Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Vida após acidente vascular cerebral: dicas para recuperar habilidades de comunicação

Todos os anos nos Estados Unidos, mais de 795.000 pessoas têm um acidente vascular cerebral, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças. Além disso, a Associação de Derrame do Reino Unido observa que 1 em cada 3 pessoas terá problemas de comunicação após um derrame.

Infelizmente, muitas vezes julgamos as pessoas sobre o quão bem elas se comunicam. Do lado de fora, uma pessoa que tem dificuldade em falar pode parecer ter dificuldade em pensar também, mas isso não é necessariamente verdade.

Para uma pessoa que teve um derrame, a capacidade de pensar e se comunicar depende da parte ou partes do cérebro que foram afetadas.

Ter um derrame pode ser uma experiência assustadora e frustrante. Não ser capaz de dizer às pessoas o que está acontecendo depois pode estender o trauma.

Amigos e familiares, por sua vez, também podem se ver amarrados à língua. Eles podem se sentir envergonhados, perdidos por palavras, ou podem pensar que isso não é mais a pessoa que eles conheciam.

A reabilitação pós-AVC pode ajudar as pessoas a recuperar algumas ou todas as suas habilidades. Fonoaudiólogos especializados em comunicação, mas não-especialistas também podem desempenhar um papel fundamental.

É importante que os amigos e parentes entendam que o que uma pessoa expressa do lado de fora, depois de um derrame, não é necessariamente o que está acontecendo em sua cabeça. Eles também devem lembrar que, embora uma pessoa enfrente novos desafios depois de sofrer um derrame, ela ainda é a mesma pessoa.

Este artigo irá oferecer algumas dicas de pessoas que “estiveram lá” que podem nos dar as habilidades necessárias para ajudar alguém a voltar a se comunicar após um derrame.

Fatos rápidos sobre o acidente vascular cerebral

  • Acidente vascular cerebral pode levar a paralisia ou fraqueza em um lado do corpo
  • Pode haver dificuldade em pensar, consciência, atenção, aprendizado, julgamento e memória
  • Pode ser difícil entender ou formar discurso
  • Humor e emoções podem ser afetados.

Saiba mais sobre o acidente vascular cerebral

Como um acidente vascular cerebral afeta a comunicação?

Pares superiores que sentam-se em cadeiras de madeira no jardim que tem a conversação.

Um acidente vascular cerebral é uma lesão cerebral que resulta de sangramento ou um bloqueio no cérebro. Os efeitos podem ser repentinos ou graduais, e os danos podem afetar vários aspectos da saúde mental e física.

Esses incluem:

  • Habilidades motoras
  • Os sentidos, incluindo reações à dor
  • Língua
  • Pensamento e memória
  • Emoções

Um derrame pode afetar o uso da linguagem de uma pessoa de diversas maneiras.

Não apenas o processamento da linguagem pode ser prejudicado, mas paralisia ou fraqueza física nos músculos da face, da língua ou da garganta podem dificultar a deglutição, o controle da respiração e a formação de sons.

O tipo e a extensão dos problemas de comunicação dependerão da forma do acidente vascular cerebral e do tipo de lesão ocorrida. O dano e os níveis resultantes de habilidade também variam.

A Associação de Derrame descreve três condições que afetam a comunicação após um derrame: afasia, disartria e dispraxia. Uma pessoa pode experimentar uma ou uma combinação delas.

Afasia

A afasia, ou disfasia, resulta de danos em um dos “centros de controle de linguagem” no cérebro. Embora influencie a comunicação, ela não afeta a inteligência. Pode afetar apenas um tipo de comunicação – por exemplo, ler, ouvir ou falar ou uma combinação.

Danos a uma parte do cérebro conhecida como área de Wernicke podem levar a afasia receptiva.

Isso dificulta a compreensão de frases longas e complexas, especialmente se houver ruído de fundo ou se mais de uma pessoa estiver falando. A pessoa pode sentir como se os outros estivessem falando em uma língua estrangeira. Sua própria fala também pode se tornar incoerente.

Se houver dano na área de Broca, pode ocorrer uma afasia expressiva.

A pessoa pode entender os outros, mas eles serão incapazes de se explicar. Eles podem pensar as palavras, mas não podem falar ou juntá-las para fazer frases coerentes e gramaticalmente corretas.

Uma pessoa com afasia expressiva pode fazer sons ou dizer palavras curtas ou partes de frases, mas pode perder palavras importantes ou usar a palavra errada. Eles podem ter a palavra “na ponta da língua”, mas não conseguir soltá-lo.

Pode parecer ao falante que eles estão falando normalmente, mas para um ouvinte, pode soar como um disparate. Os ouvintes podem acreditar que o orador está confuso quando não está. Eles simplesmente não conseguem entender as idéias.

Danos que afetam várias áreas do cérebro podem levar a afasia mista ou global, com desafios em todos os aspectos da comunicação. A pessoa não pode mais usar a linguagem para transmitir pensamentos.

Disartria e dispraxia

A disartria e a dispraxia estão relacionadas à produção física dos sons da fala.

Uma pessoa com disartria pode encontrar as palavras, mas elas não podem formá-las por causa de um problema físico, como a fraqueza muscular. Isso pode fazer com que as palavras saiam distorcidas ou em rajadas curtas. Esse ruído não reflete necessariamente o estado mental da pessoa. É provável que apenas sua capacidade de comunicação seja limitada.

A dispraxia envolve dificuldade de movimento e coordenação, de modo que os músculos necessários para os sons da fala podem não funcionar corretamente ou na ordem correta. Isso também pode afetar a fala.

Outras mudanças

Outras alterações que podem dificultar a contribuição para conversas incluem:

  • Uma perda de tom de voz, normalmente usada para expressar emoções
  • Expressão facial fixa
  • Problemas para entender humor
  • Incapacidade de se revezar na conversa.

Isso pode fazer a pessoa parecer deprimida, mesmo que não seja.

Algumas pessoas estão cientes de que estão passando por essas mudanças. Nesse caso, deixar que os outros saibam qual é o problema pode ajudar a combater o problema.

No entanto, uma pessoa com anosognosia será incapaz de reconhecer que algo está errado, devido a uma falta de percepção resultante de danos ao cérebro. Isso pode impedir a recuperação.

Outros problemas

Dependendo do dano que ocorreu, problemas de visão e audição também podem afetar a capacidade de comunicação e escrita.

O cansaço é um resultado comum do AVC. A conversa também pode ser cansativa, porque exige muito esforço.

Após um derrame, podem ocorrer alterações de estresse e personalidade. O estresse pode exacerbar os problemas de comunicação, especialmente se a pessoa se tornar impaciente consigo mesma ou se os outros ficarem impacientes.

Mudanças de humor, devido ao efeito do derrame no cérebro, podem aumentar ainda mais a tensão.

O que um fonoaudiólogo faz?

[terapia de fala]

A terapia da fala é uma parte fundamental da reabilitação após um derrame.

Um fonoaudiólogo ajudará as pessoas com deglutição; isso pode ser gravemente prejudicado e tem impacto na produção de linguagem.

As atividades de prática de linguagem que os fonoaudiólogos podem usar incluem exercícios intensivos em:

  • Repetindo palavras
  • Seguindo direções
  • Leitura e escrita.

Exemplos de práticas mais extensas são:

  • Coaching Conversacional
  • Rehearsing speech
  • Desenvolvendo prompts para ajudar as pessoas a lembrar de palavras específicas
  • Trabalhar maneiras de contornar as deficiências de linguagem, como o uso de símbolos e linguagem de sinais.

A tecnologia de comunicação expandiu o leque de formas de praticar e melhorar a comunicação. Um exemplo disso é pressionar uma tecla para ativar um simulador de voz.

Algumas dicas de pessoas com experiência em primeira mão

perguntou dois homens, Peter Cline e Geoff, sobre sua experiência em recuperar as habilidades de comunicação após um derrame. Peter, um engenheiro, teve um derrame aos 59 anos quando ele estava apenas começando um feriado na Tasmânia. Geoff, que administrava seu próprio negócio até sua aposentadoria, estava morando na Espanha quando ficou doente.

Ambos os homens trabalharam duro para recuperar suas habilidades de comunicação.

Perguntamos quais conselhos dariam às pessoas para ajudá-las a se comunicar com alguém após um derrame.

Eles nos deram essa lista dos:

  • Olhe diretamente para a pessoa quando estiver falando com ela
  • Fale devagar e claramente, mas use um tom de voz normal
  • Use frases curtas e siga um tópico de cada vez
  • Certifique-se de que não haja ruído de fundo
  • Tranquilize a pessoa que você entende sua frustração
  • Escreva as coisas, se isso ajudar
  • Descubra sobre o emprego, interesses e paixões da pessoa – agora e antes do derrame – e tente relacionar-se com estes
  • Dê às pessoas uma chance de dizer o que elas querem dizer, sem entrar ou corrigi-las.

Eles também nos deram alguns indícios:

  • Não termine as frases da pessoa para eles
  • Não fale rápido demais
  • Não os empurre demais
  • Não fale com a pessoa enquanto ela está dirigindo, por exemplo, porque ela não consegue se concentrar
  • Não assuma que porque a pessoa está tendo dificuldade em entender, ela deve ser estúpida
  • Não “fale baixo” com a pessoa, ou fale com ela como se fosse uma criança
  • Não fique “brincando”.

Geoff disse que sente que suas habilidades de comunicação “sobem e descem”. Torna-se mais difícil para ele se comunicar quando está cansado e quando há mais de duas pessoas na conversa.

Tanto Geoff quanto Peter fizeram progressos notáveis ​​em suas habilidades de comunicação, e cada um deles ofereceu algumas palavras de encorajamento para pessoas que tiveram um derrame.

O conselho de Geoff é:

“Tire um tempo para se recuperar e, ao se comunicar, reserve um tempo para explicar e não se sinta apressado.”

Pedro diz:

  • Persevere e não desista. As coisas vão melhorar gradualmente, mas não tão rapidamente quanto você quer que elas
  • Espere altos e baixos em sua recuperação
  • Divirta-se relaxando com algo com que você está familiarizado, por exemplo, filmes antigos, música ou qualquer que seja o seu “consolador”.

Peter explica que depois de um derrame, um indivíduo pode sentir como se estivesse dentro de uma bolha. “Ajuda se você conseguir que alguém entenda isso”, diz ele.

Atividades que podem ajudar

[álbum de fotos e conversa]

Amigos e familiares podem participar de atividades práticas regulares para ajudar alguém a recuperar suas habilidades de comunicação após um derrame.

Pode ser útil organizar vagas regulares para prática de comunicação, no momento em que a pessoa não estiver cansada.

Aqui estão algumas atividades para compartilhar, dependendo dos estilos e gostos individuais:

  • Canções, especialmente se a pessoa era um cantor interessado antes. Algumas pessoas podem cantar depois de um derrame, mesmo que não possam falar, porque cantar e falar usam diferentes partes do cérebro
  • Jogos de cartas que envolvem a pessoa dizendo o nome do cartão
  • Um álbum de fotos, para compartilhar e discutir as pessoas e eventos nas fotos
  • Um arquivo pessoal, com informações sobre a vida, os empregos e a família da pessoa, a fim de fornecer tópicos de conversa e dicas não-verbais quando o acesso às palavras-chave é difícil
  • Um diário, com registros de visitas, eventos e conversas. Amigos e familiares podem ser incentivados a escrever, para ajudar a pessoa a acompanhar o seu progresso
  • Notícias para ler com antecedência e discutir durante a sessão.

Se uma conversa importante está chegando – com a companhia de seguros ou hospital, por exemplo – esses slots podem ser um bom lugar para se preparar.

Outras dicas para autoajuda

Se uma pessoa tiver dificuldade em expressar uma palavra ou ideia, incentivá-la a escrever ou desenhar o que ela quer dizer pode ajudar. Algumas pessoas podem soletrar uma palavra, mesmo que não possam dizer.

Estratégias que as pessoas usaram para praticar sozinhas incluem:

  • Ensaiando sons da fala, como vogais e consoantes
  • Usando livros infantis para praticar leitura e escrita
  • Recitando poemas ou rimas
  • Dizendo os nomes de personalidades famosas do esporte
  • Assistindo as notícias e copiando como o leitor de notícias fala
  • Perseverança na conversa com amigos ou familiares, por mais difícil que seja

É importante que os amigos e familiares continuem a tratar a pessoa como um adulto inteligente e que, embora a sua capacidade de comunicação tenha mudado, a sua identidade não. Eles ainda são quem são, com interesses, habilidades e um passado.

Além disso, todos são diferentes e os efeitos do AVC variam. Por esta razão, não haverá uma solução “tamanho único”.

A recuperação completa nem sempre é possível, mas a paciência, a ajuda, o suporte e a prática podem ajudar muito as pessoas a recuperar suas habilidades de comunicação após um derrame.

Like this post? Please share to your friends: