Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

História do diabetes: tratamentos passados ​​e novas descobertas

Diabetes é uma condição caracterizada por níveis elevados de açúcar no sangue. Ela afeta milhões de pessoas em todo o mundo. A pesquisa sobre diabetes está em andamento, mas o diabetes é simples de gerenciar para a maioria das pessoas.

Desde que o diabetes foi descoberto pela primeira vez, houve grandes melhorias na forma como ele é tratado. Este artigo analisa a história do diabetes e como esses tratamentos se desenvolveram.

Diabetes afeta os níveis de açúcar no sangue

um diagrama do pâncreas

O corpo recebe energia do açúcar (glicose), que é decomposta a partir da comida que as pessoas comem. Diabetes afeta insulina. A insulina é um hormônio produzido no pâncreas que ajuda no processo de usar esse açúcar de forma eficiente.

Pessoas com diabetes tipo 1 não produzem insulina. As pessoas que têm diabetes tipo 2 produzem insulina, mas seu corpo é incapaz de usá-la eficientemente.

Quando uma pessoa tem diabetes, a falta de insulina ou a incapacidade do corpo de usá-la adequadamente, faz com que o açúcar permaneça no sangue, em vez de entrar nas células para ser usado como energia. Este excesso de açúcar no sangue resulta em níveis de açúcar no sangue mais altos do que o normal.

Ter níveis elevados de açúcar no sangue por um longo período pode causar problemas sérios e até fatais. No entanto, existem várias maneiras de gerenciar a condição para que esses problemas sejam evitados.

Ciência inicial em torno do diabetes

Entender a história da diabetes e como ela foi tratada pela primeira vez pode nos ajudar a avaliar o quão bem ela é entendida e gerenciada hoje.

Descoberta do diabetes

O nome completo para diabetes é diabetes mellitus. Este termo vem da palavra grega “diabetes” (para sifão ou passagem) e da palavra latina “” (mel ou doce).

O primeiro uso do termo “diabetes” pode ser rastreado até Apolônio de Memphis por volta de 250 aC. O primeiro registro em inglês de diabetes em um texto médico ocorreu por volta de 1425. Em 1675, Thomas Willis acrescentou a palavra “mellitus” porque as pessoas com diabetes tinham urina de sabor doce.

Em 1776, Matthew Dobson foi capaz de confirmar que a urina de pessoas com diabetes tinha um sabor doce, porque continha excesso de açúcar. Ele deduziu isso quando notou uma substância parecida com açúcar mascavo na urina.

Dobson também notou que o diabetes provou ser fatal em algumas pessoas, enquanto em outros, era uma condição crônica. Esta é a primeira vez que uma clara diferença entre diabetes tipo 1 e tipo 2 foi identificada.

Tratamentos precoces do diabetes

Os primeiros médicos gregos recomendaram o exercício, se possível, a cavalo. Eles acreditavam que isso reduziria a necessidade de micção excessiva.

Outras opções de tratamento incluíram superalimentação com vinho, o que foi pensado para ajudar a compensar a perda de líquido.

Infelizmente, essas formas de controlar a diabetes não foram particularmente eficazes. Por causa da falta de tratamento adequado, as pessoas com diabetes tiveram sérios problemas de saúde.

Descoberta do pâncreas

Joseph von Mering

Em 1889, Joseph von Mering e Oskar Minkowski descobriram o papel do pâncreas no diabetes. Depois de remover o pâncreas dos cães, descobriram que os animais desenvolviam todos os sinais e sintomas do diabetes. No entanto, eles também morreram pouco depois.

Essa descoberta ajudou os cientistas a entender o papel do pâncreas na regulação dos níveis de açúcar no sangue.

Em 1910, Sir Edward Sharpey-Schafer fez outra descoberta. Ele descobriu que o diabetes era causado pela falta de um determinado produto químico produzido pelo pâncreas.

Sharpey-Schafer chamou essa insulina química, que é derivada da palavra latina “.” Isso significa ilha e refere-se às células produtoras de insulina no pâncreas, conhecidas como ilhotas de Langerhans.

Tratamentos nos anos 1900

Entre 1900-1915, uma variedade de diferentes tratamentos para diabetes foi proposta. Os primeiros tratamentos incluíram:

  • a aveia-cura, que envolveu comer 8 onças de aveia misturada com 8 onças de manteiga a cada 2 horas
  • a dieta do leite
  • a cura do arroz
  • terapia de batata
  • ópio
  • overfeeding para repor os líquidos perdidos e aumentar o peso, sintomas que muitas pessoas com diabetes experimentaram

Não foi até 1921 que o controle do diabetes foi além desses tratamentos básicos e amplamente ineficazes. Neste ano, Sir Frederick Grant Banting e Charles Herbert Best demonstraram como tratar a diabetes com insulina.

Banting e Best foram capazes de reverter o diabetes em cães. Eles fizeram isso injetando-lhes um extrato das ilhotas pancreáticas de cães saudáveis.

Mais tarde, juntamente com James Collip e John Macleod, eles extraíram e purificaram insulina tirada de vacas e a usaram para tratar pessoas com diabetes.

Produção em massa de insulina

Em janeiro de 1922, Leonard Thompson, de 14 anos, tornou-se a primeira pessoa a receber uma injeção de insulina para tratar o diabetes. Thompson viveu mais 13 anos com a doença antes de sucumbir à pneumonia.

Também em 1922, a empresa farmacêutica Eli Lilly fez um acordo para produzir insulina em massa na América do Norte. Isso fez com que a insulina e seu uso se espalhassem em todo o mundo, ajudando muitas pessoas com diabetes a gerenciar melhor sua condição.

Entendendo a resistência à insulina

Em 1936, Sir Harold Percival (Harry) Himsworth publicou algumas pesquisas para diferenciar diabetes tipo 1 e tipo 2.

Ele teorizou que muitas pessoas não eram deficientes em insulina, mas tinham resistência à insulina. Sabe-se agora que a resistência à insulina é um fator que causa diabetes tipo 2. Resulta de uma combinação de resistência à insulina, bem como comprometimento da função das células beta.

A pesquisa sobre insulina continuou. Em 1982, uma insulina biossintética humana conhecida como humulina foi criada. A humulina é idêntica em estrutura à insulina humana.

A produção em massa começou para esta nova forma de insulina, e vendeu para muitos países diferentes. Foi neste momento que o tratamento da diabetes realmente decolou.

O Reflolux, também conhecido como Accu-Chek, foi introduzido em 1983 como uma maneira de monitorar com precisão o açúcar no sangue. 1986 viu a introdução do sistema de entrega de caneta de insulina e, em 1993, comprimidos de glicose instantâneos entraram no mercado.

Tratamento moderno

 Crédito da imagem: PD-US </ br>“></p> <p align=Nos últimos anos, houve mais avanços no tratamento do diabetes. Estes incluem a introdução de análogos da insulina e o desenvolvimento de novas formas de administrar insulina.

Análogos de insulina

Em 1996, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos aprovou o lispro (Humalog), a primeira insulina sintética humana.

A insulina sintética humana é idêntica em estrutura à insulina encontrada naturalmente no corpo. Pessoas com diabetes injetam isso sob a pele.

A insulina lispro começa a trabalhar cerca de 15 minutos após a injeção e continua a funcionar durante 2-4 horas. A insulina glargina (Toujeo) é de ação prolongada, começando a trabalhar várias horas após a injeção e com duração de até 24 horas.

Embora seja uma opção de tratamento válida, a insulina sintética humana não funciona tão bem quanto a insulina natural porque se aglomera quando injetada. Isso significa que demora mais para absorver.

É incapaz de trabalhar em sincronia com as necessidades do corpo. Efeitos colaterais desfavoráveis ​​significam que não é prescrito para muitas pessoas com diabetes.

Os efeitos colaterais incluem:

  • atraso no início da ação
  • tempo de pico variável
  • duração variável da ação

Análogos de insulina foram desenvolvidos para imitar o padrão natural de liberação de insulina do corpo. O que diferencia esses análogos é que eles contêm pequenas alterações estruturais ou de aminoácidos. Estes dão resultados mais desejáveis ​​quando uma pessoa com diabetes os injeta sob a pele. Uma vez absorvidos, agem nas células de forma muito semelhante à insulina humana e podem ser absorvidas de forma mais previsível.

Bombas de insulina

A década de 1990 trouxe bombas de insulina externas e análogos adicionais de insulina, que tiveram vários benefícios, incluindo:

  • melhores resultados
  • menos reações
  • mais flexibilidade
  • gerenciamento de tratamento mais fácil

Atualmente, existem mais de 300 análogos que permitem aos médicos e às pessoas com diabetes personalizar melhor seus planos de tratamento.

Pesquisa em andamento

Embora os planos de tratamento tenham percorrido um longo caminho desde a descoberta do diabetes, a pesquisa ainda está sendo feita.

Pesquisadores do Hospital de Ottawa e da Universidade de Ottawa estão explorando o papel de uma proteína bactericida chamada peptídeo antimicrobiano da catelicidina (CAMP).

A proteína que mata bactérias foi encontrada no pâncreas, onde as bactérias geralmente não estão presentes. Os cientistas estão tentando descobrir a ligação entre o CAMP e o diabetes tipo 1, mas acham que a proteína pode ajudar na produção de insulina.

A American Diabetes Association (ADA) financiou uma série de projetos de pesquisa, incluindo um que está tentando identificar o possível gatilho para o diabetes tipo 1. Outro projeto de pesquisa notável está investigando a conexão entre estresse e diabetes tipo 2.

Além disso, de acordo com a pesquisa e desenvolvimento de um pâncreas biônico está em andamento. Atualmente, não há cura para o diabetes tipo 1. Seria um grande avanço, no entanto, se os cientistas pudessem descobrir o que faz o sistema imunológico atacar suas próprias células de insulina.

Diabetes pode ser tratado. No entanto, isso pode causar problemas de saúde adicionais se não for bem gerenciado. Segundo a ADA, em 2012, 29,1 milhões de americanos ou 9,3% da população tinham diabetes. Assim, a melhoria contínua em como tratar e, em última instância, prevenir a diabetes continua sendo importante.

Like this post? Please share to your friends: