Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Uso de maconha e esquizofrenia: novas evidências sugerem link

Um novo estudo, publicado em, acrescentou ao corpo de evidências apontando para uma ligação entre a esquizofrenia e o uso de cannabis.

[homem fumando maconha]

Pesquisas recentes sugerem que não só as pessoas com predisposição à esquizofrenia são mais propensas a experimentar cannabis, mas que a cannabis também pode aumentar o risco de desenvolver sintomas.

Estudos mostram que o uso de cannabis é mais comum entre pessoas com psicose do que na população em geral, e que também pode aumentar o risco de sintomas psicóticos.

Seu uso tem sido associado a sintomas de psicose, como paranoia e pensamento delirante, em até 40% dos usuários.

No início deste ano, cientistas alertaram que os jovens que usam cannabis podem estar se colocando em risco de desordens psicóticas. Pessoas com esquizofrenia parecem ter maior chance de experimentar psicose se usarem cannabis.

As advertências anteriores haviam expressado preocupação com as variedades particularmente poderosas da cannabis, como “skunk”, circulando atualmente entre os jovens.

No entanto, os resultados não foram considerados definitivos e os especialistas pediram mais pesquisas.

Dados do genoma revelam possível ligação

Agora, a Dra. Suzi Gage e sua equipe, da Escola de Psicologia Experimental da Universidade de Bristol, no Reino Unido, descobriram mais evidências de que a cannabis pode ser particularmente perigosa para pessoas com esquizofrenia, embora ressaltem que outros fatores também afetam a saúde mental.

Fatos rápidos sobre cannabis

  • Cerca de 44% dos alunos da 12ª série usaram maconha durante sua vida
  • Estima-se que 46% das pessoas nos Estados Unidos com 26 anos ou mais o usaram
  • Aproximadamente 12,8% dos alunos da 8ª série usaram a droga, com 0,7% usando diariamente.

Saiba mais sobre a maconha

Os autores analisaram fatores genéticos que podem prever se uma pessoa é propensa a usar cannabis, e se eles são propensos a desenvolver esquizofrenia. Os dados foram retirados de um amplo estudo do genoma.

A técnica de randomização mendeliana, usada para analisar os dados, permitiu que os autores respondessem por uma série de variantes.

Essa técnica foi escolhida porque a equipe previu que as pessoas que usam cannabis provavelmente são geneticamente e biologicamente diferentes daquelas que não usam de várias formas.

Os resultados indicam que começar a usar cannabis pode aumentar o risco de esquizofrenia, mas especialmente que uma pessoa que está em risco de esquizofrenia tem maior probabilidade de usar cannabis.

Isto pode ser porque os fatores genéticos para a esquizofrenia são mais fortes do que aqueles para o uso de cannabis.

Os autores do estudo gostariam de investigar se uma ligação genética poderia explicar a extensão do consumo de cannabis, porque os resultados mostram que as pessoas com esquizofrenia são mais propensas a serem grandes usuárias de cannabis.

Os autores perguntaram aos autores por que as pessoas com risco de esquizofrenia poderiam estar mais propensas a usar a droga.

Prof. Marcus Munafò, um membro da equipe, especulou que “certos comportamentos ou sintomas associados ao risco de esquizofrenia podem ser aliviados pelos efeitos da cannabis”. Em outras palavras, o uso de cannabis pode ser um tipo de automedicação nessa população.

Uma explicação alternativa, disse ele, é que “as pessoas com maior risco de esquizofrenia podem apreciar mais os efeitos psicológicos da cannabis”.

“Há um consenso crescente de que o uso de cannabis pode aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia. Nossos resultados confirmam isso, mas também sugerem que aqueles com maior risco de esquizofrenia possam ter mais probabilidade de experimentar a cannabis em primeiro lugar”.

Prof. Marcu Munafò

Perguntaram aos pesquisadores que papel a cannabis pode desempenhar no aumento ou diminuição do risco de esquizofrenia.

Prof Munafò apontou que, enquanto mais estudos são necessários, a pesquisa existente sugere que dois dos constituintes da cannabis, o tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD), podem ter um impacto.

Os papéis do CBD e do THC

A intoxicação por THC tem sido associada a experiências psicóticas transitórias. O CBD, por outro lado, não desencadeia experiências que alteram a mente e pode ter potencial como medicamento, de acordo com o Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (NIDA).

A NIDA aponta que a maior parte da maconha recreativa é alta em THC e baixa em CBD.

Dr. Gage e colegas prevêem que a proporção de THC para CBD provavelmente será significativa em sintomas psicóticos.

Além disso, o Prof. Munafò disse que os resultados serão necessários a partir de múltiplas fontes, incluindo estudos laboratoriais e epidemiológicos, antes que quaisquer conclusões definitivas possam ser alcançadas.

As limitações do estudo incluem a sobreposição relativamente pequena entre usuários de cannabis e pessoas com esquizofrenia em cerca de 1.500 pessoas.

Até agora, tem havido poucos estudos consistentes para comparar os efeitos da cannabis e, como resultado, a avaliação do impacto da cannabis nas estruturas cerebrais continua a ser um desafio. No entanto, verificou-se que as pessoas com esquizofrenia que usam cannabis têm maior probabilidade de serem hospitalizadas do que aquelas com a condição que não usam a droga.

O Dr. Gage expressa interesse em olhar mais de perto os subgrupos de usuários de cannabis mais vulneráveis, a fim de obter uma melhor compreensão de como o uso pesado pode influenciar seu bem-estar.

Descubra como a cannabis pode estar ligada à depressão.

Like this post? Please share to your friends: