Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Câncer de glândula salivar: o que você precisa saber

As glândulas salivares produzem saliva, que mantém a boca úmida e ajuda o corpo na digestão. O câncer de glândula salivar é um câncer raro que começa no tecido de uma dessas glândulas.

Nos Estados Unidos, o câncer da glândula salivar é responsável por menos de 1% de todos os cânceres. Afeta 1 em cada 100.000 pessoas. Estima-se que existam de 2.000 a 2.500 casos por ano nos EUA.

Tratamentos comuns incluem cirurgia, radiação e quimioterapia. Evitar fatores de risco pode ajudar a reduzir a probabilidade de diagnóstico; no entanto, uma causa genética pode desempenhar um papel.

Fatos rápidos sobre o câncer de glândula salivar:

  • É uma forma muito rara de câncer, correspondendo a menos de 1% de todos os cânceres nos EUA.
  • O diagnóstico é tipicamente realizado por exames de imagem e biópsia incisional.
  • As complicações incluem síndrome de Frey e queda facial.

O que é câncer de glândula salivar?

Uma mulher segurando o lado da mandíbula onde as glândulas salivares estão localizadas

A boca contém muitas glândulas salivares, algumas maiores e outras menores. O câncer de glândula salivar ocorre quando uma dessas glândulas desenvolve um tumor cancerígeno. Existem 3 pares de glândulas salivares maiores:

As glândulas parótidas, posicionadas na frente de cada orelha, são as maiores glândulas salivares; eles são os mais propensos a desenvolver um tumor.

As glândulas sublinguais são encontradas debaixo da língua; elas são as menores das glândulas salivares maiores. As glândulas submandibulares estão abaixo da mandíbula.

Existem 450-750 glândulas salivares menores microscópicas ao redor da boca. Locais incluem:

  • os seios
  • a língua
  • dentro das bochechas
  • o nariz
  • a laringe
  • Caixa de voz

Os tumores são menos propensos a ocorrer nessas glândulas menores, mas se um se desenvolver, há uma chance de 50% de que ele seja canceroso ou maligno. Os tumores das glândulas salivares podem ser benignos ou malignos e incluem tumores hematolinfóides, como o linfoma de Hodgkin.

Sintomas

Uma pessoa que tem câncer de glândula salivar pode experimentar:

  • Dificuldade em abrir a boca completamente.
  • Fracos músculos faciais de um lado do rosto.
  • Inchaço ou nódulo ao redor da mandíbula, boca ou pescoço.
  • Diferença notável na forma de um lado do pescoço ou face.
  • Parte do rosto parece entorpecida.
  • A glândula salivar está em constante dor.

Qualquer nódulo indolor que não esteja ligado a uma infecção deve ser investigado.

Causas

Os cânceres de glândulas salivares não foram extensivamente pesquisados, e a causa permanece um mistério. No entanto, uma causa genética é considerada provável. Certos genes, chamados oncogenes, controlam a reprodução celular; outro conjunto de genes controla a destruição celular, estes são conhecidos como genes supressores de tumor. No caso de câncer, um ou ambos os tipos de genes que controlam as células sofreram mutações.

Isso significa que a produção e a destruição corretas das células não ocorrem mais. A exposição a certas substâncias químicas causadoras de câncer, ou carcinogênicas, ou radiação, pode causar mutação genética.

Pesquisas sugerem que uma redução no uso de raios-X para procedimentos odontológicos e outros está associada a uma redução no câncer de glândula salivar.

Fatores de risco

Os seguintes fatores podem aumentar o risco de desenvolver câncer de glândula salivar:

  • A radioterapia para câncer de cabeça e pescoço aumenta o risco de desenvolver câncer de glândula salivar mais tarde.
  • Pacientes mais velhos têm um risco maior, embora o câncer de glândula salivar possa acontecer em qualquer idade.
  • Fatores genéticos podem aumentar o risco.
  • A exposição no local de trabalho a substâncias como pó de liga de níquel e pó de sílica pode ser um fator.

Outros riscos potenciais que estão sendo pesquisados ​​incluem uso de telefone celular, dieta e consumo de tabaco e álcool.

Diagnóstico

Homem, ir, em, um, scanner ct máquina

O médico perguntará ao paciente sobre seu histórico médico e examinará os lados do rosto, a boca e a área ao redor da mandíbula. Se qualquer linfonodo parece estar aumentado, isso pode ser um sinal de câncer.

Fraqueza muscular ou dormência no rosto pode indicar que o câncer se espalhou para os nervos.

Testes de imagem podem ser realizados para determinar a localização e disseminação de qualquer doença. Uma biópsia pode ser usada para levar o tecido para análise. Em uma biópsia incisional, uma pequena incisão é feita e uma parte do tumor é levada para exame.

Dependendo dos achados iniciais, a cirurgia pode ser realizada para remover e testar todo o tumor.

Tratamento

O tratamento para o câncer de saliva, assim como para muitos tipos de câncer, geralmente envolve cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou uma combinação destes.

Cirurgia

A cirurgia é normalmente a principal forma de tratamento do câncer de glândula salivar. Toda a glândula salivar pode precisar ser removida, juntamente com quaisquer nervos e ductos onde o câncer possa ter se espalhado. Se for pequena e de fácil acesso, pode ser necessário apenas remover o tumor e uma pequena quantidade de tecido circundante.

Radiação

A radioterapia direciona partículas de energia de alta potência ou feixes no tumor para retardar ou destruir as células cancerígenas. O tipo mais comum de radioterapia para o câncer de glândula salivar é a radioterapia externa. Ele fornece um nível intenso de radiação.

Os tratamentos são geralmente administrados diariamente, 5 dias por semana, durante até 7 semanas. Os tipos mais recentes de radioterapia que podem ter mais sucesso incluem a radiação hiperfracionada acelerada.

Quimioterapia

A quimioterapia é usada quando o câncer se espalhou para outras partes do corpo. O paciente toma medicação por via oral ou intravenosa para matar as células cancerígenas. Está disponível uma variedade de medicamentos que podem ser usados ​​isoladamente ou em combinação com outros medicamentos, como 5-fluorouracil (5-FU) ou carboplatina.

Complicações

Complicações da cirurgia incluem:

  • reações ao anestésico
  • cicatrização lenta de feridas
  • infecção
  • sangramento excessivo

Danos nos nervos podem fazer com que um dos lados do rosto caia e o paciente pode ter dificuldade em engolir ou falar. A cirurgia reconstrutiva pode ser possível, e um fonoaudiólogo pode ajudar a restaurar algumas das funções perdidas.

A sudorese gustativa, ou Síndrome de Frey, ocorre quando os nervos voltam a crescer de uma maneira incomum, o que pode levar à sudorese em algumas áreas do rosto durante a mastigação. Isso pode ser tratado com mais cirurgia ou medicação. Os efeitos adversos da radioterapia geralmente incluem:

  • queima da pele
  • náusea
  • vômito
  • fadiga

Estes geralmente desaparecem após o tratamento. A radioterapia para câncer de glândula salivar também pode viajar para outras partes da cabeça e do pescoço. Pode haver:

  • Boca seca devido à diminuição da produção de saliva.
  • Feridas na garganta e na boca.
  • Dor de garganta seca e seca.
  • Dificuldade em engolir.
  • Perda total ou parcial do paladar.
  • Dor óssea e danos.
  • Agravamento dos problemas dentários.
  • Danos à glândula tireóide.
  • Toque ou sensação de plenitude nos ouvidos

A quimioterapia mata as células cancerosas, mas também pode afetar algumas células saudáveis, como folículos pilosos e células no revestimento da boca. Efeitos colaterais comuns incluem:

  • Apetite reduzido, náusea e vômito.
  • Baixa contagem de glóbulos brancos e vermelhos, aumentando o risco de infecções e fadiga.
  • Baixa contagem de plaquetas no sangue, de modo que o corpo fica mais facilmente machucado.
  • Perda de cabelo.
  • Aftas.

Após o término do tratamento, o paciente será acompanhado de perto por um médico. É importante participar de todas as consultas de acompanhamento, pois isso pode ajudar a minimizar os efeitos colaterais do tratamento e lidar com qualquer recidiva precoce.

Outlook

O prognóstico depende do estágio em que o câncer é diagnosticado. Os cânceres de glândula salivar no estágio 1 têm uma expectativa de vida de 5 anos de 91% em relação ao normal para o grupo etário de uma pessoa. Isso cai para 39% se o câncer for diagnosticado no estágio 4 (com doença mais avançada).

Prevenção

A prevenção é difícil, uma vez que a causa exata do câncer de glândula salivar é desconhecida. No entanto, uma dieta saudável, exercícios regulares e evitar o consumo de tabaco e álcool podem minimizar o risco. Um artigo sugere que um aumento no consumo de frutas e vegetais, particularmente aqueles ricos em vitamina C, evitando alimentos ricos em colesterol pode ser benéfico.

As pessoas que trabalham em ambientes onde há poeira de liga de níquel, pó de sílica ou substâncias radioativas devem usar proteção adequada.

Like this post? Please share to your friends: