Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O estudo do resveratrol oferece uma nova visão sobre a doença de Alzheimer

Um estudo de acompanhamento que investiga os efeitos do resveratrol na doença de Alzheimer traz novos detalhes sobre a resposta imune no cérebro. Embora não esteja sendo anunciado como uma cura, a molécula e seus efeitos ajudarão a focar mais pesquisas.

[Placas de Alzheimer]

A doença de Alzheimer afeta atualmente 5 milhões de americanos. A cada 66 segundos, alguém nos Estados Unidos desenvolve a doença.

No entanto, atualmente, os mecanismos exatos por trás da doença de Alzheimer não são totalmente compreendidos, e os tratamentos modernos tratam apenas dos sintomas.

Esses fatos preocupantes tornam a pesquisa de Alzheimer um foco de inovação. Qualquer via potencial é completamente investigada, e nenhuma molécula é deixada de lado.

As descobertas do mais recente estudo de Alzheimer foram apresentadas na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer 2016 em Toronto, Canadá, ontem. A molécula de interesse foi o resveratrol.

O que é resveratrol?

O resveratrol é um fenol natural, liberado por certas plantas em resposta a ataques ou ferimentos. O composto é encontrado em vários alimentos, incluindo uvas, mirtilos, framboesas, vinho tinto e chocolate amargo.

A restrição calórica é conhecida por reduzir as doenças relacionadas à idade em animais, e o resveratrol é conhecido por imitar a restrição calórica; Ele faz isso liberando as mesmas proteínas – sirtuins – daí o interesse da molécula para aqueles que estudam doenças neurodegenerativas relacionadas à idade.

Em 2015, o maior ensaio clínico nacional sobre o resveratrol de alta dosagem foi publicado em. Os pesquisadores descobriram que o tratamento a longo prazo com resveratrol de indivíduos com Alzheimer leve a moderado parece ter parado, ou pelo menos retardar, o progresso da doença.

Sabe-se que uma proteína chamada beta-amilóide 40 (Abeta40) diminui à medida que a demência se agrava. O estudo em 2015 mostrou que, nos indivíduos que tomaram resveratrol, os níveis de Abeta40 permaneceram estáveis, enquanto os níveis do grupo placebo caíram.

Na época, o investigador principal, Dr. R. Scott Turner, alertou: “Este é um estudo único e pequeno, com descobertas que exigem mais pesquisas para interpretar corretamente”.

O Dr. Turner foi o principal investigador do estudo atual, juntamente com o neurologista Dr. Charbel Moussa, diretor de pesquisa científica e clínica do Programa de Neuroterapêutica Translacional da GUMC. Para esta rodada de testes, a equipe estava interessada nos níveis de moléculas específicas no líquido cefalorraquidiano (LCR) de pacientes com Alzheimer.

Ao todo, 19 participantes receberam uma dose diária de resveratrol (o equivalente a 1.000 garrafas de vinho tinto) e outros 19 receberam um placebo.

Descobrindo os efeitos anti-inflamatórios do resveratrol

Os cérebros dos indivíduos com Alzheimer são danificados pela inflamação. Acredita-se que esta inflamação seja causada por uma reação ao acúmulo de proteínas no cérebro, incluindo Abeta40 e Abeta42.

O aumento da inflamação parece piorar a doença. Anteriormente, considerava-se que esta inflamação provinha apenas de células imunitárias no cérebro. O estudo atual sugere que isso pode não ser o caso.

A molécula primária de interesse para os pesquisadores foi a metaloproteinase de matriz-9 (MMP-9). A equipe encontrou uma redução de 50 por cento de MMP-9 no líquido cefalorraquidiano daqueles que tomam a dose diária de resveratrol.

Isso é significativo porque a MMP-9 é reduzida quando a sirtuína 1 (uma das proteínas ligadas à restrição calórica) é ativada. Níveis mais altos de MMP-9 são conhecidos por causar uma quebra da barreira hematoencefálica – um bloqueio que normalmente impede a entrada de proteínas e outras moléculas no cérebro.

Além disso, a equipe descobriu que o resveratrol aumentou os níveis de compostos ligados a uma resposta imune “adaptativa” a longo prazo; isso sugere um envolvimento de células inflamatórias que residem no cérebro. Este tipo de reação degrada e remove as proteínas neurotóxicas.

“Estas novas descobertas são empolgantes porque aumentam a nossa compreensão de como o resveratrol pode ser clinicamente benéfico para indivíduos com doença de Alzheimer. Em particular, eles apontam para o importante papel da inflamação na doença e os potentes efeitos anti-inflamatórios do resveratrol”.

Dr. Scott Turner

Mais perguntas a serem respondidas

Embora seja improvável que o resveratrol seja um tratamento por conta própria (ele não impede que as proteínas tau ataquem e destruam os neurônios), está planejado um estudo de fase III. Não apenas os estudos recentes deram uma visão da doença, mas também estão eliminando outras questões que exigem respostas.

Por exemplo, o Dr. Turner explica outro dos mistérios a serem descobertos: “Uma descoberta intrigante do estudo do resveratrol (assim como estratégias de imunoterapia para a doença de Alzheimer sob investigação) é o maior encolhimento do cérebro encontrado no tratamento. Essas novas descobertas apóiam o a noção de que o resveratrol diminui o inchaço resultante da inflamação no cérebro de Alzheimer. “

Esse achado “aparentemente paradoxal” também foi descrito em drogas usadas para tratar indivíduos com esclerose múltipla, outra doença cerebral que envolve altos níveis de inflamação.

A doença de Alzheimer é uma doença complicada, e será apenas através de um esforço concertado que os seus segredos são finalmente revelados, e são concebidos tratamentos melhorados.

Saiba como as proteínas tau se espalharam pelos espaços entre as células.

Like this post? Please share to your friends: