Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Descobrindo a ciência por trás do “corpo sonoro, mente sadia”

Pesquisadores do Karolinska Institutet, na Suécia, lidam com a base molecular do ditado “mente sã, corpo sadio”. A chave parece ser como os músculos reduzem os níveis de marcadores de estresse no sangue.

Homem, exercitar, em, um, parque

Estudos têm mostrado que o exercício não só promove a queima de gordura, mas também beneficia a mente.

Mesmo antes de a ciência entender o porquê, a realização de atividade física já era considerada útil na redução de sintomas depressivos para algumas pessoas.

Em 2014, pela primeira vez, um grupo de pesquisadores do Karolinska Institutet descreveu exatamente como o exercício pode beneficiar o cérebro.

A equipe sueca mostrou que, quando os músculos eram colocados em ação durante o exercício, eles produziam uma enzima que quebrava a quinurenina – um composto que está presente em níveis mais elevados em pessoas com depressão e outros transtornos mentais.

A enzima produzida pelo músculo converte a quinurenina em ácido quinurênico, que não consegue atravessar a barreira hematoencefálica. Dessa maneira, o cérebro é protegido de certas mudanças induzidas pelo estresse que se acredita ocorrerem na depressão.

Efetivamente, os músculos limpam o sangue desse composto, impedindo suas conseqüências negativas no cérebro.

Examinando kynurenine mais detalhadamente

Nesta semana, a mesma equipe de cientistas mencionada acima divulgou seus resultados do último estudo para investigar esse mecanismo; os resultados são publicados na revista.

Em seu último estudo, eles aprofundam esse relacionamento e examinam como a quinurenina beneficia mais do que apenas o cérebro; seu impacto é amplo. O projeto foi liderado por Jorge Ruas, do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Karolinska.

Eles demonstram que o relacionamento anteriormente delineado vai para os dois lados, explicando que a mesma redução na quinurenina, que ajuda a reduzir a depressão, também aumenta o metabolismo da gordura e a resposta antiinflamatória.

Para o estudo, a equipe alimentou os ratos com uma dieta rica em gordura que aumentou seus níveis de açúcar no sangue e os fez com sobrepeso. Então, eles deram aos camundongos uma injeção diária de ácido quinurênico, o produto da quebra da quinurenina. Os ratos tratados com ácido quinurênico continuaram a ser alimentados com a dieta rica em gordura.

Apesar de nenhuma mudança na ingestão calórica, os ratos pararam de engordar e sua tolerância à glicose – um marcador de distúrbios metabólicos – melhorou.

Este mecanismo pode fornecer esperança

Os pesquisadores acreditam que o ácido quinurênico funciona em um receptor conhecido como GPR35, encontrado nas células de gordura e no sistema imunológico.

É possível que, através da atividade do ácido quinurênico nesse receptor, a gordura branca seja transformada em gordura marrom, o que pode estimular o metabolismo e diminuir os níveis de glicose no sangue; ao mesmo tempo, sua capacidade de interagir com as células do sistema imunológico pode reduzir a inflamação prejudicial.

“Nós ligamos as duas partes da expressão ‘mente sonora, corpo sonoro’. Nossa pesquisa contribui para a compreensão de por que o treinamento físico beneficia o corpo e, a longo prazo, pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos para a obesidade ou diabetes “.

Jorge Ruas

Esse novo caminho pelo qual o exercício pode afetar o cérebro, o corpo e o sistema imunológico tem o potencial de estimular o design de intervenções inovadoras. Se a modulação da via da quinurenina puder reduzir o ganho de peso sem uma mudança na dieta, ela poderia fornecer um novo alvo para os tratamentos.

Como a obesidade e o diabetes continuam a ser um grande problema de saúde pública nos Estados Unidos, entender com mais detalhes como eles podem ser contidos ou evitados é estimulante.

No entanto, como os autores observam, estes são testes iniciais, e há um longo caminho pela frente; como diz Ruas, “nosso próximo passo é identificar a cadeia complexa de moléculas que interagem e é afetada pela dieta e pelo treinamento”.

Esta será uma tarefa desafiadora e detalhada, mas a equipe do Karolinska Institutet está determinada a avançar.

Like this post? Please share to your friends: