Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Distonia focal: o que há para saber?

A distonia focal é uma condição incomum, também conhecida como “os yips”. É um distúrbio neurológico que envolve espasmos involuntários nos pequenos músculos. Pode resultar do uso excessivo ou estresse repetitivo, e pode afetar músicos e golfistas.

A distonia focal pode afetar as mãos, de modo que os dedos se enrolem na palma da mão ou se estendam para fora sem controle.

A distonia focal é incomum, mas é uma das condições neurológicas mais comuns. Nos Estados Unidos, acredita-se que 30 em cada 100.000 pessoas vivam com ele. Pode afetar pessoas de todas as idades, incluindo crianças, mas os sintomas geralmente começam entre as idades de 40 e 60 anos.

Tipos

[distonia]

Distonia refere-se a uma síndrome de movimento desordenado. Existem muitos tipos de distonia, e eles podem afetar vários músculos do corpo, dependendo do tipo.

Os sintomas variam de acordo com o tipo de distonia envolvida. A distonia cervical, ou torcicolo, ocorre no pescoço. É a forma mais comum de distonia focal. Há também distonia de membro superior, membro inferior e até lingual.

Como existem muitos tipos de distúrbios de movimento, a distonia pode ser classificada de várias maneiras, por exemplo, pela idade de início, onde ocorre no corpo ou se é uma condição primária ou secundária.

Sintomas

Os primeiros sintomas da distonia focal podem incluir uma perda de precisão na coordenação muscular.

O indivíduo pode primeiro notar que eles têm dificuldade crescente em usar uma caneta, eles experimentam pequenos ferimentos freqüentes nas mãos. Eles podem se tornar mais propensos a abandonar itens.

O uso sustentado de um músculo pode levar a dores e tremores.

Dor muscular significativa e cãibras podem resultar de pequenos esforços, como segurar um livro e virar as páginas.

Além dos sintomas diretos, os pacientes podem apresentar efeitos secundários sobre a atividade muscular e cerebral contínuas.

Estes podem incluir padrões de sono perturbados, exaustão, alterações de humor, estresse mental, dificuldade de concentração, visão turva, problemas digestivos e temperamento curto.

As pessoas com distonia também podem ficar deprimidas e, à medida que pioram, podem ter dificuldade em realizar suas atividades diárias.

Alguns pacientes apresentam sintomas que pioram e depois se estabilizam por anos. Em outros casos, os sintomas podem parar completamente.

Os sintomas podem ser retardados pelo tratamento ou por mudanças no estilo de vida. Se o paciente continuar a usar os músculos da mesma maneira que antes, os sintomas podem progredir mais rapidamente.

Causas

Acredita-se que a distonia primária ocorra quando os gânglios da base não produzem neurotransmissores suficientes, ou quando produz o tipo errado de neurotransmissores. Às vezes é hereditário.

[violinista]

Os gânglios da base são uma coleção de células cerebrais na frente do cérebro. Eles são responsáveis ​​por enviar mensagens do cérebro para vários músculos, a fim de movê-los.

A distonia secundária pode ser o resultado de outra condição neurológica ou pode ser desencadeada por causa ambiental conhecida. Estas podem ser uma lesão ao nascimento que leva a hipóxia ou hemorragia cerebral neonatal, ou trauma ou acidente vascular cerebral mais tarde na vida.

Algumas infecções podem provocá-lo, assim como a exposição a certas substâncias, incluindo alguns medicamentos, como drogas bloqueadoras de dopamina, envenenamento por metais pesados ​​e monóxido de carbono.

A distonia focal tem sido associada a fatores ambientais e relacionados à tarefa.

As pessoas que executam movimentos de mão de alta precisão, como músicos, engenheiros, arquitetos e artistas, têm mais probabilidade de desenvolvê-lo. Uma forma da condição é às vezes chamada de “distonia do músico”.

Também tende a ser “específico da tarefa”. Isso significa que isso só representa um problema durante certas atividades.

Outros fatores de risco incluem ansiedade ou “asfixia” que muitos atletas experimentam durante a competição de alto estresse e uso excessivo dos músculos envolvidos no controle motor fino e movimentos precisos.

Às vezes, um paciente que já tem uma condição neurológica, como Parkinson, Huntington ou doença de Wilson, pode desenvolver distonia focal secundária.

O Parkinson acontece quando há falta de dopamina, que é um neurotransmissor. Huntington é uma condição hereditária na qual o paciente não tem colesterol suficiente no cérebro. A doença de Wilson é uma condição genética que faz com que o cobre se acumule nos tecidos do corpo.

Os yips também podem ocorrer em pacientes com esclerose múltipla (EM) e paralisia cerebral, porque estes também são distúrbios do sistema nervoso.

Diagnóstico

É importante confirmar se um caso de distonia é primário ou secundário, porque a causa subjacente ditará o tipo de tratamento adequado.

Tratar uma condição primária, como Parkinson, pode ajudar a diminuir os níveis de distonia focal.

A eletromiografia (EMG) é um procedimento que usa sensores elétricos para ajudar a fornecer um diagnóstico definitivo da distonia focal. Os sensores são inseridos nos grupos musculares afetados, e eles mostram sinais nervosos pulsantes sendo transmitidos para os músculos mesmo quando os músculos estão em repouso.

Quando chamados para realizar uma atividade intencional, os músculos se cansam muito rapidamente, e algumas partes dos grupos musculares não respondem, causando fraqueza. Outras partes podem responder excessivamente ou ficar rígidas.

Este teste pode diagnosticar distonia focal mais grave, mas pode ser doloroso.

Tratamento

Mudanças no estilo de vida podem ser necessárias para reduzir os tipos de movimento que podem desencadear ou piorar os sintomas distônicos. Isso pode fornecer algum alívio. Reduzir o estresse, descansar bastante, fazer exercícios moderados e técnicas de relaxamento também podem ajudar.

Injeções de Botox não podem curar a distonia, mas podem ajudar a aliviar os sintomas. Botox é uma forma comercialmente preparada de toxina botulínica.É injetado diretamente nos músculos afetados. Isso impede que os neurotransmissores responsáveis ​​pelos espasmos musculares atinjam os músculos afetados. Os efeitos geralmente duram 3 meses e, em seguida, outra injeção será necessária.

Clonazepam é um medicamento anti-convulsivo que às vezes é prescrito. No entanto, tem um efeito limitado e as reações adversas incluem confusão mental, sedação, alterações de humor e perda de memória de curto prazo.

Os anticolinérgicos são um tipo de medicamento que trata de alguns tipos de distonia focal e são eficazes em algumas pessoas. Os anticolinérgicos funcionam bloqueando a liberação de um neurotransmissor chamado acetilcolina. A acetilcolina é conhecida por causar espasmos musculares em alguns casos de distonia.

Tem sido sugerido que o canabidiol, um dos canabinoides não psicoativos encontrados, pode reduzir os sintomas distônicos. No entanto, isso não foi confirmado, e os cientistas pedem mais estudos, especialmente porque o uso de cannabis tem sido associado ao abuso de drogas e efeitos adversos.

Prognóstico

A distonia é uma desordem ao longo da vida e muito poucas pessoas experimentam uma remissão. A expectativa de vida é normal, mas os sintomas persistem. Isso pode significar que os pacientes têm que limitar certas atividades.

À medida que os pacientes aprendem a conviver com a distonia, os médicos podem ajudá-los a controlar os sintomas usando o alívio da dor e adaptando o movimento e a postura.

Like this post? Please share to your friends: