Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que é a síndrome do intestino irritável (SII)?

Síndrome do intestino irritável, ou doença do intestino irritável, é um distúrbio gastrointestinal a longo prazo. Causa dor abdominal, inchaço, muco nas fezes, hábitos intestinais irregulares e diarreia e constipação alternadas.

Síndrome do intestino irritável (SII) ou doença do intestino irritável (DII), também é conhecida como colite espástica, colite mucosa e cólon nervoso. É uma condição crônica ou de longo prazo, mas os sintomas tendem a mudar com o passar dos anos.

IBS pode causar desconforto persistente, mas a maioria das pessoas não experimentará complicações graves.

Os sintomas geralmente melhoram à medida que os indivíduos aprendem a controlar a condição. Sintomas graves e persistentes são raros.

Fatos rápidos sobre a síndrome do intestino irritável

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a síndrome do intestino irritável.

  • IBS pode causar desconforto, mas geralmente não leva a complicações sérias.
  • Atualmente, não há cura para o IBS.
  • Fatores dietéticos e emocionais podem desempenhar um papel fundamental na SII.
  • Reduzir a ingestão de álcool pode aliviar os sintomas.
  • Excluir alimentos que causam gases também pode melhorar os sintomas.

Sintomas

IBS

Os sintomas mais comuns experimentados por pessoas com IBS são:

  • mudanças nos hábitos intestinais
  • dor abdominal e cólicas, que muitas vezes diminuem depois de usar o banheiro
  • uma sensação de que os intestinos não estão totalmente esvaziados depois de usar o banheiro
  • excesso de gás
  • passagem de muco da passagem de trás, ou reto
  • uma súbita necessidade urgente de usar o banheiro
  • inchaço ou inchaço do abdome

Os sintomas geralmente pioram depois de comer. Um surto pode durar de 2 a 4 dias, e então os sintomas podem melhorar ou desaparecer completamente.

Sinais e sintomas variam consideravelmente entre os indivíduos. Eles muitas vezes se assemelham aos de outras doenças e condições. Eles também podem afetar diferentes partes do corpo.

Estes podem incluir:

  • micção frequente
  • halitose ou mau hálito
  • dor de cabeça
  • dor articular ou muscular
  • fadiga persistente
  • dor com sexo (para mulheres) ou disfunção sexual
  • menstruação irregular

Ansiedade e depressão também podem ocorrer, muitas vezes por causa do desconforto e constrangimento que podem acompanhar a condição.

Dieta

Fatores dietéticos podem desempenhar um papel. Os sintomas costumam ser piores depois de consumir certos produtos, como chocolate, leite ou álcool. Pode haver constipação ou diarréia.

Algumas frutas, legumes e refrigerantes podem causar inchaço e desconforto. Não está claro se uma alergia alimentar ou intolerância desempenha um papel.

Disparadores alimentares comuns de cólicas ou inchaço incluem:

  • alimentos que causam flatulência, como feijão, aipo, cebola, cenoura, passas, bananas, damascos, ameixas, couve de bruxelas, pretzels e bagels
  • lacticínios
  • goma sem açúcar
  • alguns doces
  • produtos com cafeína neles, talvez devido à lactose (açúcar), sorbitol ou intolerância à cafeína, em vez de IBS

Fibra: Algumas pessoas com IBS precisam aumentar sua ingestão de fibras, enquanto outras precisam consumir menos. Um bom nível equilibrado de fibra na dieta pode ajudar a promover a digestão saudável.

Probióticos: Estes podem ajudar algumas pessoas. Os benefícios demoram cerca de 4 semanas para aparecer.

Diário alimentar: Manter um registro dos alimentos ingeridos e seu efeito ajudará a identificar os principais alimentos desencadeantes.

Mudanças nos hábitos alimentares podem ajudar a controlar os sintomas. Não há dieta IBS que funcione para todos, então a pessoa pode precisar passar por um processo de tentativa e erro para obter uma dieta ideal.

Causas

Não está claro o que causa IBS, mas não é contagioso ou relacionado ao câncer.

[Intestino delgado]

Fatores que podem estar envolvidos incluem:

  • dieta
  • fatores ambientais, como o estresse
  • fatores genéticos
  • hormônios
  • órgãos digestivos sendo excessivamente sensíveis à dor
  • uma resposta incomum à infecção
  • um mau funcionamento nos músculos usados ​​para mover a comida pelo corpo
  • incapacidade do sistema nervoso central (SNC) de controlar adequadamente o sistema digestivo

O estado mental e emocional de uma pessoa pode ter um impacto. Pessoas que tiveram uma experiência traumática têm um risco maior de desenvolver IBS.

Alterações hormonais podem piorar os sintomas. Eles são freqüentemente mais severos em mulheres, por exemplo, na época da menstruação.

Infecções, como gastroenterite, podem desencadear IBS pós-infecciosa ou PI-IBS.

Tratamento

Como as causas são incertas, o tratamento para IBS visa aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Isso geralmente envolve algumas mudanças na dieta e no estilo de vida, além de aprender a lidar com o estresse.

O seguinte pode ajudar:

  • evitando sorbitol, encontrado em algumas gomas de mascar, alimentos dietéticos e doces sem açúcar, pois pode causar diarréia
  • consumir mais alimentos à base de aveia para reduzir o consumo de gás ou o inchaço
  • não pular refeições e comer na mesma hora todos os dias
  • comendo devagar
  • limitando o consumo de álcool
  • evitando bebidas açucaradas carbonatadas, como refrigerantes
  • limitação do consumo de certas frutas e vegetais
  • limitando a ingestão de chá e café a três xícaras por dia
  • beber bastante líquidos, pelo menos oito copos de líquidos por dia para a maioria das pessoas

Pode ajudar a evitar ou limitar a ingestão de amido resistente, comumente encontrado em alimentos processados ​​ou recozidos e em algumas leguminosas. O amido resistente não é decomposto no trato digestivo e conta como um componente da fibra alimentar.

Ansiedade e estresse

O que se segue pode ajudar a reduzir ou aliviar os sintomas:

  • técnicas de relaxamento, incluindo exercícios ou meditação
  • algumas atividades físicas específicas, como Tai Chi ou yoga
  • exercício físico regular
  • aconselhamento de estresse ou terapia comportamental cognitiva (TCC)

Medicamentos

Os seguintes medicamentos são usados ​​para sintomas da SII:

  • Os medicamentos antiespasmódicos reduzem as cólicas abdominais e a dor, relaxando os músculos do intestino.
  • Laxantes formadores de volume podem ajudar a aliviar a constipação. Estes podem ser comprados sem receita ou on-line, embora devam ser usados ​​com cautela.
  • Antimotility medicamentos para diarréia incluem loperamida, que diminui as contrações dos músculos intestinais. Loperamide pode ser comprado online.
  • Antidepressivos tricíclicos (ADTs) geralmente ajudam a reduzir a dor abdominal e as cólicas.

Medicamentos específicos para o tratamento com IBS incluem:

  • alosetron (Lotronex) para IBS com predominância de diarreia grave em mulheres
  • lubiprostona (Amitiza) para IBS com predomínio da constipação em mulheres

Estas são geralmente a última linha de tratamento, quando outras intervenções terapêuticas ou de estilo de vida falharam e os sintomas permanecem graves.

Terapia psicológica

Algumas técnicas psicológicas podem ser úteis:

  • A terapia psicodinâmica interpessoal (PIT), na qual o terapeuta ajuda o paciente a explorar seu passado para descobrir se algo pode tê-lo afetado inconscientemente.
  • A hipnoterapia pode ajudar a alterar a atitude da mente inconsciente em relação aos sintomas.
  • Terapia comportamental cognitiva (TCC) promove estratégias para reagir de forma diferente para a condição através de técnicas de relaxamento e uma atitude positiva.

O exercício pode ajudar a reduzir os sintomas em algumas pessoas.

Diagnóstico

[Homem com dor de estômago]

Nenhuma imagem específica ou teste laboratorial pode diagnosticar IBS.

O diagnóstico envolve a exclusão de condições que produzam sintomas semelhantes aos da SII e, depois, um procedimento para categorizar os sintomas.

Existem 3 tipos principais de IBS:

  • SII com obstipação (SII-C): Há dor de estômago, desconforto, inchaço, movimentos intestinais pouco frequentes ou retardados, ou fezes duras ou irregulares.
  • IIBS com diarreia (IBS-D): Há dor de estômago, desconforto, uma necessidade urgente de ir ao banheiro, evacuações muito freqüentes, ou fezes aquosas ou soltas.
  • IIBS com padrão de fezes alternadas (IBS-A): Há constipação e diarréia.

Muitas pessoas experimentam diferentes tipos de IBS com o passar do tempo.

O médico pode diagnosticar frequentemente IBS perguntando sobre sintomas, por exemplo:

  • Houve alguma alteração nos seus hábitos intestinais, como diarréia ou constipação?
  • Existe alguma dor ou desconforto no seu abdômen?
  • Com que frequência você se sente inchado?

Um exame de sangue pode ajudar a descartar outras possíveis condições, incluindo:

  • intolerância a lactose
  • supercrescimento bacteriano do intestino delgado
  • doença celíaca

Se sinais ou sintomas específicos sugerirem outra condição, testes adicionais podem ser necessários.

Estes poderiam ser:

  • anemia
  • inchaço localizado no reto e no abdome
  • perda de peso (inexplicável)
  • dor abdominal à noite
  • piora progressiva dos sintomas
  • sangue significativo nas fezes
  • história familiar de doença inflamatória intestinal, câncer colorretal ou doença celíaca

Pacientes com história de câncer de ovário podem necessitar de exames adicionais, assim como pacientes com idade acima de 60 anos, cuja alteração nos hábitos intestinais persistiu por mais de 6 semanas.

Fatores de risco

Os seguintes grupos de pessoas são mais propensos a ter IBS:

  • Adultos jovens: a SII afeta pessoas de todas as idades, mas o diagnóstico geralmente ocorre antes dos 45 anos, geralmente entre 20 e 30 anos.
  • Género: É mais provável que afecte as mulheres.
  • História familiar: Se um parente próximo tem ou teve IBS, pode haver uma chance maior de desenvolvê-lo. No entanto, não há um link claro.
  • Meio ambiente: Pesquisas em andamento estão investigando se o risco de história familiar da SII está ligado a genes, a um ambiente familiar compartilhado ou a ambos.

A pesquisa sobre o IBS está em andamento. Melhores medidas preventivas e novos tratamentos serão, sem dúvida, descobertos no futuro.

Por enquanto, estar atento à dieta e ao estresse são as melhores dicas para evitar episódios.

Escolhemos os itens vinculados com base na qualidade dos produtos e listamos os prós e contras de cada um para ajudá-lo a determinar o que funcionará melhor para você. Fazemos parcerias com algumas das empresas que vendem esses produtos, o que significa que a Healthline UK e nossos parceiros podem receber uma parte das receitas se você fizer uma compra usando um link (s) acima.

Like this post? Please share to your friends: