Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O neurofeedback é eficaz no tratamento do TDAH?

O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade é uma condição que afeta a atenção, o controle de impulsos, os níveis de atividade e o aprendizado.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que em 2011, 11 por cento das crianças nos Estados Unidos estavam vivendo com a doença.

Medicação, psicoterapia e mudanças no estilo de vida podem aliviar os sintomas de muitas crianças, mas não são eficazes para todos e, em algumas pessoas, as drogas têm efeitos colaterais que a pessoa considera intoleráveis.

Alguns pais relutam em medicar seus filhos ou podem não ter tempo para participar de sessões regulares de terapia.

Para essas famílias, o neurofeedback, às vezes chamado de biofeedback ou neuroterapia, pode ser uma opção viável e livre de drogas para o manejo dos sintomas do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

O que é neurofeedback?

Muitas pessoas com TDAH apresentam diferenças no comportamento cerebral, particularmente no lobo frontal do cérebro. O lobo frontal é uma região do cérebro ligada à personalidade, comportamento e aprendizado.

Neurofeedback

A função cerebral e o comportamento afetam um ao outro. Portanto, mudanças no comportamento podem mudar o cérebro, e mudanças no cérebro podem mudar o comportamento.

Neurofeedback visa mudar o comportamento, alterando o cérebro.

O cérebro produz sinais elétricos mensuráveis. O neurofeedback mede essas ondas elétricas, geralmente com um dispositivo chamado eletroencefalógrafo (EEG).

Como outros dispositivos elétricos, as ondas cerebrais circulam em freqüências específicas. As cinco ondas cerebrais diferentes são alfa, beta, gama, delta e teta. Cada um deles tem freqüências diferentes, e estas são mensuráveis ​​por um EEG.

Algumas pesquisas sugerem que pessoas com TDAH têm muitas ondas teta e poucas ondas beta. Neurofeedback afirma corrigir essa diferença treinando pessoas com TDAH para usar seus cérebros de forma diferente.

Praticantes de neurofeedback começam por ligar eletrodos na cabeça para medir a atividade cerebral. Isso produz uma impressão em tela contínua das ondas cerebrais que podem ser observadas durante a sessão.

Com base no feedback das ondas cerebrais, o provedor de neurofeedback instruirá a pessoa a realizar uma tarefa específica.

O processo pode envolver sons e outros estímulos para estimular o cérebro a processar informações de maneira diferente. Pode haver música ou um tom ou sons que de repente parem ou iniciem.

Essa abordagem pode interromper, alterar ou ampliar a atividade cerebral com base no feedback do EEG.

Os defensores do neurofeedback afirmam que esse feedback constante pode alterar lentamente as ondas cerebrais. Como as ondas cerebrais mudam, os sintomas do TDAH também mudam.

O uso de neurofeedback não está limitado ao TDAH. Ele tem sido usado para tratar uma série de condições psicológicas e pode ajudar a melhorar o desempenho geral. Estudos sugerem que isso pode ajudar na depressão.

Funciona?

A pesquisa sobre a eficácia do neurofeedback é mista. Em 2009, uma metanálise envolvendo 467 pessoas com TDAH encontrou melhorias de médio a grande porte nos sintomas e sugeriu que o neurofeedback poderia ser “eficaz e específico”. Um estudo de 2013 indicou que pode reduzir os sintomas do TDAH.

Resultados de neurofeedback em um laptop

Em 2014, as avaliações dos pais dadas em uma outra meta-análise indicaram que o neurofeedback trouxe melhorias na impulsividade, desatenção e hiperatividade. No mesmo estudo, os professores sentiram que as melhorias ocorreram apenas na falta de atenção.

O neurofeedback parece melhorar alguns sintomas, mas as avaliações de melhoria variam de acordo com quem está observando.

Uma meta-análise maior conduzida em 2016 não concluiu que o neurofeedback é um tratamento eficaz e pediu mais pesquisas.

Em 2013, os pesquisadores compararam os efeitos do neurofeedback com os dos estimulantes, um tratamento amplamente aceito para o TDAH. Dezesseis crianças com idades entre 7 e 16 anos tomaram drogas estimulantes e 16 foram submetidas a neurofeedback. Os participantes que tomaram os medicamentos experimentaram uma redução nos sintomas de TDAH, mas aqueles que sofreram neurofeedback não tiveram.

Um estudo de 2011 analisou como o neurofeedback pode ter um efeito placebo. Oito crianças de 8 a 15 anos foram submetidas a neurofeedback, e outras seis receberam neurofeedback falso. Ambos os grupos mostraram melhorias significativas nos sintomas de TDAH, sugerindo que os benefícios do neurofeedback poderiam ser devidos a um efeito placebo.

Críticas ao neurofeedback

Os críticos do neurofeedback argumentam que muitos estudos que apóiam seu uso tiveram falhas significativas no design, dificultando a comprovação da eficácia ou não da técnica. Autores de vários estudos pediram mais pesquisas.

Em 1990, o psicólogo Barry L. Beyerstein chamou o neurofeedback de “neuromitologia”. Ele argumentou que o sucesso do neurofeedback estava ligado à extensão da crença de um receptor de que funcionaria.

Alguns críticos criticaram o neurofeedback como uma fraude para ganhar dinheiro. Outros argumentam que não há protocolos de neurofeedback aceitos.

Não está claro por quanto tempo ou com que frequência uma pessoa deve passar por neurofeedback para ver os resultados. Um receptor de neurofeedback poderia estar jogando fora o dinheiro, perseguindo incessantemente uma melhora que nunca acontece.

O que esperar

Uma pessoa que participará de uma sessão de neurofeedback começará respondendo a várias perguntas sobre seus sintomas, histórico de tratamento e estilo de vida.

Eles continuarão a fornecer informações sobre seus sintomas antes de cada sessão de tratamento, pois isso permitirá que o provedor acompanhe as melhorias ao longo do tempo.

Durante cada sessão, um provedor irá anexar o paciente a uma máquina de EEG, colocando eletrodos em suas cabeças. O número de eletrodos varia dependendo do praticante e da sessão.Os eletrodos não doem, e eles não entregarão uma corrente elétrica no cérebro.

Quando a sessão começa, uma varredura em tempo real das ondas cerebrais da pessoa será visível em uma tela. Com base nesse feedback, o provedor dará instruções para ajustar as ondas cerebrais.

As atividades podem envolver um videogame, música ou ouvir um tom.

Conforme a sessão progride, essa entrada deve mudar as ondas cerebrais. Nas sessões, pode haver mudanças mais significativas na saída do cérebro. Isso deve se traduzir em mudanças de pensamento e comportamento.

Tomar a decisão

O neurofeedback é indolor e não há evidência de efeitos colaterais negativos. Se outros tratamentos para o TDAH não forem eficazes, o neurofeedback pode valer a pena tentar.

A principal desvantagem é o custo.

Perguntas para perguntar a um provedor incluem:

  • Quanto custará o tratamento?
  • Como você mede melhorias?
  • Quanto tempo demora para ver os resultados?
  • Quantas sessões de tratamento vou precisar?
  • Quanto tempo dura cada sessão de tratamento?
  • Existe alguma coisa que eu possa fazer para aumentar a eficácia do tratamento?

É sempre uma boa idéia que as pessoas discutam qualquer plano de tratamento ou mudança no plano de tratamento com um psiquiatra ou profissional de saúde.

O neurofeedback é seguro?

O neurofeedback não é intrusivo e os defensores afirmam que é seguro, embora os efeitos adversos sejam possíveis.

Esses incluem:

  • fadiga mental
  • um retorno de sentimentos antigos, por exemplo, em sonhos vívidos, antes que esses sentimentos desapareçam
  • tontura, náusea e sensibilidade à luz em pessoas que sofreram traumatismo craniano

Eles também afirmam que isso pode mudar a maneira como o cérebro funciona, e ainda um neurofeedback não é um neurocirurgião, e eles não precisam ser um profissional de saúde mental. Uma pessoa não precisa de uma licença para usar o equipamento.

Em 2009, apenas cerca de 500 dos cerca de 6 mil praticantes nos EUA haviam passado pelas 136 horas recomendadas de treinamento, orientação e prática. Além disso, a Food and Drug Administration (FDA) na época só tinha licenciado o equipamento para fins de relaxamento, não para o tratamento de problemas de saúde mental, TDAH ou outras condições.

Algumas pessoas também acham que é eficaz, embora isso possa ser devido a um efeito placebo.

Custo e seguro

Também pode ser caro. Em 2017, um artigo na Bloomberg Business sugeriu que 30 sessões de 40 minutos cada custariam US $ 2.200, além de uma taxa de avaliação inicial de US $ 250.

Pode ser difícil obter cobertura de seguro para terapia de neurofeedback. Você deve verificar com seu provedor de seguros primeiro.

Qualquer pessoa que esteja considerando o neurofeedback deve primeiro consultar a Sociedade Internacional de Neurofeedback e Pesquisa (ISNR) para garantir que seu médico seja certificado.

Entendendo o TDAH

Os sintomas do TDAH incluem desatenção e hiperatividade.

menino em classe olhando distraído

A desatenção pode levar a:

  • Cometer erros descuidados
  • Dificuldade de concentração
  • Freqüentemente perdendo coisas
  • Dificuldade em completar tarefas ou seguir instruções
  • Dificuldade em ouvir
  • Distração freqüente
  • Lutando com tarefas que exigem atenção constante

Hiperatividade pode significar:

  • Dificuldade em permanecer sentado ou quieto, incluindo mexer com frequência
  • Comportamento hiperativo, como correr, escalar ou se movimentar de forma inadequada
  • Fala excessiva e dificuldade em manter a calma
  • Impaciência e inquietação
  • Frequentemente interrompendo os outros ou chamando respostas para perguntas

O TDAH é classificado como um transtorno do neurodesenvolvimento na nova edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Embora muitas vezes seja diagnosticado em crianças, o distúrbio às vezes continua até a idade adulta, ou em alguns casos, o diagnóstico pode nem mesmo ser feito até a idade adulta.

Crianças e adultos com TDAH podem sentir frustração, dificuldades em manter relacionamentos, desafios acadêmicos e conflitos no trabalho e em casa. Às vezes, esses problemas podem levar à depressão e ao insucesso.

Tratar TDAH

Não há cura para o TDAH, mas psicoterapia, medicamentos estimulantes e algumas mudanças no estilo de vida, como manter um horário regular, podem ajudar a aliviar os sintomas.

Like this post? Please share to your friends: