Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Comer pimentas vermelhas quentes pode nos ajudar a viver mais

Novas pesquisas trazem boas notícias para os amantes de alimentos condimentados, depois de descobrirem que comer pimenta vermelha pode ajudar a prolongar a vida útil.

[Duas pimentas vermelhas]

Um estudo com mais de 16.000 pessoas nos Estados Unidos revelou que os indivíduos que consumiram pimenta vermelha tinham um risco menor de morte por todas as causas em uma média de 18 anos do que aqueles que não comiam o alimento picante.

Os coautores do estudo Mustafa Chopan e Benjamin Littenberg, ambos da Faculdade de Medicina da Universidade de Vermont, recentemente relataram suas descobertas na revista.

Pimentas são os frutos da planta, que pertence à família do nightshade. Existem muitos tipos de pimenta, todos com diferentes níveis de calor.

Em pimentas quentes, como jalapeños, o sabor de fogo vem de um composto chamado capsaicina. Estudos sugeriram que este composto pode oferecer uma riqueza de benefícios para a saúde.

Um estudo recente relatado por, por exemplo, descobriu que a capsaicina pode ter o potencial de parar o câncer de mama, enquanto um estudo anterior ligou o composto a um risco reduzido de câncer colorretal.

De acordo com Chopan e Littenberg, apenas um estudo anterior – publicado em 2015 – investigou como o consumo de alimentos condimentados, como pimenta, pode afetar o risco de morte. Encontrou uma ligação entre o consumo regular desses alimentos e a redução da mortalidade por todas as causas e causas específicas.

O novo estudo apóia esta associação, depois de descobrir que pessoas que comem pimentas vermelhas podem ter uma vida útil mais longa.

Risco de mortalidade por todas as causas 13% menor com consumo de pimenta vermelha

Chopan e Littenberg chegaram aos seus resultados analisando os dados de 16.179 adultos com 18 anos ou mais que participaram do Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição III entre 1988 e 1994.

No ponto de pesquisa, o consumo de pimentas vermelhas durante o mês passado pelos participantes foi avaliado usando um questionário de frequência alimentar.

A mortalidade por causa e causa específica dos participantes foi monitorada durante um período médio de acompanhamento de 18,9 anos usando o National Death Index. Durante o seguimento, ocorreram 4.946 mortes.

Comparado com os participantes que não consumiram pimenta vermelha quente, descobriu-se que aqueles que o fizeram apresentaram um risco 13% menor de mortalidade por todas as causas.

Por causa do número relativamente pequeno de mortes neste estudo, Chopan e Littenberg dizem que seus dados sobre como a ingestão de pimenta vermelha pode afetar causas específicas de morte são limitados.

Ainda assim, os dados disponíveis sugerem que o consumo de pimenta vermelha quente foi mais fortemente associado a um risco reduzido de morte por doenças vasculares, como doenças cardíacas e derrames.

Embora os pesquisadores não sejam capazes de identificar os mecanismos precisos pelos quais as pimentas vermelhas podem prolongar a vida útil, a equipe diz que é provável que caia na capsaicina, que é o canal de potencial receptor de atividade (TRP).

“A ativação do TRP vanilóide tipo 1 (TRPV1) parece estimular os mecanismos celulares contra a obesidade, alterando os mediadores do catabolismo lipídico e da termogênese”, explicam os pesquisadores. “A proteção contra a obesidade leva à diminuição do risco de doenças cardiovasculares, metabólicas e pulmonares”.

“Capsaicina também pode defender contra doenças cardíacas através de uma modulação mediada por TRP do fluxo sanguíneo coronário”, acrescentam.

Nova pesquisa “fortalece a generalização” de descobertas anteriores

No geral, a equipe afirma que essas últimas descobertas apóiam as do estudo de 2015, relacionando a ingestão de alimentos condimentados à redução do risco de morte mostrando “uma redução significativa na mortalidade associada ao consumo de pimenta vermelha quente”.

No entanto, Chopan e Littenberg observam que o estudo anterior foi realizado apenas em adultos chineses, então a nova pesquisa “fortalece a generalização” desses resultados.

A equipe conclui que:

“Dada a natureza observacional de ambas as investigações, a causalidade só pode ser sugerida, não confirmada. Outros estudos devem ter como objetivo investigar os benefícios de outras especiarias e efeitos diferenciais de certos subtipos de pimenta. Tais evidências podem levar a novos insights sobre as relações entre dieta e saúde, recomendações dietéticas atualizadas e o desenvolvimento de novas terapias “.

Aprenda como comer grãos integrais pode aumentar a expectativa de vida.

Like this post? Please share to your friends: