Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Câncer de vulva: tipos, sintomas e muito mais

O câncer vulvar, ou câncer vulvar, é um tipo relativamente raro de câncer que afeta a vulva, os órgãos genitais externos que protegem o sistema reprodutivo de uma mulher.

É mais provável que apareça nos lábios vaginais externos. Os sintomas típicos incluem um nódulo, coceira e sangramento.

O câncer de vulva é responsável por cerca de 0,6% de todos os cânceres em mulheres. A American Cancer Society prevê que em 2017 haverá cerca de 6.020 diagnósticos de câncer vulvar nos Estados Unidos e que 1.150 mulheres morrerão de câncer vulvar.

Fatos rápidos sobre o câncer vulvar

Aqui estão alguns pontos-chave sobre o câncer vulvar. Mais detalhes estão no artigo principal.

  • O câncer de vulva afeta os órgãos genitais externos de uma mulher, mais comumente os lábios externos da vagina.
  • Os sintomas incluem um nódulo, coceira e sangramento, e com alguns tipos de descoloração da pele e dor.
  • O diagnóstico precoce aumenta drasticamente a chance de sucesso do tratamento, mas, sem tratamento, o câncer pode se espalhar para outras partes do corpo.
  • Regularmente comparecer aos testes de esfregaço e verificar se há alterações nos lábios vaginais pode ajudar a diagnosticar o câncer vulvar nos estágios iniciais.
  • Evitar fumar e fazer sexo desprotegido pode reduzir o risco.

Tipos

dor pélvica

A vulva inclui os grandes lábios, o mons púbis, os pequenos lábios, o clitóris, o vestíbulo da vagina, o bulbo do vestíbulo, as glândulas vestibulares maiores e menores e o orifício vaginal.

O câncer vulvar afeta mais comumente os lábios externos da vagina.

Câncer que se origina na vulva é chamado câncer vulvar primário. Se ele começa em outra parte do corpo e se espalha para a vulva, é chamado de câncer vulvar secundário.

Existem vários tipos de câncer vulvar.

O carcinoma de células escamosas afeta as camadas planas e externas da pele. Na medicina, a palavra escamosa refere-se a células planas que parecem escamas de peixe. Cerca de 90% de todos os cânceres vulvares são carcinomas de células escamosas. Demora vários anos para que os sintomas perceptíveis se desenvolvam.

O melanoma vulvar é responsável por cerca de 5% de todos os cânceres vulvares. Um melanoma apresenta-se como uma mancha escura de descoloração. Existe um alto risco deste tipo de câncer se espalhar para outras partes do corpo, um processo conhecido como metástase. Pode afetar mulheres mais jovens.

O adenocarcinoma origina-se no tecido glandular e, neste caso, as células revestem as glândulas na vulva. É responsável por uma proporção muito pequena de cânceres vulvares.

Sarcoma origina no tecido conjuntivo. A maioria dos cânceres desse tipo é maligna. É raro.

O carcinoma verrucoso é um subtipo do câncer de células escamosas e tende a aparecer como uma verruga que cresce lentamente.

A perspectiva é normalmente boa se o diagnóstico acontecer nos estágios iniciais, antes que o câncer se espalhe e se a mulher receber tratamento rápido e apropriado.

sinais e sintomas

O primeiro sinal é geralmente um nódulo ou ulceração, possivelmente com coceira, irritação ou sangramento.

Às vezes, uma mulher não pode procurar ajuda médica de uma só vez devido ao constrangimento, mas um diagnóstico precoce irá melhorar a perspectiva.

Sintomas mais típicos incluem:

  • relação sexual dolorosa
  • sangramento
  • dor e ardor
  • descoloração escura em casos de melanoma
  • dor ao urinar
  • coceira persistente
  • crueza e sensibilidade
  • crescimentos semelhantes a verrugas
  • pele espessada
  • ulceração

Diferentes tipos de câncer vulvar podem apresentar sintomas diferentes e, em alguns casos, pode não haver sintomas perceptíveis. Quaisquer alterações que ocorram devem ser verificadas com um médico.

Causas

O câncer acontece quando o crescimento celular está fora de controle.

A maioria dos cânceres prejudica o corpo quando as células danificadas se dividem descontroladamente para formar nódulos ou massas de tecido ou tumores. Os tumores podem crescer e afetar a função do corpo. Um tumor benigno fica em um lugar e não se espalha, mas um tumor maligno se espalha e causa mais danos.

A malignidade ocorre quando duas coisas acontecem:

  1. Uma célula cancerosa consegue se mover por todo o corpo usando o sangue ou os sistemas linfáticos, destruindo o tecido saudável através de um processo chamado invasão.
  2. A célula se divide e cresce através de um processo chamado angiogênese, fazendo com que novos vasos sanguíneos se alimentem.

Sem tratamento, o câncer pode crescer e se espalhar para outras partes do corpo. Isso é chamado de metástase. Se entrar no sistema linfático, pode atingir outras partes do corpo, incluindo órgãos vitais.

Fatores de risco

Especialistas não sabem exatamente porque as células começam a crescer muito rápido, mas certos fatores de risco aumentam a chance de desenvolver a doença.

Idade: Mais da metade dos casos ocorrem em mulheres com mais de 70 anos e menos de 1 em 5 ocorre antes dos 50 anos de idade.

Vírus do papiloma humano (HPV): As mulheres infectadas pelo HPV têm um risco maior de desenvolver câncer de vulva.

Neoplasia intraepitelial vulvar (NIV): Este é um termo geral para um estado pré-canceroso, no qual certas células do epitélio vulvar apresentam uma gama de carcinomas de baixo grau. Mulheres com NIV têm um risco significativamente maior de desenvolver câncer vulvar.

Líquen escleroso e atrófico (LSA): Isso faz com que a pele fique espessa e coçando, e pode aumentar ligeiramente a suscetibilidade ao câncer vulvar.

Melanoma: Uma história pessoal ou familiar de melanoma em outras partes do corpo aumenta o risco de câncer vulvar.

Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs): mulheres com um nível mais alto de anticorpos contra o vírus herpes simplex tipo 2 parecem ter um risco maior de câncer vulvar.

Tabagismo: estudos sugerem que as mulheres que fumam regularmente têm um risco três a seis vezes maior de câncer vulvar. Se o fumante regular também tiver a infecção pelo HPV, o risco é ainda maior.

Transplante renal: um transplante renal parece aumentar as chances de desenvolver câncer vulvar.Isto pode ser devido ao uso de drogas imunossupressoras. Essas drogas são usadas para o resto da vida de um paciente após um transplante, para impedir que o organismo rejeite o órgão.

Vírus da imunodeficiência humana (HIV): pessoas com HIV ou AIDS são mais suscetíveis à infecção pelo HPV.

Outros fatores de risco incluem lúpus eritematoso sistêmico, também conhecido como LES ou lúpus, com psoríase ou radioterapia para câncer de útero.

Diagnóstico e estadiamento

O médico irá realizar uma avaliação ginecológica, que inclui a verificação da vulva.

Se houver uma ulceração, caroço ou massa que pareça suspeita, é necessária uma biópsia.

O exame deve incluir a área perineal, incluindo as áreas ao redor do clitóris e da uretra. O médico também deve palpar as glândulas de Bartholin. Anestesia pode ser usada.

Dependendo dos resultados da biópsia, pode haver mais testes:

  • Cistoscopia: a bexiga é examinada para determinar se o câncer se espalhou para aquela área.
  • Proctoscopia: o reto é examinado para verificar se o câncer se espalhou para a parede retal.
  • Exames de imagem: estes podem ajudar o médico a determinar se o câncer se espalhou e, em caso afirmativo, para onde. Uma ressonância magnética ou tomografia computadorizada pode ser usada. Raios-X podem ser usados ​​para determinar se o câncer atingiu os pulmões.

Se uma biópsia confirmar a presença de câncer vulvar, o médico irá encená-lo com a ajuda de exames de imagem.

Encenação

Existem diferentes formas de encenar o câncer.

O sistema de quatro estágios é o seguinte:

  • Estágio 0, ou carcinoma in situ: O câncer é apenas na superfície da pele.
  • Estágio 1: O câncer é limitado à vulva ou períneo e tem até 2 centímetros de tamanho.
  • Estágio 2: O mesmo que o estágio 1, mas o tumor tem pelo menos 2 centímetros de tamanho.
  • Estágio 3: O câncer atingiu o tecido próximo, como o ânus ou a vagina, e pode ter atingido os gânglios linfáticos.
  • Estágio 4: O câncer atingiu os nódulos linfáticos em ambos os lados da virilha e pode ter atingido o intestino, a bexiga ou a uretra, a passagem pela qual a urina sai do corpo.

É importante buscar o diagnóstico e tratamento precoces, para prevenir a disseminação do câncer.

Tratamento

Os tipos de tratamento normalmente usados ​​para o câncer vulvar são cirurgia, quimioterapia, radioterapia e terapia biológica.

A cirurgia é a principal maneira de tratar o câncer vulvar. O tratamento visa remover o câncer, deixando a função sexual intacta.

Se o diagnóstico ocorrer nos estágios iniciais do câncer, é necessária uma cirurgia limitada.

Nos estágios posteriores, e se o câncer se espalhou para órgãos próximos, como a uretra, a vagina ou o reto, a cirurgia será mais extensa.

Tipos de cirurgia incluem:

  • Cirurgia a laser: usa um feixe de laser como faca para remover lesões.
  • Excisão: O cirurgião tenta remover todo o câncer e alguns tecidos saudáveis ​​ao redor.
  • Vulvectomia com pele: O cirurgião remove a camada superior da pele, onde o câncer está localizado. Um enxerto de pele de outra parte do corpo pode ser usado para substituir o que foi perdido.
  • Vulvectomia radical: o cirurgião remove toda a vulva, incluindo o clitóris, os lábios vaginais, a abertura para a vagina e, geralmente, os gânglios linfáticos próximos.

A radioterapia pode reduzir lesões profundas ou tumores antes da cirurgia, para que seja mais fácil de remover. Também pode tratar os gânglios linfáticos. Pode ser usado para aliviar sintomas e melhorar a qualidade de vida. Como ele é usado depende do estágio em que o câncer chegou.

A quimioterapia é frequentemente usada com radioterapia como parte dos cuidados paliativos. Pode ser usado na pele, como creme ou loção, mas o método dependerá de quando e até onde o câncer se espalhou.

Cirurgia reconstrutiva pode ser possível, dependendo de quanto tecido é removido. A reconstrução de cirurgia plástica pode envolver retalhos de pele e, às vezes, um enxerto de pele é possível.

A terapia biológica é um tipo de imunoterapia. Utiliza substâncias sintéticas ou naturais para ajudar o corpo a se defender contra o câncer. Imiquimod é um exemplo. Pode ser aplicado topicamente, como um creme, para tratar o câncer vulvar.

Até 24 por cento dos cancros vulvares acabarão por voltar. É importante participar de visitas de acompanhamento.

Prevenção

Medidas que podem reduzir o risco de desenvolver câncer vulvar incluem:

  • praticando sexo seguro
  • comparecer a testes de esfregaço cervical agendados
  • ter a vacina contra o HPV
  • não fume

Não há uma triagem padrão para o câncer de vulva, mas as mulheres devem realizar exames, como seu médico recomenda, e estar ciente de quaisquer alterações no seu corpo. A perspectiva é melhor com o diagnóstico precoce.

Outlook

Se o câncer vulvar é diagnosticado no estágio local, quando ainda está em uma área limitada, a chance relativa de viver por pelo menos 5 anos após o diagnóstico é de 86%.

Se se espalhou para os nódulos linfáticos ou tecidos próximos, o paciente tem 54 por cento de chance de viver por pelo menos 5 anos. Se o diagnóstico acontece quando o câncer já atingiu órgãos mais distantes, a chance de sobreviver pelo menos mais 5 anos é de 16%.

É importante participar de testes regulares de papanicolau e observar mudanças incomuns, pois a descoberta precoce de um câncer aumenta a chance de um bom resultado.

Like this post? Please share to your friends: