Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo o que você precisa saber sobre maconha (cannabis)

Globalmente, a maconha (cannabis) é a droga ilícita mais usada. Classificada como substância controlada da Tabela 1, a maconha é uma droga psicoativa que afeta quase todos os órgãos do corpo.

Pesquisas mostram que 34,9% dos alunos da 12ª série nos Estados Unidos usam maconha e que quase 6% dos alunos da 12ª série relatam o uso da droga diariamente.

De acordo com a Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde de 2013 (NSDUH), 19,8 milhões de adultos nos EUA usaram maconha no mês anterior à pesquisa e 81% dos atuais usuários de drogas ilícitas usaram maconha.

Há alguma evidência de que a maconha é útil para aliviar dores severas, náusea e outras condições crônicas. No entanto, existem também inúmeras preocupações com a saúde.

A maconha contém mais de 400 produtos químicos; O THC (delta-9-tetrahydro-cannabinol) é a substância psicoativa chave. Os possíveis efeitos da maconha incluem mudanças de humor, pensamento suicida e interrupção das habilidades normais de aprendizado. Pode também produzir dependência, psicose e dependência.

Fatos rápidos sobre a maconha:

  • O principal ingrediente psicoativo da maconha é o delta-9-tetrahydro-cannabinol (THC).
  • Cannabis contém mais de 113 canabinóides.
  • Os efeitos do uso recreativo da cannabis incluem tontura, sensação de relaxamento, aumento do apetite e redução da pressão arterial.

O que é maconha?

Folha de planta de maconha.

A maconha é derivada dos topos de flores secas, folhas, caules e sementes da planta Cannabis sativa (cânhamo).

A cannabis tem sido usada há centenas de anos pelos humanos para fibras (cânhamo), óleos de sementes, sementes, tratamento médico e recreacionalmente.

O THC atua em receptores celulares específicos do cérebro chamados canabinóides.

Testes mostraram que o THC tem efeitos de analgésicos leves e moderados, e pode ser usado para o tratamento da dor. O THC altera a liberação do neurotransmissor na medula espinhal, resultando em alívio da dor.

O composto também é conhecido por estimular o apetite (informalmente conhecido como “o munchies”) e induzir um estado relaxado, bem como outros efeitos no olfato, na audição e na visão. O THC também pode causar fadiga. Em algumas pessoas, o THC pode reduzir a agressão.

Alguns estudos demonstraram que o THC mostra alguma promessa para o tratamento de náuseas e vômitos – pode ter qualidades antieméticas que o tornam útil para pessoas submetidas a quimioterapia ou outro tipo de tratamento em que a náusea pode ser um efeito colateral.

A maconha medicinal é usada para tratar dor crônica, espasticidade muscular, anorexia, náusea e distúrbios do sono. A maconha medicinal não está sujeita à padronização governamental, tornando seus ingredientes e sua potência desconhecidos.

A maconha pode ser fumada, inalada através de vapor, preparada como um chá, aplicada como um bálsamo, ou consumida em produtos como brownies ou barras de chocolate.

Efeitos

Maconha e Cannabis.

Os efeitos dos mais de 113 canabinóides presentes na cannabis são largamente desconhecidos, mas o agente psicoactivo mais potente identificado até à data é o THC.

Quando uma pessoa fuma cannabis, o THC é rapidamente absorvido pela corrente sanguínea, atingindo o cérebro em poucos minutos.

O corpo absorve o THC mais lentamente quando é ingerido, retardando o início da ação por até 2 horas e prolongando a duração do efeito.

O THC e outros canabinóides na maconha são similares aos canabinóides produzidos pelo corpo. Esses canabinóides naturais agem como neurotransmissores que enviam mensagens químicas entre as células nervosas (neurônios) por todo o sistema nervoso.

Esses neurotransmissores afetam áreas cerebrais envolvidas na memória, pensamento, concentração, movimento, coordenação, percepção sensorial e temporal, bem como prazer. Os receptores que respondem a esses canabinóides também respondem ao THC, que pode alterar e interromper a função cerebral normal.

O THC tem mostrado afetar o hipocampo e o córtex orbitofrontal – áreas do cérebro que controlam a criação e a atenção da memória. O THC também interrompe a função do cerebelo e dos gânglios da base, afetando adversamente o equilíbrio, postura, coordenação e tempo de reação, o que pode tornar inseguro para uma pessoa que usa maconha dirigir um carro, operar máquinas pesadas ou praticar esportes ou outros atividades físicas perigosas.

O THC também estimula certos receptores canabinóides que aumentam a liberação de dopamina, um neurotransmissor relacionado a sentimentos de prazer. Esse efeito, comum a muitas drogas de uso indevido (incluindo heroína, cocaína, anfetamina e nicotina), pode ser a base de suas propriedades reforçadoras e seu uso recreativo. O efeito é revertido pela naloxona, uma droga que bloqueia a ação dos opiáceos; isso sugere um link com o sistema opióide.

As pessoas usam maconha para conseguir uma sensação de alegria (alta), tontura e relaxamento. A maconha também produz mudanças na percepção sensorial; as cores podem parecer mais brilhantes, a música mais viva e as emoções mais profundas.

Quando a cannabis é consumida para fins recreativos, os seguintes efeitos são possíveis:

  • Mudança na percepção – a maconha pode ter efeitos alucinógenos leves, fazendo com que os usuários enxerguem a realidade de forma distorcida.
  • Alteração do humor – alguns podem sentir euforia ou ficarem mais animados, enquanto outros entram em estado de relaxamento.
  • Aumento da frequência cardíaca.
  • Redução da pressão arterial.
  • Prejuízo de concentração e memória.
  • Coordenação psicomotora reduzida.
  • Náusea (apesar do fato de que a cannabis pode tratar os sintomas de náusea).
  • Aumento do apetite
  • Respiração mais rápida.

Dependendo da duração e quantidade de uso, a cannabis ainda pode ser detectada na urina por vários meses após seu último uso.

Riscos

Abaixo estão alguns exemplos de estudos e relatórios que sugerem ou demonstram as conseqüências negativas do consumo de cannabis:

  • Você é significativamente mais propensos a bater seu carro se você dirigir dentro de 3 horas de fumar maconha.
  • O uso de cannabis pode levar à disfunção sexual masculina, de acordo com uma revisão de estudos em animais.
  • Fumar maconha poderia eventualmente suprimir o sistema imunológico do corpo, tornando o usuário mais suscetível a certos tipos de câncer e infecções.
  • O consumo prolongado de maconha pode aumentar o risco de desenvolver psicose.
  • Risco de doença da gengiva – um estudo sugeriu que o consumo de cannabis aumenta o risco de desenvolver doença da gengiva, independentemente de o usuário fumar ou não.
  • Função cerebral reduzida – os pesquisadores descobriram que os usuários regulares de cannabis que começaram antes dos 15 anos de idade tiveram pior pontuação em testes cerebrais do que seus colegas que começaram mais tarde na vida.
  • Perda de memória aguda – fumantes de variedades potentes de cannabis (skunk, por exemplo) podem ter um risco maior de perda de memória aguda.
  • Altera o DNA humano – um estudo britânico descobriu evidências convincentes de que a fumaça da cannabis danifica o DNA humano de tal forma que o usuário pode se tornar mais suscetível ao desenvolvimento de câncer.
  • Câncer testicular – os homens que usam maconha frequentemente ou a longo prazo podem ter um risco consideravelmente maior de desenvolver câncer testicular, de acordo com pesquisadores do Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson.

Vício

A maconha pode viciar e o uso a longo prazo pode causar vários problemas de saúde.

Cannabis, como outros analgésicos, pode causar dependência e dependência. Com o tempo, a superestimulação persistente do sistema endocanabinóide pode causar alterações no cérebro que resultam em dependência; Isso é muito mais provável em pessoas que começam a usar maconha quando jovens e que são usuários pesados.

Estima-se que 9% das pessoas que usam maconha se tornam dependentes da droga. Usuários adolescentes têm um risco de 17% de se tornarem dependentes e 25 a 50% dos usuários regulares (diários) ficam viciados. A retirada abrupta da cannabis pode ser desconfortável, mas não ameaçar a vida.

Retirada de cannabis

A síndrome de abstinência começa no segundo dia de parada e pode persistir por 2 semanas. Os sintomas de descontinuação incluem ansiedade, irritabilidade, insônia, dor de estômago e diminuição do apetite. Problemas de sono podem potencialmente persistir além desse período de tempo.

É importante notar que a “maconha sintética” não é realmente maconha, com algumas pessoas sendo levadas a tentar K2 / Spice (um canabinóide sintético não testado e ilegal).

A extensão total dos riscos de longo prazo para a saúde do uso crônico de cannabis é atualmente desconhecida. Não há como determinar quem desenvolverá sérias reações físicas, psicológicas ou outras indesejadas.

Uso médico

Em 31 de janeiro de 2014, o Instituto Nacional de Abuso de Drogas (NIDA) tinha 28 subsídios de pesquisa ativos relacionados à maconha, investigando seus efeitos em seis diferentes áreas de doenças. Estes incluem doença auto-imune, inflamação, dor, distúrbios convulsivos, distúrbios psiquiátricos e distúrbios do uso de substâncias, abstinência e dependência.

Alguns estudos mostram benefícios específicos de certos tipos de uso de maconha, com a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) atualmente tendo aprovado certos medicamentos baseados em THC para aumentar o apetite e reduzir a náusea.

O THC também pode diminuir a dor, a inflamação e os problemas de controle muscular, mas os medicamentos ainda não foram aprovados para essas condições.

Muitos pesquisadores estão investigando o potencial medicinal do canabidiol, um canabinóide encontrado na maconha que não tem efeitos psicoativos. Este medicamento pode ser útil no alívio da dor e da inflamação, no controle das crises epilépticas e, possivelmente, no tratamento de doenças mentais e vícios.

Outros pesquisadores estão analisando o potencial dos extratos de maconha para atacar e matar as células cancerígenas, em particular como tratamento adjuvante com radioterapia.

Like this post? Please share to your friends: