Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Ablação por cateter para A-fib: o que esperar

A ablação por cateter para fibrilação atrial é um procedimento que envolve o uso de energia de radiofreqüência para destruir áreas do tecido cardíaco que estão causando a batida do coração com um ritmo irregular.

Ao destruir o tecido, os sinais elétricos que faziam o coração bater irregularmente devem agora percorrer o tecido que gera apenas um batimento cardíaco regular.

A ablação por cateter também é usada para tratar outros ritmos cardíacos irregulares ou prejudiciais, incluindo o flutter atrial. Um cardiologista especializado na atividade elétrica do coração realiza o procedimento.

O que acontece?

O procedimento ocorre em um laboratório semelhante a uma sala de cirurgia, mas com equipamento especial. Isso inclui telas e tecnologia de imagens que permitem ao médico visualizar o coração em tempo real.

[médico e paciente em um laboratório de cateterismo]

Uma pessoa receberá medicamentos através de uma linha em uma veia. Alguns estarão dormindo com um tubo de respiração e outros estarão respirando por conta própria. A abordagem depende da saúde geral da pessoa.

O médico fará pequenos cortes na virilha e enfiar fios especiais (fios de cateter) no coração para sentir sua atividade elétrica e criar um “mapa”. Este mapa direciona o médico para áreas do coração que estão hiperativas e potencialmente causando A-fib.

Uma vez que o mapa tenha identificado as áreas para tratamento, o médico guiará os fios do cateter até onde a ablação é necessária. Em seguida, o cateter fornece altos níveis de energia para cicatrizar a área. O ritmo cardíaco de uma pessoa deve então retornar ao normal.

O procedimento geralmente leva de 2-4 horas. Depois disso, os cateteres e o tubo respiratório são removidos e a pressão é mantida nos locais da ferida.

O paciente pode ter que ficar deitado por algumas horas e limitar o movimento das pernas para reduzir o risco de sangramento nos locais da ferida.

A maioria das pessoas recebe alta no mesmo dia, mas elas não devem tentar dirigir por causa da medicação que receberam.

Tipos de ablação

Estima-se que 90 por cento dos pacientes com A-fib paroxística, que é A-fib que não é constante, têm sintomas que começam como resultado de defeitos na região da veia pulmonar.

A veia pulmonar transporta sangue rico em oxigênio para a câmara superior esquerda do coração antes que o sangue seja bombeado para o resto do corpo. Mais comumente, um médico cicatrizará esta parte superior do coração para evitar que os sinais que estão causando a fibrofibia sejam enviados.

Às vezes, as áreas problemáticas podem se espalhar para outras seções das câmaras cardíacas superiores. Então a ablação por A-fib é mais difícil e menos provável de ser bem-sucedida.

Outro tipo de ablação é a ablação do nó AV com marcapasso. Os marcapassos são dispositivos que ajudam o coração a manter um ritmo regular.

Este procedimento é usado quando a fibrofibra de uma pessoa não é controlável com medicamentos ou ablações em outras partes do coração.

Ao destruir o nó AV e inserir um marcapasso, o coração pode retornar ao ritmo normal sem sinais irregulares para interromper o batimento cardíaco normal.

Quem é a ablação por cateter para?

[mãos segurando água e comprimidos]

Como a ablação por cateter é um procedimento invasivo, os médicos geralmente não recomendam o tratamento como primeiro tratamento para a fibroblasto.

Na maioria das vezes, uma pessoa deve atender a certos critérios antes que uma ablação seja recomendada. Exemplos incluem quando:

  • eles tomaram medicamentos antiarrítmicos, mas sua A-fib continua
  • eles não podem tolerar os efeitos colaterais da medicação antiarrítmica
  • sua condição está diminuindo, e eles têm sintomas de insuficiência cardíaca, ou uma redução em quanto sangue o coração bombeia

Atletas às vezes experimentam A-fib devido às demandas extras em seus corações. Quando este é o caso, um médico pode recomendar uma ablação como primeiro tratamento.

Um médico não recomendará a ablação porque o paciente não deseja mais tomar anticoagulantes para reduzir o risco de coágulos sanguíneos. Como uma ablação é um procedimento invasivo, os riscos podem, às vezes, superar os benefícios. É por isso que o caso é feito para tomar anticoagulantes em vez de ter um procedimento de ablação na maioria das vezes.

Benefícios e riscos

A-fib aumenta o risco de acidente vascular cerebral ou outras condições relacionadas ao coágulo sanguíneo. Também pode afetar a qualidade de vida de uma pessoa e os níveis gerais de atividade. A-fib irá piorar se não tratada, e pode levar à insuficiência cardíaca. Tratá-lo o mais cedo possível pode retardar ou possivelmente impedir que piore.

Ao corrigir a causa subjacente com a ablação por A-fib, uma pessoa pode viver a vida sem se preocupar com as palpitações do coração ou a falta de ar que ocorrem.

Com qualquer procedimento, no entanto, existem alguns riscos. O mais importante é que um médico pode danificar um vaso sanguíneo ao inserir, remover ou mover os cateteres. Outros órgãos ou estruturas que estão por perto, como o tubo de comida, também podem ser afetados.

A infecção no local de entrada é outra possibilidade ou uma pessoa pode ter uma reação adversa aos medicamentos que os colocam no sono. Mesmo assim, a ablação por A-fib é um procedimento de “baixo risco”, de acordo com a American Heart Association.

Como se preparar para uma ablação por cateter

Antes de uma ablação por cateter, um médico pode realizar vários tipos de testes cardíacos para medir a saúde geral do coração. Esses testes podem ajudar a determinar a probabilidade de sucesso de uma ablação e mostrar ao médico onde realizar o procedimento.

[médico tirando sangue do braço de um paciente]

Exemplos desses testes incluem:

  • Teste de sangue, para determinar se o sangue de uma pessoa está em um nível terapêutico.
  • Tomografia computadorizada (TC), onde uma varredura mostra ao médico o coração e suas estruturas e identifica anormalidades.
  • Eletrocardiograma, que mede a atividade elétrica e o ritmo do coração.
  • Holter monitor testando, onde uma pessoa usa um monitor que detecta e registra os ritmos do coração.
  • Ecocardiograma transtorácico, envolvendo um teste não invasivo que estima o funcionamento das válvulas cardíacas e a quantidade de sangue bombeado para o corpo.
  • Ecocardiograma transesofágico, que envolve colocar uma sonda pela garganta para visualizar mais de perto as cavidades do coração.

Os médicos darão aos pacientes uma lista de coisas para fazer no dia anterior ao procedimento, como não comer ou beber depois da meia-noite. Eles podem pedir que usem um sabonete especial que ajuda a matar germes e reduz o risco de infecção.

Um médico também dirá a uma pessoa quais medicamentos devem tomar ou, em alguns casos, não tomar antes da ablação.

Recuperação e perspectiva

Depois de uma ablação por A-fib, muitas pessoas voltam para casa no mesmo dia. Um médico geralmente aconselha contra exercícios pesados ​​e exercícios extenuantes por cerca de 3 dias. Os pacientes geralmente podem retomar suas atividades regulares, como voltar ao trabalho, no dia seguinte à ablação por A-fib.

Um paciente deve procurar atendimento médico de emergência se tiver os seguintes sintomas:

  • inchaço no local de entrada que está aumentando rapidamente
  • dor no peito que irradia para o braço, pescoço ou mandíbula
  • um pé fica dormente, frio ou tingido de azul
  • o coração começa a bater muito rápido ou irregularmente
  • a respiração é difícil e a pessoa fica com falta de ar

As ablações A-fib nem sempre são bem sucedidas. Em um estudo, a taxa de sucesso foi de 73,6 por cento e algumas pessoas continuaram usando drogas antiarrítmicas ou outras para evitar que a A-fib retornasse.

Além disso, uma ablação A-fib só pode funcionar por um curto período de tempo. Um procedimento de repetição pode ser realizado para permitir que o médico encontre quaisquer áreas remanescentes que estejam transmitindo sinais elétricos defeituosos.

Se a ablação por A-fib não for bem sucedida, existem outros procedimentos invasivos disponíveis. No entanto, estes geralmente acarretam riscos adicionais. À medida que as técnicas de ablação A-fib melhoram, o procedimento provavelmente será mais eficaz em ajudar as pessoas a retornar seus ritmos cardíacos ao normal.

Like this post? Please share to your friends: