Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

ALS: A maioria dos fisicamente ativos tem 26% maior risco

Um novo estudo revela evidências de uma ligação entre a atividade física e esclerose lateral amiotrófica, o que apoia a ideia de que uma história de exercício vigoroso pode aumentar o risco de desenvolver o distúrbio neurológico raro.

homem se preparando para correr

A pesquisa, conduzida por membros de um grande projeto europeu que estuda esclerose lateral amiotrófica (ELA), estudou indivíduos na Irlanda, Itália e Holanda.

Os resultados são relatados em um documento que agora é publicado no.

É importante notar que em nenhum lugar do trabalho os autores sugerem que o estudo defenda a redução da atividade física, ou exercício vigoroso em particular.

Em vez disso, eles observam que a atividade física tem demonstrado proteger contra problemas de saúde que são muito mais comuns do que a ELA, incluindo diabetes, vários tipos de câncer e doenças cardiovasculares.

“Diminuir o risco dessas condições comuns”, os autores propõem, “pode ​​ser um trade-off com o aumento do risco de uma doença relativamente rara, como a ELA”.

ALS e possíveis causas

A ELA, também conhecida como doença de Lou Gehrig, ataca principalmente as células nervosas motoras, ou neurônios, que regulam os músculos por trás de movimentos voluntários, como andar, falar e mastigar.

A doença rara afeta cerca de 14.000 a 15.000 pessoas nos Estados Unidos. Começa como rigidez e fraqueza nos músculos, mas a ALS avança gradualmente até o ponto em que o cérebro não consegue mais controlar o movimento voluntário e os indivíduos perdem a capacidade de comer, falar, mover-se e, eventualmente, respirar.

A causa exata da ELA, e por que ela afeta alguns grupos de pessoas mais do que outras, ainda é desconhecida. No entanto, as evidências sugerem que tanto os genes quanto o meio ambiente estão envolvidos.

Vários genes têm sido associados à ELA, com estudos indicando que eles influenciam o risco de doença de diferentes maneiras – desde a interrupção da estrutura e função celular até o aumento da suscetibilidade a fatores ambientais.

Estudos sobre o efeito do ambiente no risco de ELA sugeriram que a exposição a produtos químicos tóxicos, dieta, infecções por vírus, trauma físico, atividade extenuante e outros fatores podem estar envolvidos.

A ligação com a atividade física surgiu a partir de alguns pequenos estudos de casos particulares, sendo o mais famoso o do célebre jogador de beisebol norte-americano Lou Gehrig, motivo pelo qual a doença também leva seu nome.

Mas a evidência que liga a atividade física à ELA tem sido inconclusiva, e os autores do novo artigo sugerem que a principal razão para isso é que os estudos foram estabelecidos de forma diferente e usam métodos diferentes.

Pesquisadores calcularam os escores MET de tempo de vida

Para a investigação da relação entre atividade física e ALS, os cientistas analisaram dados sobre os indivíduos que foram recrutados para um “estudo de caso-controle” que foi conduzido pelo projeto EURO-MOTOR.

Este projeto está compilando um “modelo de ALS computacional robusto e validado” gerando “conjuntos de dados quantitativos em larga escala”.

Os dados vieram de questionários validados preenchidos por 1.557 adultos que tinham acabado de ser diagnosticados com ELA, e 2.922 indivíduos pareados sem a doença. Os participantes, que moravam na Irlanda, na Itália e na Holanda, eram pareados por idade, sexo e local de residência e tinham 60 anos.

As respostas continham informações detalhadas sobre: ​​nível de escolaridade; tabagismo, álcool e outros hábitos de vida; Histórico de trabalho; e seus níveis de atividade física ao longo da vida no trabalho e no lazer.

A equipe converteu os dados de atividade física em “equivalente metabólico de pontuação da tarefa [MET]”, que permite que as calorias consumidas sejam expressas como uma proporção da quantidade que é queimada quando se está apenas descansando.

Usando dados que cada participante dava sobre a quantidade de tempo por semana gasto em cada atividade e quantos anos a atividade durou, e referindo-se a um compêndio que fornece pontuações do MET para diferentes atividades, os cientistas calcularam uma pontuação de tempo de atividade física para cada atividade. pessoa.

METs mais elevados ao longo da vida associados a um maior risco de ELA

A análise para o conjunto completo de casos mostrou que a atividade física ao longo da vida durante o horário de trabalho foi associada a um aumento de 7% no risco de ELA, e 6% aumentaram o risco de atividade física no lazer.

A combinação de todas as atividades físicas no local de trabalho e no lazer resultou em um aumento geral no risco de 6%. Esta ligação foi particularmente marcada nos sujeitos que viviam na Irlanda e na Itália.

A utilização do risco global aumentado de 6% para todas as atividades se traduz em um risco 26% maior de desenvolver ELA nos indivíduos que tiveram os maiores escores de tempo de vida útil em comparação com aqueles que tiveram os mais baixos.

Os pesquisadores também descobriram que o risco de ELA subiu de acordo com o aumento dos escores de MET ao longo da vida, o que apoia a ideia de que a ELA é mais comum em atletas e esportistas profissionais.

Os autores apontam que, devido à natureza observacional de seu estudo, suas descobertas não provam que a atividade física vigorosa realmente causa a ELA. Outros fatores, como um distúrbio metabólico ou energético, ou mesmo trauma ou dieta, “não podem ser descartados”.

‘Não há respostas simples’

Em um editorial vinculado ao estudo, o professor Michael Swash, do Royal London Hospital, no Reino Unido, afirma que “não há respostas simples” para perguntas sobre como fatores ambientais, como a atividade física, podem afetar o desenvolvimento da ELA.

Ele levanta a questão de saber se a atividade física pode ou não aumentar o risco de ELA através da “excitotoxicidade do sistema nervoso central”.

A excitotoxicidade é um tipo de morte de células nervosas que foi observado em indivíduos com ELA.Ocorre quando o mensageiro químico, ou neurotransmissor, o glutamato estimula os neurônios.

Mas o Prof. Swash adverte que, embora possa ser “tentador” imaginar que a atividade física aumenta o risco de ELA através da excitotoxicidade do sistema nervoso central em indivíduos suscetíveis, “qualquer sugestão desse tipo é, no momento, puramente hipotética”.

“No entanto, os dados são intrigantes e merecem uma investigação mais detalhada caso a caso.”

Prof. Michael Swash

Like this post? Please share to your friends: