Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Entendendo o lado infeliz da serotonina

Antidepressivos como Prozac e Zoloft oferecem alívio para mais de 100 milhões de pessoas em todo o mundo que têm depressão, mas com um efeito colateral potencialmente grave. Nas primeiras semanas, sentimentos de medo e ansiedade podem piorar.

[medicação e depressão]

Agora, os cientistas acreditam que eles identificaram o que acontece no cérebro para causar isso, de acordo com pesquisa publicada na.

Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs) são usados ​​para tratar ansiedade, depressão e condições relacionadas. Cerca de 10 por cento das pessoas nos Estados Unidos usam, incluindo 1 em cada 4 mulheres nos seus 40 e 50 anos.

A serotonina, um neurotransmissor, é o “hormônio feliz” que estimula os sentimentos de bem-estar. Níveis anormalmente baixos de serotonina foram associados à depressão. SSRIs são pensados ​​para melhorar o humor, aumentando a atividade da serotonina no cérebro.

Mas a serotonina nem sempre é um mar de rosas. Nos primeiros dias de tratamento, pode aumentar os níveis de medo e ansiedade e até mesmo o pensamento suicida em algumas pessoas mais jovens. Como resultado, os pacientes podem parar de usar o tratamento depois de algumas semanas.

Quando a serotonina funciona através de certos circuitos cerebrais, parece melhorar o humor, mas quando age em outros circuitos, o efeito é diferente.

Mapeamento dos circuitos de ansiedade impulsionados pela serotonina

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, Carolina do Norte, identificaram um circuito que parece estar relacionado à ansiedade causada pela serotonina.

Fatos rápidos sobre antidepressivos

  • 11 por cento dos americanos com mais de 12 anos usam antidepressivos
  • Mais de 60% os usam há mais de 2 anos
  • As mulheres são mais propensas a usar antidepressivos do que os homens.

Saiba mais sobre antidepressivos

Usando uma série de métodos, como ferramentas avançadas de optogenética e quimiogenética, a equipe conseguiu traçar uma via ativada pela serotonina no cérebro de camundongos que parece conduzir a um comportamento ansioso.

Primeiro, a equipe apresentou um leve choque nas patas dos ratos – uma maneira padrão de desencadear comportamentos relacionados ao medo e à ansiedade. Isso foi mostrado para ativar os neurônios produtores de serotonina no núcleo dorsal da rafe (DRN).

O DRN é uma região do tronco cerebral associada a humor e depressão. Os neurônios de serotonina DRN projetam-se para uma região do cérebro conhecida como o núcleo do leito da estria terminal (BNST). Estudos anteriores mostraram que o BNST está envolvido quando a serotonina provoca um humor negativo em roedores.

Quando a equipe artificialmente aumentou a atividade dos neurônios DRN-para-BNST nos ratos, comportamentos semelhantes à ansiedade aumentaram.

Os pesquisadores descobriram que os receptores através dos quais a saída de serotonina do DRN é ativada são os receptores 2C de serotonina. Através dos receptores 2C, os neurônios alvo do BNST são ativados.

Os neurônios BNST ativados por serotonina, em seguida, amortecem a atividade de outro grupo de neurônios BNST.

Este grupo projeta-se para a área tegmentar ventral (VTA) e hipotálamo lateral (LH). O VTA e o LH são nós fundamentais nas redes de recompensa, motivação e alerta do cérebro.

Estudos anteriores sugeriram que os caminhos do BNST para VTA e LH desempenham um papel na melhoria do humor e aliviam a ansiedade.

Aumentar a atividade ao longo de um caminho melhora o humor

Os resultados mostraram que o aumento da atividade dessas vias reduziu a ansiedade de medo causada pelo tratamento do choque do pé nos camundongos. Diminuindo, elevou os níveis de ansiedade.

O Prozac, ou fluoxetina, aumenta os níveis de serotonina. Quando os cientistas expuseram os neurônios BNST do receptor 2C ao Prozac, ele aumentou o efeito dos neurônios do receptor 2C nos neurônios vizinhos que projetam VTA e LH. Os ratos ficaram com mais medo e ansiedade.

Para descobrir como parar esse efeito, o autor sênior Thomas L. Kash e sua equipe concentraram-se nos neurônios BNST mediadores da ansiedade. Eles notaram que esses neurônios expressavam uma molécula, conhecida como fator de liberação da corticotropina (CRF). O CRF é um neurotransmissor de sinalização de estresse. Às vezes é chamado de hormônio liberador de corticotropina (CHR).

Quando a equipe adicionou um composto para bloquear a atividade da CRF, o medo e a ansiedade que haviam sido desencadeados pelo Prozac foram bastante reduzidos.

Procurando por uma solução

Kash acredita que a mesma coisa aconteceria em humanos. Os ISRSs podem causar ansiedade nas pessoas, diz ele, e os ratos e humanos tendem a ter vias muito semelhantes nessas regiões cerebrais.

“A esperança é que consigamos identificar uma droga que inibe esse circuito e que as pessoas poderiam usar apenas nas primeiras semanas de uso dos ISRSs para superar esse problema.”

Thomas L. Kash

Os autores esperam que essa descoberta leve ao desenvolvimento de drogas para combater os efeitos negativos dos ISRSs.

O próximo passo será testar drogas, de preferência aquelas que já foram aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, para ver se elas podem mudar o circuito de ansiedade e bloquear os efeitos colaterais negativos dos ISRSs.

Um bloqueador de CRF pode funcionar. As empresas farmacêuticas têm procurado bloqueadores de CRF para o tratamento da depressão, ansiedade e dependência por algum tempo, mas sem sucesso até o momento. O Kash não espera uma solução deste trimestre ainda.

Uma alternativa para melhores bloqueadores de CRF, ele sugere, poderia ser direcionar as proteínas expressas pelos neurônios do BNST. Ele espera identificar um receptor que os medicamentos existentes já possam atingir.

Uma dessas drogas pode impedir que as pessoas que estão iniciando os SSRIs tenham que passar pelo estágio de medo e ansiedade.

Além de oferecer esperança às pessoas que sofrem de depressão, a descoberta também aprofunda a compreensão humana das redes cerebrais subjacentes ao medo e ao comportamento de ansiedade nos mamíferos.

Descubra como a serotonina tem sido associada à morte súbita do berço.

Like this post? Please share to your friends: