Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo o que você precisa saber sobre pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é uma condição durante a gravidez, na qual ocorre um aumento súbito da pressão arterial e do inchaço, principalmente na face, nas mãos e nos pés.

A pré-eclâmpsia é a complicação mais comum durante a gravidez. Geralmente desenvolve-se durante o terceiro trimestre e afeta cerca de 1 em 20 gravidezes.

Se a pré-eclâmpsia não for tratada, pode evoluir para eclâmpsia, na qual a mãe pode sofrer convulsões, coma e até morrer. No entanto, complicações da pré-eclâmpsia são extremamente raras se a mãe comparecer às consultas de pré-natal.

Fatos rápidos sobre pré-eclâmpsia

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a pré-eclâmpsia. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • A pré-eclâmpsia afeta cerca de 5% das gestações.
  • Se a pré-eclâmpsia não for tratada, pode evoluir para eclâmpsia, uma condição potencialmente fatal.
  • As causas exatas da pré-eclâmpsia não são conhecidas, mas provavelmente envolvem vasos sanguíneos na placenta.
  • Algumas pesquisas sugerem que há um componente genético na pré-eclâmpsia.
  • De acordo com um estudo, a poluição do tráfego pode estar ligada à pré-eclâmpsia.

Sintomas

[Mulher grávida recebendo check up]

Inicialmente, a pré-eclâmpsia pode não apresentar sintomas; no entanto, os primeiros sinais incluem:

  • hipertensão arterial (hipertensão)
  • proteína na urina (proteinúria)

Na maioria dos casos, a mulher não estará ciente desses dois sinais e só descobrirá quando um médico a observar durante uma consulta pré-natal.

Embora 6 a 8% de todas as mulheres grávidas apresentem pressão alta, isso não significa necessariamente que elas tenham pré-eclâmpsia. O sinal mais revelador é a presença de proteína na urina.

À medida que a pré-eclâmpsia avança, a mulher pode apresentar retenção de líquidos (edema), com inchaço nas mãos, pés, tornozelos e face.

O inchaço é uma parte comum da gravidez, especialmente durante o terceiro trimestre, e tende a ocorrer nas partes inferiores do corpo, como os tornozelos e os pés. Os sintomas são tipicamente mais amenos no início da manhã e se acumulam durante o dia. Isto não é pré-eclâmpsia, em que o edema ocorre de repente e tende a ser muito mais grave.

Mais tarde, os seguintes sinais e sintomas podem se desenvolver:

  • visão embaçada, às vezes vendo luzes piscando
  • dores de cabeça, muitas vezes graves
  • Mal-estar
  • falta de ar
  • dor logo abaixo das costelas do lado direito
  • ganho de peso rápido (causado pela retenção de líquidos)
  • vômito
  • diminuição na produção de urina
  • diminuição das plaquetas no sangue
  • função hepática prejudicada

O principal sinal de pré-eclâmpsia no feto é a restrição do crescimento devido à diminuição do suprimento sanguíneo para a placenta.

Causas

[Feto às 8 semanas]

Os especialistas não sabem ao certo porque ocorre a pré-eclâmpsia. A maioria diz que há um problema com o desenvolvimento da placenta porque os vasos sanguíneos que a fornecem são mais estreitos que o normal e respondem diferentemente aos sinais hormonais.

Porque os vasos sanguíneos são mais estreitos que o normal, o fluxo sanguíneo é limitado.

Por que os vasos sanguíneos se desenvolvem diferentemente não é totalmente compreendido, mas vários fatores podem desempenhar um papel; Incluindo:

  • dano aos vasos sanguíneos
  • fluxo sanguíneo insuficiente para o útero
  • problemas do sistema imunológico
  • fatores genéticos

Tratamento

A pré-eclâmpsia não é curada até que o bebê seja entregue.

Até que a pressão sangüínea da mãe caia, ela corre maior risco de derrame, sangramento grave, separação da placenta do útero e convulsões. Em alguns casos, especialmente se a pré-eclâmpsia começou cedo, o parto pode não ser a melhor opção para o feto.

Mulheres que tiveram pré-eclâmpsia em gestações anteriores são aconselhadas a participar de sessões de pré-natal com mais frequência. Os seguintes medicamentos podem ser recomendados:

  • Anti-hipertensivos: Estes são usados ​​para baixar a pressão arterial.
  • Anticonvulsivantes: Em casos graves, esses medicamentos são usados ​​para prevenir uma primeira convulsão. O médico pode prescrever sulfato de magnésio.
  • Corticosteroides: Se a mãe tem pré-eclâmpsia ou síndrome HELLP (ver abaixo), essas drogas podem melhorar o funcionamento das plaquetas e do fígado. Isso pode prolongar a gravidez.

Eles também aceleram o desenvolvimento dos pulmões do bebê, o que é importante se eles vão nascer prematuramente. O melhor tratamento para a síndrome HELLP é geralmente o mais rápido possível.

Descansar

Se a mulher está longe do fim de sua gravidez e seus sintomas são leves, o médico pode aconselhá-la a descansar na cama. Descansar ajuda a baixar a pressão arterial, o que aumenta o fluxo de sangue para a placenta, o que beneficia o bebê.

Algumas mulheres são aconselhadas a apenas deitarem-se na cama e só se sentam ou ficam de pé quando precisam. Outros podem se sentar em uma poltrona, sofá ou cama, mas terão suas atividades físicas estritamente limitadas. Testes de pressão arterial e urina serão realizados regularmente. O bebê também será monitorado de perto.

Em casos graves, a mulher pode ter que ser hospitalizada e receber repouso contínuo no leito, onde será monitorada de perto.

Induzir o trabalho

Se a pré-eclâmpsia for diagnosticada perto do final da gravidez, os médicos podem aconselhar a entrega do bebê o mais rápido possível.

Em casos muito graves, pode não haver escolha e o parto é induzido ou o parto cesáreo é realizado o mais rápido possível. Durante o parto, a mãe pode receber sulfato de magnésio para melhorar o fluxo sanguíneo uterino e prevenir convulsões.

Os sintomas da pré-eclâmpsia devem desaparecer dentro de algumas semanas após o parto.

Diagnóstico

[Amostra de sangue]

Para um diagnóstico de pré-eclâmpsia, ambos os testes a seguir devem ser positivos:

Hipertensão

A pressão sanguínea da mulher é muito alta. A pressão arterial acima de 140/90 milímetros de mercúrio é anormal na gravidez.

Proteinúria

A proteína é detectada na urina.Amostras de urina são coletadas durante 12 horas ou mais, e a quantidade de proteína é avaliada. Isso pode indicar a gravidade da condição.

O médico também pode solicitar mais testes de diagnóstico:

  • Exames de sangue – para ver quão bem os rins e o fígado estão funcionando e se o sangue está coagulando adequadamente.
  • Ultrassonografia fetal – o progresso do bebê será monitorado de perto para garantir que eles estejam crescendo adequadamente.
  • Teste sem estresse – o médico verifica como os batimentos cardíacos do bebê reagem quando eles se movem. Se o batimento cardíaco aumenta 15 batimentos ou mais por minuto por pelo menos 15 segundos, duas vezes a cada 20 minutos, é uma indicação de que tudo está normal.

Fatores de risco

Fatores de risco associados à pré-eclâmpsia incluem:

  • Primeiras gestações: As chances de pré-eclâmpsia durante a primeira gravidez são consideravelmente maiores que as subseqüentes.
  • Gap Gravidez: Se a segunda gravidez ocorre pelo menos 10 anos após o primeiro, a segunda gravidez tem um risco aumentado de pré-eclâmpsia.
  • Nova paternidade: cada gravidez com um novo parceiro aumenta o risco de pré-eclâmpsia quando comparado com uma segunda ou terceira gravidez com o mesmo parceiro.
  • História familiar: Uma mulher cuja mãe ou irmã teve pré-eclâmpsia tem um risco maior de desenvolvê-la sozinha.
  • História pessoal de pré-eclâmpsia: Uma mulher que teve pré-eclâmpsia em sua primeira gravidez tem um risco muito maior de ter a mesma condição em suas gestações subsequentes.
  • Idade: Mulheres com mais de 40 anos e adolescentes têm maior probabilidade de desenvolver pré-eclâmpsia em comparação com mulheres de outras idades.
  • Certas condições e doenças: mulheres com diabetes, pressão alta, enxaquecas e doenças renais são mais propensas a desenvolver pré-eclâmpsia.
  • Obesidade: as taxas de pré-eclâmpsia são muito maiores entre as mulheres obesas.
  • Gravidezes múltiplas: se uma mulher estiver grávida de dois ou mais bebés, o risco é maior.

Prevenção

Embora a pré-eclâmpsia não possa ser totalmente evitada, há uma série de medidas que uma mulher pode tomar para moderar alguns fatores que contribuem para a hipertensão arterial.

Estes podem incluir:

  • Beber entre 6 e 8 copos de água todos os dias
  • evitando alimentos fritos ou processados
  • excluindo sal adicionado da dieta
  • exercício regular
  • evitando o consumo de álcool e cafeína
  • mantendo os pés elevados algumas vezes por dia
  • em repouso
  • suplementos e medicamentos prescritos pelo seu médico

Isso pode ajudar a manter a pressão arterial saudável e reduzir o risco de pré-eclâmpsia.

Depois do nascimento

Em casos raros, uma mulher pode apresentar pressão alta após o parto. Isto é conhecido como pré-eclâmpsia pós-parto.

Isso pode ocorrer entre alguns dias e algumas semanas depois de ter o bebê. Os principais sintomas são pressão alta e proteína na urina. Os sintomas normais de pré-eclâmpsia, como dores de cabeça intensas e rosto inchado, também podem ocorrer.

É facilmente tratada com medicamentos para pressão arterial e medicamentos que reduzem e previnem convulsões. Os médicos certamente prescreverão medicamentos que não afetarão a capacidade de amamentar.

Complicações

Se a pré-eclâmpsia não for tratada, existe o risco de complicações graves. Complicações são raras se a mulher for às consultas pré-natais. No entanto, se a condição não for diagnosticada por algum motivo, os riscos são consideravelmente maiores.

As seguintes complicações podem se desenvolver na pré-eclâmpsia:

Síndrome HELLP: HELLP pode se tornar uma ameaça à vida muito rapidamente, tanto para a mãe quanto para o bebê. Significa hemólise, enzimas hepáticas elevadas e baixa contagem de plaquetas. É um distúrbio combinado da coagulação do fígado e do sangue que ocorre mais comumente após o parto, mas pode aparecer a qualquer momento após a 20ª semana de gestação. Muito raramente, pode ocorrer de antemão. A única maneira de tratar a síndrome HELLP de forma eficaz é entregar o bebê o mais rápido possível.

Falta de fluxo sangüíneo para a placenta: Se o fluxo de sangue para a placenta é restrito, o bebê pode não estar recebendo oxigênio e nutrientes, o que pode levar a um crescimento mais lento, dificuldades respiratórias e parto prematuro.

Descolamento de placenta: a placenta se separa da parede interna do útero. Em casos graves, pode haver sangramento intenso, o que pode danificar a placenta. Qualquer dano à placenta pode colocar em risco a vida do bebê e da mãe.

Eclâmpsia: Esta é uma combinação de pré-eclâmpsia e convulsões. A mulher pode sentir dor sob as costelas do lado direito do corpo, dor de cabeça intensa, visão embaçada, confusão e diminuição do estado de alerta. Se não for tratada, a mulher corre o risco de entrar em coma, sofrer danos cerebrais permanentes e morrer. A condição é fatal para o bebê também.

Doença cardiovascular: mulheres que têm pré-eclâmpsia têm um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares mais tarde na vida.

A pré-eclâmpsia pode ter algumas consequências a longo prazo para o bebê em desenvolvimento. A pesquisa mostrou que a pressão alta em mulheres grávidas pode afetar as habilidades cognitivas do bebê, que podem levar a vida mais tarde.

Like this post? Please share to your friends: