Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Você deve alimentar um resfriado e passar fome? Estudo investiga

“Alimente um resfriado, passe fome”, diz o velho ditado e, de acordo com um novo estudo, ele pode ter alguma verdade. Os pesquisadores descobriram que os ratos com uma infecção bacteriana morreram depois de serem alimentados, enquanto os ratos com uma infecção viral sobreviveram depois de comer.

[Uma mulher doente na cama comendo sopa]

Ruslan Medzhitov, autor sênior – David W. Wallace, professor de imunobiologia e investigador do Instituto Médico Howard Hughes na Escola de Medicina de Yale, em New Haven, CT – e sua equipe relatam suas descobertas na revista.

De acordo com Medzhitov, a maior parte do nosso conhecimento sobre infecções bacterianas e virais deriva de estudos que investigaram como o sistema imunológico responde a patógenos e como ele funciona para erradicá-los.

“Mas essa não é a única maneira de nos defendermos”, observa ele. “Há também casos em que nos mudamos e nos adaptamos para que os micróbios não causem danos”.

No caso deste último estudo, a equipe descobriu que a ingestão de alimentos durante a infecção pode influenciar a capacidade do sistema imunológico de combater patógenos, dependendo se a infecção é bacteriana ou viral e que tipo de alimentos são consumidos.

“Ficamos surpresos com a profundidade dos efeitos da alimentação, tanto positivos quanto negativos”, diz Medzhitov. “Nossos resultados mostram que ele tem um forte efeito protetor com certas infecções, mas não com outras”.

Glicose fatal para ratos com infecção bacteriana

Os pesquisadores chegaram às suas descobertas conduzindo uma série de experimentos com camundongos, nos quais alimentavam ou matavam ratos que haviam sido infectados com bactérias ou vírus.

Em primeiro lugar, a equipe infectou camundongos com – uma bactéria conhecida por causar intoxicação alimentar.

Como esperado, os ratos pararam de comer – uma ocorrência comum com intoxicação alimentar – e, eventualmente, fizeram uma recuperação completa. No entanto, quando os camundongos infectados foram alimentados à força, eles morreram.

Em uma investigação mais aprofundada sobre os efeitos de cada componente alimentar, a equipe descobriu que a glicose era fatal para os ratos alimentados à força; proteínas e gorduras parecem não ter efeito.

Além disso, ao administrar o químico 2-DG – que inibe o metabolismo da glicose – a camundongos infectados forçados, a glicose não se mostrou mais fatal.

Em outro experimento, a equipe infectou ratos com o vírus da gripe A / WSN / 33.

Ao contrário dos resultados do experimento anterior, a equipe descobriu que a alimentação forçada dos ratos com glicose levou à sua sobrevivência, mas os roedores morreram quando receberam 2-DG ou foram privados de glicose.

Ao analisar as imagens cerebrais dos camundongos que morreram de infecções bacterianas ou virais, a equipe descobriu que cada infecção afetava diferentes regiões do cérebro.

Os pesquisadores dizem que isso sugere que as exigências metabólicas dos camundongos podem ser determinadas por quais partes do sistema imunológico estão ativadas.

“Nosso estudo manipulou a capacidade desses ratos tolerarem e sobreviverem à infecção sem fazer nada que tenha um efeito sobre os próprios patógenos”, explica Medzhitov.

Os resultados podem ser benéficos para a pesquisa sobre sepse

Os pesquisadores estão agora investigando como as mudanças nos padrões de sono afetam a capacidade do sistema imunológico de evitar a infecção.

Eles também planejam conduzir estudos de acompanhamento, que investigarão quais caminhos desempenham um papel nas preferências alimentares, na tentativa de explicar o desejo de comida que as pessoas têm quando estão doentes.

Enquanto isso, Medzhitov e seus colegas acreditam que suas descobertas atuais podem ter importantes implicações para a pesquisa da sepse – uma infecção sangüínea potencialmente fatal.

“Sepse é um problema crítico em UTIs hospitalares que desafia a maioria das abordagens médicas modernas”, diz Medzhitov.

“Vários estudos analisaram a nutrição em pacientes com sepse, e os resultados foram mistos. Mas esses estudos não separaram os pacientes com base em se sua sepse era bacteriana ou viral. A implicação é que os pacientes devem ser estratificados pela causa de sua sepse, e ensaios devem ser concebidos com base nisso. “

Leia sobre como a introdução de medidas simples em hospitais na Noruega reduziu as mortes por septicemia em 40%.

Like this post? Please share to your friends: