Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Como podemos superar a solidão?

A solidão é uma experiência humana universal que pode nos afetar tanto quanto qualquer doença física. Com o início do ano novo, a agitação e as ondas desbotadas das férias podem deixar uma sensação de vazio e isolamento. Então, como podemos superá-lo?

um homem que parece triste

Como diz a escritora norte-americana Fanny Howe, a solidão é “um companheiro não convidado e não criado” que “desliza ao seu lado” sem aviso prévio.

Os psicólogos definem a solidão de várias maneiras e geralmente a dividem em categorias, dependendo de sua duração.

Essencialmente, no entanto, a maioria dos especialistas concorda que a solidão, embora seja uma experiência humana compartilhada, é uma emoção indesejada e dolorosa que pode afetar nossa saúde física e mental. Estudos recentes observaram que a solidão pode afetar o funcionamento do sistema imunológico, prejudicar a qualidade do sono e nos colocar em risco de doença cardíaca.

Um estudo do ano passado argumentou que a solidão “aumenta significativamente o risco de mortalidade prematura”, mais do que outros fatores de saúde.

Uma pesquisa realizada com adultos de 45 anos ou mais nos Estados Unidos descobriu que aproximadamente um terço dos entrevistados se identificava como “solitário”. Relatórios com foco em crianças e adultos jovens também indicaram que uma porcentagem significativa de entrevistados com idades entre 17 e 25 anos experimentaram solidão.

Finalmente, um estudo que chamou a atenção na mídia alegou que 35 é a idade em que os homens se sentem mais solitários. Em suma, parece que nenhum grupo etário está seguro de enfrentar essa emoção prejudicial.

Desde o início de janeiro é aparentemente a época mais mortífera do ano, com a lendária Blue Monday – supostamente o dia mais deprimente do ano, a terceira segunda-feira de janeiro – ao virar da esquina, procuramos maneiras de superar a sensação de solidão. que pode afetar alguns nós no rescaldo das férias de inverno.

Mesmo que a solidão não aconteça quando as festas do Ano Novo chegarem ao fim, as ferramentas e idéias descritas abaixo deixarão você melhor preparado para afastar esse companheiro indesejado, sempre que ele tentar agarrá-lo pela mão – ou pelo coração.

Reconheça e reaja

John Cacioppo, Tiffany e Margaret Blake Distinguished Service Professor da Universidade de Chicago, IL, especializou-se em solidão, por que podemos experimentá-lo, como isso pode nos afetar, e o que podemos fazer para enfrentá-lo.

Na palestra do TED que você pode assistir abaixo, o Prof. Cacioppo argumenta que nossa sociedade tem crescido para valorizar cada vez mais o individualismo e a auto-suficiência, o que pode muitas vezes levar os indivíduos a se isolarem e se recusarem a reconhecer a solidão quando a experimentarem.

“Você não ouve as pessoas falarem de se sentirem sozinhas”, explica Prof. Cacioppo na palestra, “e isso porque a solidão é estigmatizada, o equivalente psicológico de ser um perdedor na vida ou uma pessoa fraca, e isso é realmente infeliz, porque isso significa que estamos mais propensos a negar que se sentem solitários, o que não faz mais sentido do que negar que sentimos fome, sede ou dor. “

A recusa, Prof. Cacioppo argumenta, faz nada além de exacerbar sentimentos de solidão e pode levar a estratégias contraproducentes, como a busca de isolamento adicional. Assim, o primeiro passo para combater o impacto negativo desse estado emocional é reconhecer que o que estamos sentindo é solidão.

“Segundo”, continua ele, “entenda o que [a solidão] faz com seu cérebro, com seu corpo, com seu comportamento”.

“É perigoso, como membro de uma espécie social, sentir-se isolado e nosso cérebro se encaixa no modo de autoconservação. Isso traz consigo alguns efeitos indesejados e desconhecidos em nossos pensamentos e nossas ações em relação aos outros.”

Prof. John Cacioppo

Uma vez que reconhecemos nossos sentimentos e compreendemos que podem afetar seriamente nossa saúde mental e física, bem como nosso comportamento, o Prof. Cacioppo nos aconselha a responder ao nosso sentimento de solidão, formando e fortalecendo as conexões.

“Pode-se promover conexões íntimas desenvolvendo [o relacionamento] com um indivíduo que é confiável, em quem você pode confiar e que pode confiar em você”, explica ele. “Você pode promover conexões relacionais simplesmente compartilhando bons momentos com amigos e familiares” sem distrações.

Finalmente, “a conectividade coletiva pode ser promovida tornando-se parte de algo maior que você”, então por que não “considerar o voluntariado para algo que você gosta”?

Deixar as mídias sociais

A mídia social pode ser a primeira solução que vem à mente quando estamos sozinhos; parece ser uma solução rápida e fácil. No entanto, muitos estudos mostraram que nossas redes on-line, embora possam oferecer uma ilusão de conexão, realmente nos tornam ainda mais solitárias e segregadas.

mulher, verificar, telefone móvel

Um estudo publicado no ano passado descobriu que os usuários de mídias sociais se sentem mais isolados do que os colegas que dedicam pouco tempo às redes online.

No livro, a psicóloga social Sherry Turkle também argumenta que a hiperconectividade via mídia social nos faz mais estranhos uns aos outros em nossas vidas off-line.

“Esperamos mais da tecnologia e menos uns dos outros, e eu me pergunto, ‘por que as coisas chegaram a isso?’, E acredito que é porque a tecnologia nos atrai mais onde somos mais vulneráveis, e somos vulneráveis, nós estamos sozinhos, mas temos medo da intimidade “, explica Turkle.

Para formar uma verdadeira rede de apoio que nos ajudará a manter a solidão afastada, precisamos olhar para fora de nossos computadores e dispositivos portáteis e, em vez disso, fortalecer nossos laços com a família, os amigos e a comunidade.

O psicólogo Guy Winch nos aconselha a enfrentar nossos medos e incertezas e dar o primeiro passo para conectar ou reconectar-se com os outros.Quando chegamos aos outros, ele sugere que enviemos mensagens positivas em vez de negativas, assim como definimos cronogramas claros para o evento social.

Por exemplo, enviando algo como: “Sinto sua falta, por que não pegamos café no próximo domingo?” é mais provável que seja eficaz do que “Ei, eu nem sei se somos mais amigos”.

Outra razão pela qual o contato face a face é preferível ao contato online é simplesmente porque os seres humanos precisam de contato físico para se sentirem confortados e conectados, de acordo com Helena Backlund Wasling, da Universidade Estadual de Nova York em Sycaruse.

É claro que você não deve tocar aleatoriamente em estranhos na rua, mas segurar a mão de um dos pais ou da criança ou abraçar um amigo pode fazer maravilhas pela nossa saúde mental; O toque também é uma ferramenta de comunicação, enviando mensagens sobre nossos estados emocionais.

Um animal de estimação pode ajudar

Quando o contato humano não está disponível, pode ser útil apreciar a presença de um amigo peludo, sugerem alguns estudos.

Um estudo realizado no ano passado descobriu que possuir um cão pode ajudar a reduzir o risco de morte prematura, especialmente entre as pessoas que vivem sozinhas, que por acaso são o grupo em maior risco de sofrer solidão debilitante.

Pesquisas anteriores também descobriram que os donos de animais de estimação podem ter melhores habilidades sociais e de comunicação e se engajar mais em atividades comunitárias.

Os animais podem ser ótimos para iniciar conversas, e cuidar de um animal de estimação – tirando-o para passear ou para o veterinário – pode desencorajar o sedentarismo, além de proporcionar uma oportunidade de conhecer novas pessoas.

Se um animal maior, como um cão ou um gato, parece ser muito trabalhoso ou muito caro, por que não considerar uma alternativa minúscula, em sua maioria livre de problemas e muito mais barata, como peixes, caracóis ou insetos?

Um estudo de 2016 revelou que os adultos mais velhos que foram oferecidos grilos para cuidar como animais de estimação se tornaram menos deprimidos e melhoraram o funcionamento cognitivo dentro de 8 semanas desde o início do experimento.

Ou você pode ser voluntário em um abrigo de animais, ou oferecer-se para cuidar de animais de estimação de amigos e conhecidos quando eles estiverem de férias, a fim de aproveitar os mesmos benefícios e melhorar suas relações sociais.

Reescreva a história

Se você não pode escapar de ficar sozinho e isso faz com que você se sinta solitário, então tente transformar essa solidão em solidão e use-a para seu próprio benefício. Quando você está preso sozinho, por que não transformar isso em uma oportunidade para algum “tempo para mim”, para que você possa se conhecer melhor, desestressar e desenvolver habilidades novas ou antigas?

homem lendo livro em um banco

Um estudo, em co-autoria do psicólogo clínico Ami Rokach, propõe que “aceitação e reflexão” são uma maneira de transformar o impacto negativo da solidão em uma atitude mais positiva.

Os autores definem essa abordagem como “usar a oportunidade de ser por si mesmo e tornar-se consciente dos próprios medos, desejos e necessidades como o meio mais saliente de lidar com a solidão”.

Rokach e seu co-autor explicam que, quando aprendemos a acolher a solidão e usá-la em nosso benefício, podemos evitar a solidão e seus efeitos negativos.

“Os resultados do presente estudo sugerem que a solidão (ou seja, acolhimento em oposição à solidão) pode ajudar a lidar efetivamente com a dor da solidão, pois a solidão impede tentativas de negar a solidão, promovendo sua aceitação como existencial e, às vezes. condição humana inevitável “.

Além disso, pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, sugerem que a meditação da atenção plena pode ser útil nesse contexto, já que “pode ​​reduzir o sentimento subjetivo de solidão pela redução de funções cognitivas mal-adaptativas”.

Então, se você está sozinho e solidão, pode ser uma boa idéia fazer uma xícara de chá, colocar uma música relaxante e aproveitar a oportunidade de fazer amizade com você mesmo antes de tudo.

“Comece a pensar na solidão como algo bom. Abra espaço para isso”, encoraja Turkle em sua palestra no TED, sugerindo que aprender a ser confortável com apenas nós mesmos pode nos ajudar a romper a solidão e melhorar nosso relacionamento com os outros.

Like this post? Please share to your friends: