Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Além da cárie dentária: por que a boa higiene dental é importante

A maioria de nós está ciente de que a má higiene dental pode levar à cárie dentária, doença da gengiva e mau hálito – mas não escovar os dentes também pode ter consequências para doenças mais graves.

Neste destaque, para coincidir com o Mês Nacional de Higiene Dental, nós espiamos sob a placa para investigar quais outras – talvez inesperadas – condições de saúde são afetadas pela má saúde dentária.

doença de Alzheimer

Em 2010, pesquisadores da Universidade de Nova York (NYU) concluíram que existe uma ligação entre a inflamação da gengiva e a doença de Alzheimer, após revisar 20 anos de dados sobre a associação.

escova de dentes com creme dental

No entanto, o número de participantes no estudo da NYU foi relativamente pequeno. Os investigadores analisaram dados de 152 indivíduos inscritos no Glostrop Aging Study – um estudo que analisou a saúde psicológica, médica e oral em homens e mulheres dinamarqueses. O estudo durou um período de 20 anos e terminou em 1984, quando os participantes tinham mais de 70 anos.

Comparando a função cognitiva nas idades de 50 e 70 anos, a equipe da NYU descobriu que a doença da gengiva aos 70 anos de idade estava fortemente associada a baixos escores de função cognitiva.

Os participantes do estudo foram nove vezes mais propensos a ter uma pontuação na faixa inferior do teste cognitivo – o “teste do símbolo de dígitos” (DST) – se tivessem inflamação das gengivas.

Embora este estudo tenha levado em consideração fatores potencialmente confundidores como obesidade, tabagismo e perda de dentes não relacionados à inflamação da gengiva, ainda havia uma forte associação entre baixa pontuação no DST e inflamação da gengiva.

Em 2013, pesquisadores britânicos da University of Central Lancashire (UCLan) basearam-se nos resultados deste estudo, comparando amostras de cérebro de 10 pacientes vivos com Alzheimer com 10 amostras de cérebro de pessoas que não tinham a doença.

A análise mostrou que uma bactéria estava presente nas amostras de cérebro de Alzheimer, mas não nas amostras de cérebros de pessoas que não tinham Alzheimer. O interessante foi que geralmente está associada à doença gengival crônica.

A equipe acompanhou esta pesquisa em 2014 com um novo estudo com camundongos, cujos resultados foram publicados no. conversou com o co-autor Dr. Sim K. Singhrao sobre os resultados.

O Dr. Singhrao diz que há evidência científica suficiente para mostrar que duas das três bactérias causadoras da doença das gengivas são capazes de se movimentar (ou “móveis”) e foram consistentemente encontradas no tecido cerebral.

“Essas bactérias móveis podem deixar a boca e entrar no cérebro através de duas rotas principais”, explica ele. “Eles podem usar sua capacidade de movimento para entrar diretamente no cérebro. Um dos caminhos tomados é rastejar os nervos que conectam o cérebro e as raízes dos dentes. O outro caminho é a entrada indireta no cérebro através do sistema de circulação sanguínea.”

Em um paciente que tem sangramento nas gengivas, diz o Dr. Singharo, as bactérias causadoras da doença da gengiva entrarão na corrente sanguínea toda vez que limparem a boca e até mesmo quando comerem alimentos.

Ele continua:

“é particularmente interessante, pois encontrou maneiras de pegar uma carona de células vermelhas do sangue quando na corrente sanguínea e em vez de ficar ‘fora do ônibus da célula vermelha’ no baço, eles optam por descer no cérebro em uma área onde não há pontos de checagem imunológica. A partir daí, eles se espalham para o cérebro à vontade. Além disso, em indivíduos mais velhos, os vasos sangüíneos tendem a aumentar e a se tornarem vazados. “

“O trabalho publicado confirmado colocado na boca dos ratos encontra o seu caminho para o cérebro, uma vez que a doença gengival se estabelece em primeiro lugar”, conclui o Dr. Singhrao. “Além disso, nossa hipótese é reforçada pelos resultados recentes que demonstram que as substâncias químicas liberadas pelo sistema imunológico do cérebro em resposta a atingir o cérebro ‘inadvertidamente’ danificam os neurônios funcionais na área do cérebro relacionados à memória.”

Câncer de pâncreas

Uma equipe de pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, em Boston, MA, foi a primeira a relatar fortes evidências sobre uma ligação entre a doença gengival e o câncer de pâncreas, em 2007.

ilustração mostrando a localização do pâncreas

O tipo de inflamação da gengiva associada ao câncer de pâncreas no estudo foi a periodontite, que afeta o tecido que suporta os dentes e pode causar perda de osso ao redor da base dos dentes.

O outro tipo principal de doença de goma – gengivite; onde o tecido ao redor dos dentes se torna inflamado – não estava ligado ao aumento do risco de câncer. No entanto, a gengivite pode levar à periodontite se persistente. A gengivite ocorre quando bactérias na placa ao redor da base dos dentes se acumulam devido à má higiene dental.

Examinando dados sobre a doença da gengiva do Estudo de Acompanhamento de Profissionais de Saúde, que envolveu uma coorte de mais de 51.000 homens e começou a coletar dados em 1986, os pesquisadores de Harvard descobriram que homens com histórico de doença gengival tinham um risco aumentado de 64% de pancreático. câncer comparado com homens que nunca tiveram doença gengival.

O maior risco de câncer de pâncreas nesse grupo foi em homens com perda recente de dentes. No entanto, o estudo foi incapaz de encontrar ligações entre outros tipos de problemas de saúde bucal – como cárie dentária – e câncer de pâncreas.

Os pesquisadores sugerem que pode haver uma ligação entre altos níveis de compostos carcinogênicos encontrados na boca de pessoas com doenças da gengiva e risco de câncer de pâncreas. Eles argumentam que esses compostos – chamados nitrosaminas – podem reagir aos produtos químicos digestivos no intestino de forma a criar um ambiente favorável ao desenvolvimento do câncer de pâncreas.

No entanto, um estudo de acompanhamento da equipe em 2012 foi incapaz de provar se as bactérias da periodontite são uma causa ou resultado de câncer de pâncreas – o estudo só poderia provar que os dois estavam ligados.

“Este não é um fator de risco estabelecido”, admitiu o autor Dominique Michaud.”Mas me sinto mais confiante de que algo está acontecendo. É algo que precisamos entender melhor.”

Doença cardíaca

Talvez mais bem estabelecida seja a associação entre higiene dental e doença cardíaca.

close-up da boca

Em 2008, relatou pesquisas de equipes conjuntas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, e do Royal College of Surgeons, em Dublin, na Irlanda, que descobriram que pessoas com sangramento nas gengivas devido à má higiene dental poderiam estar aumentando o risco de doenças cardíacas.

Os pesquisadores descobriram que o risco de doença cardíaca aumenta porque – em pessoas que têm sangramento nas gengivas – bactérias da boca são capazes de entrar na corrente sanguínea e aderir às plaquetas, que podem formar coágulos sanguíneos, interrompendo o fluxo de sangue para o coração e desencadeando um ataque cardíaco.

“A boca é provavelmente o lugar mais sujo do corpo humano”, disse o Dr. Steve Kerrigan, do Royal College of Surgeons, explicando que existem até 700 tipos diferentes de bactérias coexistindo em nossas bocas.

O Prof. Howard Jenkinson, da Universidade de Bristol, acrescentou:

“A doença cardiovascular é atualmente a maior causa de morte no mundo ocidental. As bactérias orais são agentes infecciosos comuns, e agora reconhecemos que as infecções bacterianas são um fator de risco independente para doenças cardíacas”.

Os pesquisadores da Universidade de Bristol investigaram como as bactérias interagem com as plaquetas, imitando a pressão dentro dos vasos sanguíneos e do coração. A equipe do Prof. Jenkinson descobriu que as bactérias usam as plaquetas como um mecanismo de defesa.

Agrupando as plaquetas, as bactérias conseguem se cercar completamente. Essa armadura plaquetária protege as bactérias contra o ataque das células do sistema imunológico e as torna menos detectáveis ​​aos antibióticos.

Embora algumas das associações que analisamos neste destaque ainda estejam sob investigação, a boa higiene dental continua sendo importante para diminuir o risco de uma variedade de condições.

A Associação Americana de Higienistas Dentais (ADHA) recomenda que devemos escovar por 2 minutos, duas vezes ao dia. As diretrizes do ADHA também enfatizam a importância do uso do fio dental diariamente e enxágue com enxaguatório bucal. Você pode ler as recomendações completas no site do ADHA.

Like this post? Please share to your friends: