Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Viagem espacial pode ser a chave para o reparo cardíaco

Os astronautas vivem em um ambiente praticamente sem peso, cientificamente conhecido como microgravidade. Os efeitos da microgravidade no corpo humano são variados e fascinantes – alguns deles prejudiciais, alguns redentores. Nova pesquisa encontra um propósito terapêutico para o impacto da microgravidade em células-tronco humanas.

vista do ônibus espacial

Do cérebro a subir para os músculos encolhendo, as veias inchando e os rostos dos astronautas ficando inchados, os efeitos da microgravidade no corpo humano são fascinantes, para dizer o mínimo.

Mas como as condições de ausência de peso afetam o coração? Como esse órgão vital não precisa bombear tanto sangue pelo corpo quanto sob a gravidade, com o tempo, os vasos sanguíneos tendem a se tornar menos elásticos e mais espessos, o que aumenta o risco de doenças cardíacas.

Como contraponto a essas conseqüências negativas, porém, os cientistas estão descobrindo cada vez mais efeitos potencialmente terapêuticos do voo espacial no coração humano.

Por exemplo, estudos mostraram que a microgravidade simulada no laboratório afeta as células cardíacas progenitoras de maneira diferente, dependendo da idade. As células progenitoras são “descendentes precoces de células-tronco que podem se diferenciar para formar um ou mais tipos de células”.

Outros estudos sobre células embrionárias de camundongos mostraram que a simulação do voo espacial afeta o crescimento e a diferenciação de células-tronco, ajudando-as a se diferenciar mais rapidamente nas células musculares cardíacas.

Assim, pesquisadores da Universidade de Loma Linda, em Loma Linda, Califórnia, questionaram se as células-tronco assim modificadas poderiam ser usadas para o reparo cardíaco.

Para responder a essa pergunta, Jonathan Baio e colegas simularam as mudanças moleculares que aconteceriam sob a microgravidade e exploraram suas implicações para impulsionar o potencial terapêutico das células progenitoras cardiovasculares.

Os pesquisadores publicaram suas descobertas em uma edição especial da revista

Microgravidade muda sinalização de cálcio

Baio e sua equipe simularam microgravidade por 6 a 7 dias na Estação Espacial Internacional da NASA e cultivaram células progenitoras cardíacas neonatais por 12 dias no Laboratório Nacional a bordo da estação espacial.

Os cientistas procuraram por mudanças na expressão gênica e descobriram que o ambiente de microgravidade “induziu a expressão de genes que são tipicamente associados a um estado anterior de desenvolvimento cardiovascular”.

Depois de 6 a 7 dias, os cientistas descobriram mudanças nas vias de sinalização de cálcio que, dizem, poderiam ser usadas para melhorar as terapias baseadas em células-tronco para o reparo cardíaco.

Após 30 dias, uma proteína quinase dependente de cálcio, ou enzima, chamada C alfa, foi ativada. Para “explorar ainda mais o efeito da indução de cálcio em células progenitoras cardíacas”, os pesquisadores ativaram a proteína quinase na Terra aumentando a sinalização de cálcio.

As mudanças observadas fizeram com que os pesquisadores concluíssem que “manipular a sinalização de cálcio na Terra [apresenta] uma nova oportunidade terapêutica para o reparo cardíaco baseado em células”.

O que os achados significam para o reparo cardíaco

Como os autores observam, já existem ensaios clínicos de fase inicial que estão usando células-tronco cardíacas para tratar pacientes com cardiomiopatia isquêmica ou para ajudar as pessoas a se recuperarem de um ataque cardíaco.

Embora os resultados desses estudos sejam promissores, às vezes o enxerto celular falha e os cientistas ainda debatem que tipo de célula é melhor para o transplante.

“Portanto, a aplicação de descobertas de experimentos de [microgravidade] em experimentos baseados na Terra pode ajudar a superar as deficiências dos atuais ensaios clínicos envolvendo o uso de células progenitoras cardíacas para o reparo cardíaco”, escrevem os autores.

Baio e seus colegas concluem:

“[M] anular o ambiente de gravidade normal do início [células progenitoras cardíacas] pode destacar mecanismos importantes pelos quais progenitores cardíacos precoces se desenvolvem ou expandem. Tais percepções podem ser aplicadas para melhor compreender o desenvolvimento cardiovascular e melhorar os resultados de terapias regenerativas baseadas em células-tronco. “

Graham C. Parker, Ph.D. – que é afiliado com a Escola de Medicina da Wayne State University em Detroit, MI, e é o Editor-Chefe da revista, também comenta as descobertas.

Ele diz: “Este artigo fornece uma importante prova de conceito para combinar o design experimental baseado no espaço e no solo e informa o desenvolvimento da terapia cardíaca tanto para vôos espaciais quanto aqui na Terra”.

Like this post? Please share to your friends: