Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Vida hacks: Lidando com depressão pós-parto

Tornar-se pai desencadeia uma série de emoções, da alegria e excitação à ansiedade e ao medo. Baby blues são bastante comuns entre as novas mães, mas como você lida com a depressão pós-parto, um transtorno do humor grave e duradouro?

Mulher, com, depressão pós-parto, segurando bebê

A depressão pós-parto afeta cerca de 1 em cada 7 mulheres. Pode ter um efeito adverso no bem-estar da mãe e da criança, mas 1 em cada 5 mulheres ficam quietas sobre seus sintomas e, portanto, permanecem sem tratamento.

Ao contrário do baby blues, a depressão pós-parto raramente desaparece sozinha. A condição pode ocorrer dias ou mesmo meses após o nascimento do seu filho e durar várias semanas ou meses sem tratamento.

Se você está pensando em ferir você ou seu bebê, coloque seu bebê no berço imediatamente e chame um membro da família, amigo ou uma das seguintes linhas de ajuda: 1-800-SUICIDE (1-800-784-2433); 1-800-273-TALK (1-800-273-8255); ou 1-800-PPD-MOMS (1-800-773-6667).

A depressão pós-parto é um distúrbio psicológico tratável. Pode ser gerenciado de forma eficaz e você se sentirá melhor. Mas antes de mais nada, é importante entrar em contato com seu médico e pedir ajuda.

Não lute apenas com a depressão pós-parto. Não é sua culpa que você está deprimido, e estar deprimido não faz de você um pai ruim.

Aqui estão os passos para lidar com a depressão pós-parto, para serem usados ​​em conjunto com orientação e aconselhamento do seu médico.

1. Construa um vínculo seguro com seu bebê

Ligação emocional é o apego seguro que se forma entre pais e filhos. O vínculo bem-sucedido permite que a criança se sinta segura o suficiente para se desenvolver plenamente, e ter esse vínculo afetará a maneira como eles se comunicam e formam relacionamentos ao longo da vida.

mãe dando seu bebê uma massagem

Um vínculo seguro se forma quando você sintoniza e responde às necessidades do seu filho ou às suas sugestões emocionais, como pegá-las, acalmá-las e tranquilizá-las quando elas choram. Ser essa fonte confiável de conforto permite que seu filho aprenda a administrar seus próprios sentimentos e comportamentos, o que, por sua vez, ajuda a fortalecer seu desenvolvimento cognitivo.

A depressão pós-parto pode ter um impacto significativo no vínculo precoce, dificultando a sua realização todos os dias e dificultando a sua capacidade de cuidar do seu bebê e de si próprio.

Um estudo com 14.000 crianças nos Estados Unidos descobriu que 40% das crianças não tinham laços emocionais fortes com seus pais. Essa falta de forte apego dos pais tornou as crianças mais propensas a problemas comportamentais e educacionais.

Alguns pais sentem uma onda instantânea de amor no momento em que põem os olhos no bebê, enquanto, para outros, leva tempo. Se você ainda não se relacionou com seu bebê, não se sinta ansioso ou culpado. Às vezes, pode levar semanas – ou mesmo meses – para sentir um apego, mas isso deve vir com o tempo.

Aprender a se relacionar com seu bebê beneficia você e seu filho. O contato próximo com o seu bebê libera oxitocina, o “amor” ou “hormônio do carinho”. Um aumento na ocitocina faz com que você se sinta mais feliz, mais cuidadoso e sensível aos sentimentos dos outros, e permite que você reconheça as pistas não-verbais de seu bebê mais prontamente.

Aqui estão algumas maneiras que você pode fortalecer o vínculo com seu bebê.

Contato pele a pele

Independentemente de você amamentar ou amamentar seu bebê, tente fazê-lo enquanto a pele nua estiver contra a sua. Se a sala estiver fresca, enrole um cobertor ao redor do bebê para mantê-lo aquecido. Você também pode embalar seu bebê pele a pele.

O contato pele a pele relaxa você e seu bebê, bem como aumenta o vínculo entre você. Benefícios adicionais do contato pele a pele incluem períodos prolongados de sono e alerta, menos estresse pelo frio, ganho de peso melhorado, melhor desenvolvimento cerebral, diminuição do choro e alta precoce do hospital.

Massagem do bebê

O toque é uma parte importante do desenvolvimento do seu filho e ajuda a apoiar o processo de colagem. Massagem do bebê foi mostrado para diminuir a gravidade dos sintomas em mães com depressão pós-parto.

Aprenda a massagear adequadamente seu bebê inscrevendo-se em uma aula, encontrando informações ou vídeos on-line ou lendo um livro.

Sorrir

Seu bebê provavelmente perderá seu sorriso reflexo e lhe dará seu primeiro real entre 6 e 12 semanas de idade. Pesquisas descobriram que, quando uma mãe vê seu bebê sorrindo, áreas de seu cérebro que estão associadas à recompensa se iluminam.

As áreas que são estimuladas relacionam-se ao neurotransmissor dopamina e são as mesmas áreas que são ativadas em indivíduos com dependência de drogas. Essencialmente, ver o seu sorriso bebê é semelhante a um “alto natural”.

Segure seu bebê a cerca de 8–12 polegadas do seu rosto – para que ele possa vê-lo corretamente – dê a ele um sorriso largo e ofereça-lhe um “olá” caloroso em um tom feliz para persuadir um sorriso.

Cantar

Independentemente do ritmo, da chave e de você ser o melhor ou pior cantor do mundo, cantar para o seu bebê traz muitos benefícios. Engajar-se com o seu filho através da música é tão eficaz quanto ler um livro ou brincar com os brinquedos para manter a atenção deles, e é mais eficaz do que ouvir música gravada.

Cantar para o seu bebê não apenas fornece a estimulação sensorial que eles precisam para focar sua atenção, mas também fornece uma distração para você a partir dos pensamentos negativos associados à depressão, ao mesmo tempo em que fortalece você como pai / mãe.

2. Cuide-se

Cuidar de si mesmo é uma das melhores maneiras de aliviar ou prevenir a depressão pós-parto. Opções simples de estilo de vida – algumas das quais estão listadas abaixo – podem melhorar sua saúde e humor e ajudar você a se sentir mais como você novamente.

mulher dormindo ao lado de seu bebê

Coma ômega-3.Consumir uma dieta rica em ácidos graxos ômega-3, que são encontrados em peixes oleosos, como arenque e salmão, durante a gravidez pode reduzir o risco de depressão pós-parto. Também pode ser um tratamento alternativo potencial para a depressão pós-parto.

Sesta. “Durma quando o bebê dorme” é uma frase frequentemente usada por aqueles que dão conselhos aos novos pais – conselhos aos quais os pais costumam revirar os olhos. Afinal, conseguir qualquer forma de sono enquanto cuida de um recém-nascido é uma tarefa complicada.

As mulheres que vivem com depressão pós-parto geralmente levam mais tempo para adormecer e dormir por menos tempo do que aquelas sem a condição. Além disso, quanto menor a qualidade do sono, mais severa é a depressão.

Se você tem família ou amigos que podem cuidar do seu bebê enquanto tira um cochilo, não deixe de pedir ajuda.

Saia no sol. A exposição ao sol e ao ar fresco melhorará significativamente o seu humor. Mesmo que seu cabelo esteja uma bagunça ou seu bebê tenha cuspido em seu par favorito de calças de ioga, leve o carrinho para dar uma volta e procure sair pelo menos por pelo menos 10 a 15 minutos por dia.

Mimar-se. Tire algum tempo de seus deveres mãe e dar pequenos passos para saciar-se. Acompanhe o seu programa favorito, tome um banho de espuma ou acenda algumas velas perfumadas.

3. Lentamente reintroduzir o exercício

Estudos demonstraram que a atividade física pode ajudar a combater a depressão pós-parto. O exercício durante o período pós-parto é uma maneira eficiente de alcançar melhor bem-estar psicológico, bem como aliviar os sintomas da depressão pós-parto.

Mulher andando com carrinho de criança

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas diz que o exercício ajuda a fortalecer os músculos abdominais, alivia o estresse, promove melhor sono e aumenta a energia.

Você pode começar o exercício suave apenas alguns dias após o nascimento, se você teve uma gravidez saudável e parto vaginal sem complicações. Se você teve complicações ou uma cesariana, peça conselhos ao seu médico sobre quando você pode começar o exercício.

Andar a pé é um bom ponto de partida, com a vantagem adicional de poder empurrar o seu carrinho de criança ao mesmo tempo. Aponte para estar ativo por cerca de 20 a 30 minutos por dia. Mesmo exercendo por 10 minutos pode beneficiar seu corpo.

Seu clube de fitness local pode organizar aulas que lhe interessam, como dança, spinning, pilates ou yoga. Aulas específicas de pós-parto às vezes estão disponíveis em academias e também há aulas para as quais você pode levar seu bebê.

Se ir a um ginásio não é algo que lhe interessa, então existem vários DVDs de fitness e programas de fitness online que você pode fazer a partir do conforto e privacidade de sua casa.

4. Construa uma rede de suporte

Os humanos são criaturas sociais e anseiam interação com os outros. Ter interações sociais positivas e apoio emocional pode ser um fator de proteção para ajudar a reduzir o estresse e lidar com as dificuldades da vida.

Duas mulheres, segurando, seu, bebês

As mães novas podem às vezes sentir-se solitárias e sobrecarregadas pelo novo papel. A pesquisa mostrou que a solidão leva a sentimentos dolorosos de isolamento, tornando-se desconectada dos outros e sentindo-se como se você não pertencesse.

A solidão também tem sido associada à hipertensão arterial, problemas de sono, diminuição da imunidade e fatores de risco para doenças cardíacas.

Receber apoio social e emocional de outras pessoas pode ajudá-lo a lidar melhor com os problemas por conta própria, aumentando sua auto-estima e senso de independência.

Você não precisa de uma extensa rede de amigos próximos e familiares para se beneficiar do apoio social e emocional. Algumas pessoas se beneficiam de ter confiança mútua e amizade entre apenas algumas pessoas, como vizinhos, colegas de trabalho ou outros pais que você conheceu por meio de grupos de pais ou aulas de mamãe e eu.

Se você luta para se conectar, tente não desistir; forjar novas conexões e amizades é possível. Procure outras mulheres que estão enfrentando uma transição semelhante para a maternidade. Pode ser reconfortante ouvir que os outros compartilham os mesmos sentimentos, preocupações e inseguranças.

Experimente as aulas de bebês e crianças pequenas, junte-se ao grupo do Facebook da sua mãe local ou baixe os apps Peanut ou Mush para se conectar com outros pais nas proximidades. Seu pediatra também pode recomendar recursos disponíveis em sua vizinhança.

5. Tente psicoterapia e medicação

Se você tentou auto-ajuda, fez mudanças no estilo de vida e procurou apoio, mas não teve melhora, seu médico pode sugerir que você tente medicação, psicoterapia ou ambos.

  • A psicoterapia, também chamada de aconselhamento em saúde mental ou terapia da fala, pode ajudá-lo a discutir suas preocupações e sentimentos, estabelecer metas gerenciáveis ​​e aprender a responder positivamente a situações.
  • Os antidepressivos podem ser recomendados se a depressão for grave ou quando outros tratamentos não melhorarem os sintomas. Seu médico levará isso em consideração se você estiver amamentando ao prescrever sua medicação.

A pesquisa pode ser capaz de explicar por que um determinado antidepressivo é eficaz no tratamento da depressão pós-parto. Os pesquisadores descobriram que o citalopram – de uma classe de medicamentos chamados inibidores seletivos da recaptação da serotonina e vendido sob a marca Celexa – pode restaurar as conexões entre as células nas regiões do cérebro que são afetadas negativamente pelo estresse durante a gravidez.

Outras pesquisas indicam que, se você não conseguir lidar com as sessões de terapia presencial face a face, a terapia cognitivo-comportamental baseada na Internet poderá melhorar significativamente os sintomas de estresse, ansiedade e depressão.

Lembre-se: experimentar o pós-parto não é culpa de ninguém. É uma condição médica que requer tratamento.

A depressão pós-parto pode tornar o período já estressante imediatamente após o parto ainda mais difícil.Quanto mais cedo você conseguir ajuda para controlar sua depressão, mais cedo poderá começar a desfrutar do seu bebê e da maternidade.

Like this post? Please share to your friends: