Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo que você precisa saber sobre vitamina A

A vitamina A é uma vitamina essencial necessária para o crescimento e desenvolvimento, reconhecimento celular, visão, função imunológica e reprodução.

É um poderoso antioxidante e atua como um hormônio no corpo, afetando a expressão de genes e, assim, influenciando o fenótipo.

Também ajuda o coração, os pulmões, os rins e outros órgãos a funcionar corretamente.

Fatos rápidos sobre vitamina A

  • A vitamina A é vital para o crescimento e desenvolvimento, reconhecimento celular, visão, função imunológica e reprodução e ajuda o coração, pulmões e rins.
  • As mulheres grávidas e as dos países em desenvolvimento correm maior risco de deficiência de vitamina A.
  • Muita vitamina A pode ser tóxica e causar hipervitaminose.
  • A vitamina A pode ser encontrada em alimentos vegetais de laranja, carne, ovos e leite.

Tipos

Vitamina A

A vitamina A é encontrada em diferentes formas.

A vitamina A pré-formada ocorre em carne, peixe e laticínios.

Provitamina A é armazenada em frutas, vegetais e outros produtos à base de plantas.

O retinol é a forma ativa predominante de vitamina A encontrada no sangue. O palmitato de retinila é a forma de armazenamento da vitamina.

O beta-caroteno é um precursor da vitamina A e é encontrado nas plantas.

Essa “pró-vitamina”, por si só um antioxidante, é convertida em vitamina A conforme a necessidade do corpo, portanto não há risco de overdose ou toxicidade.

Benefícios

Como a vitamina A afeta uma ampla gama de funções do corpo, uma deficiência pode levar a uma variedade de problemas.

Esses incluem:

  • cegueira noturna
  • maior risco de infecções, especialmente na garganta, tórax e abdômen
  • hiperceratose folicular, levando a pele seca e esburacada.
  • problemas de fertilidade
  • crescimento atrasado em crianças

Uma quantidade adequada de vitamina A pode ter os seguintes benefícios.

Reduzindo o risco de câncer

A ingestão adequada de carotenóides de frutas e vegetais está associada a um menor risco de câncer de pulmão, mas o uso de suplementos de beta-caroteno e vitaminas não mostrou os mesmos resultados.

Uma meta-análise sugere que algumas formas de vitamina A podem ajudar a proteger contra o câncer de próstata.

Estudos no Japão sugeriram que o beta-caroteno pode ajudar a prevenir o câncer de cólon.

Tratar diabetes tipo 2

Descobriu-se que o ácido retinóico, um derivado da vitamina A, normaliza o açúcar no sangue em ratos com diabetes.

Pele saudável e cabelo

A vitamina A é importante no crescimento de todos os tecidos corporais, incluindo pele e cabelo.

Contribui para a produção de sebo, o óleo que ajuda a manter os níveis de umidade na pele e nos cabelos.

Fontes

Vitamina A folhas verdes

O retinol pré-fabricado, a forma ativa da vitamina A, só vem de fontes animais.

As fontes mais ricas de retinol são:

  • carnes orgânicas, como fígado
  • peixes gordurosos, como arenque e salmão, e óleos de peixe
  • manteiga, leite e queijo
  • ovos

Alimentos à base de plantas contêm carotenóides, formas antioxidantes de vitamina A. Estes são convertidos em retinol no corpo.

O carotenóide é um pigmento laranja que contribui para a cor de certas frutas e vegetais.

Fontes vegetais que são ricas em carotenóides são:

  • abóbora, cenoura, abóbora e outros vegetais cor de laranja
  • batatas doces
  • frutas cor de laranja, como melão, papaia e manga

Alimentos vegetais ricos em beta-caroteno incluem:

  • brócolis, espinafre, nabo e outros legumes verdes escuros
  • abobrinha
  • pimentos

Ingestão recomendada

A ingestão recomendada de vitamina A varia de acordo com a idade e sexo.

Está disponível em várias formas, e o conteúdo de vitamina A em alimentos é frequentemente medido como equivalentes de atividade de retinol (RAEs).

Um RAE é igual a 1 micrograma (mcg) de retinol, 12 mcg de beta-caroteno, ou 3.33 Unidade Internacional (UI) de vitamina A.

As ingestões recomendadas de vitamina A são as seguintes:

Até 6 meses, a ingestão adequada (AI) é de 400 microgramas (mcg) por dia, e de 7 a 12 meses, é de 500 mcg por dia.

Esses números representam a ingestão média de vitamina A em bebês saudáveis ​​amamentados.

  • De 1 a 3 anos, a exigência é de 300 mcg por dia
  • De 4 a 8 anos, é de 400 mcg por dia
  • Dos 9 aos 13 anos, são 600 mcg por dia
  • A partir dos 14 anos, a necessidade para os homens é de 900 mcg por dia e para as mulheres 700 mcg por dia
  • Para mulheres de 19 a 50 anos, a necessidade é de 770 mcg por dia durante a gravidez e 1.300 mcg por dia durante a amamentação

A Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição de 2007 a 2008 (NHANES) descobriu que o americano médio com 2 anos ou mais consome 607 mcg de vitamina A por dia.

Quem está em risco de deficiência?

Deficiência de vitamina A prematuros

O maior risco de deficiência está entre:

  • Prematuros
  • bebês e crianças em países em desenvolvimento
  • mulheres grávidas e lactantes em países em desenvolvimento
  • pessoas com fibrose cística

O medicamento para perda de peso Orlistat, também conhecido como Alli e Xenical, reduz a capacidade do corpo de absorver vitaminas lipossolúveis, como a vitamina A, aumentando o risco de deficiência.

Suplementos de vitamina A estão disponíveis para aqueles que têm dificuldade em absorver o nutriente, mas é melhor atender às necessidades através de alimentos, não isoladamente.

O uso de suplementos pode mascarar possíveis deficiências de outros nutrientes, potencialmente levando a problemas de saúde agudos e de longo prazo.

Riscos

A vitamina A pré-formada pode ser tóxica quando consumida em quantidades excessivas, seja através de dieta ou suplementação.

O nível máximo de ingestão tolerável (UL) para a vitamina A varia com a idade. O UL é a quantidade acima da qual a ingestão de vitamina A pode ser tóxica.

O NIH estabeleceu os seguintes ULs:

  • até 3 anos: 600 mcg por dia
  • 4 a 8 anos: 900 mcg por dia
  • 9 a 13 anos: 1.700 mcg por dia
  • 14 a 18 anos: 2.800 mcg por dia
  • 19 anos e mais: 3.000 mcg por dia

O consumo excessivo de vitamina A pode ser tóxico.

Isso pode conduzir a:

  • alterações na pele, como amarelecimento, rachaduras, coceira e sensibilidade aumentada à luz solar
  • alterações na visão e, em crianças mais jovens, visão dupla
  • unhas quebradiças
  • mudanças de cabelo, como perda de cabelo e cabelos oleosos
  • ossos fracos, dor óssea ou inchaço
  • vômitos, tontura, dores de cabeça e náusea
  • dificuldade em ganhar peso e diminuição do apetite
  • gengivite
  • irritabilidade
  • fadiga, sonolência e alterações no estado de alerta
  • uma fontanela protuberante, ou o ponto fraco no crânio, em crianças
  • doença hepática, em casos de ingestão extremamente excessiva

As mulheres grávidas não devem consumir mais do que os níveis recomendados de vitamina A, porque o retinol tem sido associado a deformidades fetais.

O Retinol também está disponível como um creme antienvelhecimento para a pele. Isso também não deve ser usado por mulheres grávidas.

O beta-caroteno e outros carotenóides não são tão tóxicos quanto o retinol, pois são convertidos apenas em vitamina A quando necessário. O maior risco é com suplementos.

Aqueles que tomam isotretinoína, ou Roacutan, para o tratamento da acne devem tomar cuidado para não consumir muita vitamina A, e para evitar suplementos de vitamina A, porque esta droga é um derivado da vitamina A.

Uma dieta saudável e equilibrada deve fornecer vitamina A suficiente sem precisar de suplementos.

Like this post? Please share to your friends: