Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo o que você precisa saber sobre a febre de Lassa

A febre de Lassa é uma doença viral transmitida pelo rato multimamático. Seus sintomas são incrivelmente variados e muitas vezes podem ser fatais.

A doença é endêmica em vários países da África Ocidental. Estima-se que haja entre 100.000 e 300.000 casos de febre de Lassa por ano e aproximadamente 5.000 mortes devido à doença. No entanto, estas são apenas estimativas brutas, pois o relato de casos não é consistente em todas as áreas.

Em algumas áreas da Libéria e Serra Leoa, 10-15% de todas as internações hospitalares são devidas à febre de Lassa, indicando um impacto sério e generalizado nessas áreas.1

Casos recentes de febre de Lassa na Alemanha, Holanda, Reino Unido e EUA em viajantes de companhias aéreas comerciais demonstraram o potencial deste agente patogênico altamente perigoso e contagioso para se espalhar.

Neste artigo, abordaremos as causas, sintomas, diagnóstico e tratamento da febre de Lassa.

Fatos rápidos sobre a febre de Lassa

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a febre de Lassa. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • A febre de Lassa causa cerca de 5.000 mortes por ano
  • A febre de Lassa é disseminada pelo rato multimamático
  • Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria são os mais afetados pela febre de Lassa
  • ratos espalham o vírus através das fezes e da urina
  • Os sintomas da febre de Lassa são variados e incluem problemas pulmonares, cardíacos e neurológicos
  • O diagnóstico do vírus Lassa pode ser desafiador devido à grande variedade de sintomas
  • Cerca de 15% -20% das hospitalizações por febre de Lassa terminam em morte
  • Apenas 20% das infecções causam sintomas graves
  • Não há vacina contra a febre de Lassa atualmente disponível.

O que é a febre de Lassa?

[Tela de febre de Lassa]

A doença foi descoberta pela primeira vez na Nigéria, quando duas enfermeiras missionárias sucumbiram ao vírus em 1969. Seu nome é derivado da vila de Lassa, onde foi documentado pela primeira vez.

A febre de Lassa é uma infecção viral transportada pelo rato multimamático, um dos camundongos mais comuns na África equatorial, encontrado em grande parte da África subsaariana.

A febre de Lassa é predominantemente notificada na Serra Leoa, na Libéria, na Guiné e na Nigéria, mas, devido à alta prevalência do rato nos países vizinhos, estas áreas também estão em risco.

Uma vez infectado, o rato pode excretar o vírus em sua urina, potencialmente pelo resto da vida. Isso torna a propagação da doença preocupantemente fácil quando adicionada ao fato de que esta espécie, como outros ratos, se reproduz facilmente e habita os lares humanos.

O método mais comum de transmissão é o consumo ou inalação de urina ou fezes de ratos. A febre de Lassa também pode se espalhar através de cortes e feridas abertas.

Como os ratos vivem dentro e ao redor da habitação humana, eles freqüentemente entram em contato com alimentos. Os próprios ratos às vezes são comidos e a doença pode se espalhar durante a preparação.

O contato pessoa a pessoa é possível via sangue, tecido, secreções ou excreções, mas não através do toque. A febre de Lassa também pode ser transmitida entre pacientes e funcionários em hospitais mal equipados, onde a esterilização e a roupa de proteção não são padrão.

Sintomas

Os sintomas geralmente aparecem dentro de 1-3 semanas após a infecção. Estima-se que 80% das infecções produzam sintomas tão leves que permanecem sem diagnóstico. Estas infecções leves são caracterizadas por mal-estar geral, cefaléia e febre leve.

Para os 20% de casos em que a febre de Lassa se torna grave, os sintomas podem incluir:

  • Hemorragia – nas gengivas, nariz, olhos ou em outro lugar
  • Dificuldade ao respirar
  • Tosse
  • Vias aéreas inchadas
  • Dor de estômago
  • Vômito e diarréia (ambos com sangue)
  • Dificuldade em engolir
  • Hepatite
  • Rosto inchado
  • Dor no peito, costas e abdômen
  • Choque
  • Perda auditiva (às vezes permanente)
  • Ritmos cardíacos anormais
  • Hipertensão ou hipotensão
  • Pericardite (um inchaço do saco que envolve o coração)
  • Tremores
  • Encefalite
  • Meningite
  • Convulsões

A morte pode ocorrer dentro de 2 semanas após o início dos sintomas, devido à falência múltipla de órgãos. Uma das complicações mais comuns da febre de Lassa é a surdez, ocorrendo em cerca de um terço dos casos. A surdez varia em grau e não está necessariamente relacionada à gravidade dos sintomas. A surdez causada pela febre de Lassa pode ser permanente e total.

Estima-se que 15% -20% das hospitalizações por febre de Lassa terminam em morte, embora, no total, apenas 1% das infecções acabem em fatalidade. As mulheres no terceiro trimestre da gravidez têm taxas de mortalidade particularmente altas. Estima-se que 95% dos fetos morrem se a mãe se infectar.2

Diagnóstico

Como os sintomas da febre de Lassa são tão variados, o diagnóstico pode ser difícil. Clinicamente, a doença pode parecer semelhante a outras febres hemorrágicas virais, incluindo o vírus Ebola, malária e febre tifóide.

Os únicos testes definitivos para a febre de Lassa são baseados em laboratório, onde o manuseio dos espécimes pode ser perigoso; apenas instituições especializadas podem realizar esses testes.3

A febre de Lassa é geralmente diagnosticada pelo uso de ensaios sorológicos imunoenzimáticos (ELISA), que detectam anticorpos IgM e IgG e antígenos de Lassa. A reação em cadeia da polimerase transcricional reversa (RT-PCR) também pode ser usada nos estágios iniciais da doença.

Tratamento

[Criança na África Ocidental]

Se prescrito precocemente, o medicamento antiviral ribavirina provou ser útil no combate ao vírus Lassa; até o momento, entretanto, seu mecanismo de ação ainda está sujeito a debate.4

Durante o curso da doença, é importante gerenciar os níveis de fluidos, o equilíbrio eletrolítico, a oxigenação e a pressão sanguínea no paciente.

Infelizmente, o acesso à ribavirina nas áreas mais afetadas pelo vírus Lassa é limitado. Além disso, a ribavirina é potencialmente tóxica e teratogênica (causadora de mutações), tornando-a uma solução defeituosa.5

A ribavirina não possui uma capacidade profilática e, atualmente, não existe vacina contra a febre de Lassa. No entanto, o trabalho em uma vacina está em andamento, e algumas drogas estão se mostrando promissoras.

Prevenção

O principal impulso na prevenção da febre de Lassa é uma promoção geral da “higiene comunitária”. Armazenar alimentos em recipientes à prova de roedores, manter o lixo longe de casa e manter os gatos de estimação são as principais recomendações.

O rato é tão difundido que não pode ser erradicado de forma realista. Como resultado, um esforço para evitar esses roedores e dissuadi-los de compartilhar a habitação humana é vital.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras organizações estão constantemente trabalhando para educar os indivíduos que vivem em áreas onde a febre de Lassa é uma ameaça. As pessoas estão sendo ensinadas a evitar sangue e outros fluidos corporais ao cuidar de parentes doentes. Essa educação também se estende aos ambientes de saúde.

Padrões básicos de higiene, protocolos de enterramento seguros e equipamentos de proteção, incluindo máscaras e óculos, são de extrema importância.

A luta contra a febre de Lassa está apenas começando; muito mais pesquisas precisarão ser realizadas se os tratamentos forem encontrados.

Desenvolvimentos recentes em doenças virais da MNT news

Zika vírus cruzou a placenta em dois casos de microcefalia no Brasil

Um novo estudo descreve como o líquido amniótico recuperado no Brasil de duas mulheres grávidas com fetos diagnosticados com microcefalia mostrou evidências de zika vírus.

O vírus chikungunya transmitido por mosquitos causa inflamação cerebral grave

O vírus chikungunya, transmitido por mosquitos, pode levar a graves infecções cerebrais e até a morte em bebês e pessoas com mais de 65 anos, de acordo com resultados publicados em 2007.

Like this post? Please share to your friends: