Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Ataque de pânico e transtorno do pânico: o que você precisa saber

Um ataque de pânico acontece por causa da ansiedade aumentada. Qualquer um pode ter um ataque de pânico, mas também é um sintoma característico do transtorno do pânico. Pode levar a batimentos cardíacos acelerados, respiração rápida, sudorese, tremores e outros sintomas.

Em pessoas que não têm um transtorno de ansiedade, um ataque de pânico pode acontecer se um evento provocar ansiedade.

Um ataque de pânico e transtorno do pânico pode afetar qualquer pessoa de origem étnica, mas é mais comum entre mulheres do que homens.

Sintomas

[pânico pode levar a tontura]

Um ataque de pânico geralmente decorre de um gatilho ou incidente direto, mas eles também podem começar repentina e aleatoriamente sem causa óbvia. Acredita-se que eles provenham de uma resposta evolutiva ao perigo.

Ter um ataque de pânico é considerado uma das experiências mais intensamente assustadoras, perturbadoras e desconfortáveis ​​na vida de uma pessoa.

A American Psychological Association (APA), observa que um ataque pode durar apenas 15 segundos, mas os sintomas podem continuar por cerca de 30 minutos ou mais, e às vezes por horas.

De acordo com a Associação Ansiedade e Depressão da América, um ataque de pânico envolve pelo menos quatro dos seguintes sintomas:

  • Dor no peito e desconforto
  • Calafrios ou sensação de calor incomum
  • Derealização ou sentimento de separação
  • Tontura e sensação de tontura
  • Vivenciando um forte e repentino medo de morrer
  • Medo de perder o controle ou sentir como se uma pessoa estivesse “enlouquecendo”
  • Sentimentos de asfixia
  • Palpitações cardíacas, batimentos cardíacos irregulares ou ritmo cardíaco acelerado
  • Náuseas e dores de estômago
  • Dormência ou formigamento
  • Tremendo ou tremendo
  • Suando
  • Dificuldade para respirar, sentindo como se uma pessoa estivesse sufocando

Ataques de pânico também podem ser associados com agorafobia, um medo de lugares dos quais o indivíduo considera perigoso ou difícil de escapar. As pessoas que sofreram um ataque de pânico costumam dizer depois que se sentiram presas.

Às vezes, os sintomas associados a um ataque de pânico podem espelhar outras condições médicas. Exemplos destes incluem distúrbios pulmonares, problemas cardíacos ou problemas da tiróide.

Às vezes, uma pessoa pode procurar atendimento médico de emergência por um ataque cardíaco, mas a ansiedade é a causa verdadeira. Ataques de pânico são altamente tratáveis ​​e não significam que uma pessoa é hipocondríaca ou mentalmente doente.

O que é transtorno do pânico?

Transtorno do pânico é uma condição médica subjacente, e ataques de pânico são um sintoma. De acordo com a Associação Ansiedade e Depressão da América, cerca de 6 milhões de americanos têm um transtorno do pânico.

As mulheres são mais propensas a experimentar a condição e ocorre mais comumente quando uma pessoa no início da idade adulta, de 18 a 25 anos.

A condição ocorre quando uma pessoa experimentou vários ataques de pânico e também vive com medo de ter outro ataque de pânico. Enquanto todos podem experimentar um ataque de pânico durante a sua vida, aqueles com um transtorno do pânico experimentam ataques recorrentes.

O medo que eles podem experimentar outro ataque pode levá-los a se afastar de amigos e familiares. Eles podem temer sair de casa ou em lugares públicos. Um transtorno de pânico pode afetar gravemente a qualidade de vida de uma pessoa e deve ser tratado.

Causas

Os especialistas dizem que a ansiedade e o pânico, em certa medida, são uma parte necessária da nossa sobrevivência. No entanto, quando os níveis se tornam tão altos que minam os processos de pensamento regulares, a pessoa naturalmente fica com medo.

Quando o cérebro recebe uma onda de sinais nervosos projetados para avisar do perigo iminente, a amígdala, uma parte do cérebro, é ativada. A amígdala controla a resposta ansiosa de uma pessoa.

A amígdala de algumas pessoas reage com ansiedade quando não há perigo iminente, tornando muito mais provável que elas experimentem ansiedade alta e ataques de pânico.

Quando uma pessoa recebe o sinal para reagir com ansiedade, ela produz adrenalina, também conhecida como epinefrina.

A adrenalina é liberada pelas glândulas supra-renais. Algumas pessoas chamam a adrenalina do hormônio “susto ou fuga”. A liberação de adrenalina no sistema pode elevar o batimento cardíaco, causar sudorese, agitar o estômago e provocar respiração irregular. Estas são todas as características de um ataque de pânico.

Se não houver perigo iminente e o sistema estiver carregado de adrenalina, esse hormônio não será usado para fugir. O acúmulo pode causar um ataque de pânico.

Um número de fatores de risco pode aumentar a probabilidade de uma pessoa ter ataques de pânico e transtorno do pânico.

Genética pode desempenhar um papel. Se uma pessoa tem um familiar próximo, como um pai ou irmão, com transtorno de pânico, eles podem ser mais propensos a ter um ataque de pânico.

Além da história familiar, a experiência de grande estresse ou mudança de vida pode desencadear aumento da ansiedade e ataques de pânico.

Exemplos incluem a perda recente de um ente querido ou a separação do casamento. Ter um histórico de abuso físico ou sexual também pode aumentar a probabilidade de uma pessoa ter um transtorno do pânico.

Hábitos como fumar ou beber quantidades excessivas de cafeína também são fatores de risco associados ao transtorno do pânico. Uso de drogas?

Ataques de pânico também podem ocorrer ao lado de condições como transtorno de ansiedade generalizada (GAD), transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Às vezes, porém, parece não haver nenhum incidente particular ou histórico familiar para desencadear um ataque. Eles podem ocorrer sem aviso.

Diagnóstico

A APA publica o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). O manual lista critérios para ajudar um médico a diagnosticar distúrbios mentais, como depressão ou transtorno do pânico, e tem como objetivo fornecer um padrão para o diagnóstico em todo o país.

[ataque de pânico]

Os critérios para diagnosticar um transtorno do pânico incluem:

  • Vivenciando ataques de pânico frequentes e inesperados
  • Ter pelo menos um mês de medo constante de ter um ataque de pânico e seus sintomas acompanhantes, como perder o controle. Uma pessoa pode mudar significativamente o seu comportamento por medo de ter um ataque de pânico em público
  • Ter ataques de pânico que não são atribuíveis a tomar certos medicamentos ou ter outro distúrbio de saúde mental, como fobia social

Uma pessoa que tem esses sintomas é susceptível de ter um transtorno do pânico.

Tratamento

Os tratamentos mais comuns para o transtorno de pânico são medicações e sessões de psicoterapia.

Conhecida como “terapia da fala”, a psicoterapia envolve falar com um profissional de saúde mental licenciado para identificar potenciais desencadeadores de um ataque de pânico com o objetivo de superar os medos.

Medicamentos também podem ajudar a corrigir desequilíbrios nos neurotransmissores no cérebro que podem levar a ansiedade severa.

Exemplos incluem:

  • Benzodiazepínicos, como alprazolam (Xanax) ou clonazepam (Klonopin)
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), como fluoxetina (Prozac), paroxetina (Paxil) ou sertralina (Zoloft)
  • Inibidores de recaptação de serotonina e norepinefrina (SNRIs), como cloridrato (Effexor XR)

Às vezes, um medicamento funciona para uma pessoa com transtorno de ansiedade, mas não outro. Uma pessoa deve sempre discutir benefícios potenciais e efeitos colaterais.

Um médico também pode prescrever medicamentos conhecidos como betabloqueadores, que impedem que o ritmo cardíaco de uma pessoa se torne muito rápido e contribuam para aumentar a ansiedade, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH).

Prevenção

Além desses tratamentos médicos para transtorno do pânico, algumas mudanças no estilo de vida podem ajudar a pessoa a reduzir a incidência de ataques de pânico e transtorno do pânico.

Exemplos incluem:

  • Evitar substâncias que contribuem para distúrbios de pânico, incluindo cafeína, fumo ou uso de drogas recreativas
  • Dormir o suficiente toda noite
  • Juntando-se a um grupo de apoio para aqueles que experimentam ataques de pânico regulares
  • Tomar medidas para reduzir o estresse em sua vida, como praticar yoga, praticar respiração profunda ou praticar atividade física regular

Complicações

Se não for tratada, um transtorno do pânico pode começar a afetar muitos aspectos da vida de uma pessoa.

As complicações podem incluir:

  • Abuso de álcool ou outras substâncias como forma de “escapar” das preocupações da vida cotidiana
  • Fobias em desenvolvimento, como agorafobia
  • Experimentando problemas financeiros
  • Maior risco de pensamentos suicidas
  • Abster-se de situações sociais
  • Necessitando cuidados médicos frequentes devido a preocupações com a saúde

Buscando tratamento médico para transtorno do pânico pode ajudar a prevenir essas complicações.

Escrito por Rachel Nall RN, BSN, CCRN

Like this post? Please share to your friends: