Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Creepy crawlies: Por que você nasceu para temer aranhas e cobras

Se apenas o pensamento de uma aranha faz sua pele rastejar, é altamente improvável que esteja na sua lista de filmes obrigatórios neste Halloween. Mas não se sinta como se o seu medo dessas criaturas de oito patas fosse irracional; pode ser hardwired.

uma mulher com medo de uma aranha

De um estudo com bebês de 6 meses, pesquisadores descobriram que o medo de aranhas ou cobras pode ser inato, o que significa que alguns de nós podem nascer com o instinto de ter medo dessas criaturas.

A principal pesquisadora Stefanie Hoehl – do Instituto Max Planck de Ciências Cognitivas e Cerebrais Humanas na Alemanha e da Faculdade de Psicologia da Universidade de Viena, na Áustria – e seus colegas recentemente relataram suas descobertas na revista.

O medo de aranhas ou cobras está entre as fobias mais comuns nos Estados Unidos. Na verdade, uma pesquisa YouGov de 2014 revelou que cerca de 64% dos indivíduos dos EUA têm medo de cobras, enquanto 48% têm medo de aranhas.

Em alguns casos, essas fobias podem ser graves o suficiente para interferir na qualidade de vida: os pacientes com aracnofobia podem ter pesadelos com as criaturas assustadoras, que podem atrapalhar o sono, enquanto outros podem se recusar a sair de casa por medo de encontrar uma cobra.

O que está por trás desses medos? Pesquisas anteriores indicaram que as fobias podem surgir de experiências traumáticas na infância – por exemplo, a memória de uma aranha que se arrasta pela cama quando criança – ou que aprendemos fobias de membros da família.

O novo estudo de Hoehl e colegas, no entanto, sugere que quando se trata de aranhas e cobras, muitos de nós podem nascer para temê-los.

Maior resposta ao estresse para aranhas, cobras

Os resultados vêm de uma análise de 16 bebês de uma idade média de 6 meses. Para o estudo, os pesquisadores apresentaram a cada bebê fotografias de peixes, flores, aranhas ou cobras.

“As flores e os peixes foram escolhidos para comparação”, escrevem os autores, “porque podem ser relativamente fáceis de combinar em termos de propriedades de baixo nível com aranhas e cobras, respectivamente, devido à morfologia e propriedades de superfície semelhantes”.

Eles então avaliaram a resposta de estresse dos bebês a cada imagem medindo a dilatação pupilar.

A equipe descobriu que quando os bebês olhavam para fotos de aranhas e cobras, suas pupilas se tornavam muito maiores em comparação com quando olhavam imagens de peixes e flores.

“Em condições de luz constantes, essa mudança no tamanho das pupilas é um sinal importante para a ativação do sistema noradrenérgico no cérebro, responsável pelas reações de estresse”, explica Hoehl. “Assim, até mesmo os bebês mais jovens parecem estar estressados ​​por esses grupos de animais.”

Os pesquisadores acreditam que suas descobertas indicam que o medo de aranhas ou cobras é inato, e que isso provavelmente tem uma origem evolutiva.

“Semelhante aos primatas, mecanismos em nossos cérebros nos permitem identificar objetos como ‘aranha’ ou ‘cobra’ e reagir a eles muito rapidamente. Essa reação de estresse obviamente hereditária nos predispõe a aprender esses animais como perigosos ou nojentos.”

Stefanie Hoehl

Hoehl acrescenta que com o tempo – combinado com outros fatores, como a aversão dos pais a aranhas ou cobras – essa reação ao estresse pode estimular o desenvolvimento de uma fobia.

Então, da próxima vez que você fugir da sala depois de ver uma besta de oito patas, culpe as suas raízes.

Feliz Dia das Bruxas!

Like this post? Please share to your friends: