver colestase de gravidez incluem:

  • ter um parente próximo que tivesse colestase de gravidez
  • ter tido colestase de gravidez antes, como o risco de recorrência durante as gravidezes subseqüentes é entre 45 e 90 por cento
  • uma gravidez múltipla, por exemplo, se houver gêmeos ou trigêmeos
  • uma história de dano hepático
  • estar grávida como resultado de fertilização in vitro (FIV)

Complicações

Além do prurido intenso, a mãe pode ter alguns problemas com a absorção de vitaminas lipossolúveis, que são as vitaminas A, D, E e K. No entanto, dentro de alguns dias após o parto, os problemas devem ser resolvidos. Normalmente não haverá mais problemas hepáticos.

[bebê prematuro]

Para o feto, há um risco significativamente maior de parto prematuro se a mãe tiver colestase de gravidez, embora as razões não sejam claras.

Um bebê que nasceu prematuro pode ter dificuldades respiratórias se os pulmões ainda não estiverem completamente desenvolvidos.

O risco de morte fetal também é maior.

Durante a gestação, o feto depende do fígado da mãe para remover os ácidos biliares do sangue. Se a mãe tem muito ácido biliar, isso pode ser passado para o feto.

O recém-nascido também apresenta um risco maior de inalação de mecônio durante o parto, resultando em dificuldades respiratórias.

Os médicos costumam induzir o parto precocemente se a mãe tem colestase de gravidez, por causa das complicações potencialmente sérias para o bebê.

Pesquisas sugerem que a colestase da gravidez pode aumentar o risco de distúrbios metabólicos, como obesidade e distúrbios cardiovasculares, quando a criança atinge a idade adulta.

Prevenção de complicações potenciais

Os exames de sangue monitoram a função hepática do paciente e os níveis sanguíneos de bile.

A ultrassonografia pode se tornar mais frequente, monitorar a saúde e o desenvolvimento fetal.

Um teste sem estresse pode ser solicitado para verificar com que freqüência o feto se movimenta em um determinado período, e o batimento cardíaco fetal em relação aos movimentos do corpo também é medido.

O parto induzido é frequentemente recomendado em cerca de 38 semanas. Se a colestase for grave, a indução pode ocorrer mais cedo.

Like this post? Please share to your friends: