Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Tudo o que você precisa saber sobre a eclâmpsia

A eclâmpsia é uma condição médica grave que afeta as mulheres durante a gravidez.

Embora os sintomas freqüentemente apareçam durante a gravidez como uma condição conhecida como pré-eclâmpsia, a condição pode passar despercebida até que se desenvolva em eclâmpsia. Isso pode criar complicações adicionais durante a gravidez.

O que causa a eclâmpsia e quais são os fatores de risco para a doença? Quais os sintomas que as pessoas podem procurar durante a gravidez que podem indicar o desenvolvimento de eclâmpsia?

O que é eclampsia?

senhora grávida, tendo sua pressão arterial tirada

A eclâmpsia é uma condição que ocorre apenas durante a gravidez e provoca convulsões, geralmente no final da gravidez. É uma condição rara, afetando 1 em cada 2.000-3.000 gravidezes a cada ano.

A condição segue uma desordem de pressão alta chamada pré-eclâmpsia. Na pré-eclâmpsia, os níveis elevados de pressão arterial na mãe reduzem o suprimento de sangue para o feto. Isso pode significar que o feto não recebe tanto oxigênio e nutrientes quanto deveria.

Muitas das gestações afetadas por eclâmpsia ou pré-eclâmpsia são as primeiras gestações. Cerca de 70 por cento dos casos nos Estados Unidos são na primeira gravidez.

Embora a eclâmpsia possa ser fatal se não for tratada, é muito raro que as mulheres grávidas morram da doença nos países desenvolvidos. Globalmente, a eclâmpsia é responsável por aproximadamente 14% das mortes maternas. Na maioria dos casos, os sintomas da pré-eclâmpsia são leves e não requerem intervenção além do monitoramento e possivelmente da mudança da dieta.

Pré-eclâmpsia vs. eclâmpsia

A eclâmpsia é o estágio final da pré-eclâmpsia e requer atenção médica imediata. A maioria dos casos é detectada no início da gravidez antes que possam progredir para eclâmpsia.

Enquanto não há cura para a pré-eclâmpsia, os médicos prescrevem medicamentos para reduzir a pressão arterial ou medicamentos anticonvulsivantes para evitar convulsões.

Com pré-eclâmpsia e eclâmpsia, a única cura é a mãe afetada dar à luz. Casos leves de pré-eclâmpsia podem ser monitorados durante a gravidez para determinar se é ou não seguro deixar a gravidez ir a termo.

Casos mais graves podem exigir intervenção imediata, muitas vezes na forma de indução ou parto cesáreo. Mais comumente, um parto cesáreo será necessário para evitar o aumento da pressão arterial que é freqüentemente visto durante o parto.

Condições associadas

A eclâmpsia tem algumas condições associadas que podem apresentar sintomas ou condições isoladas. Essas condições incluem:

  • Edema: inchaço dos tecidos causado pelo acúmulo de líquido nos tecidos. Isso geralmente se apresenta como inchaço nas extremidades.
  • Edema pulmonar: Causa o mesmo acúmulo de líquido nos pulmões, o que pode causar dificuldade para respirar.
  • Dor de cabeça: Possivelmente causada pela pressão alta causada por eclâmpsia.
  • Diabetes gestacional: sintomas de diabetes causados ​​pela gravidez, que podem fazer com que o bebê ganhe peso excessivo durante a gestação.

Diabetes gestacional pode ser tratado com uma combinação de mudanças na dieta e medicação. Como dito antes, cada caso de eclâmpsia é diferente. As pessoas podem desenvolver qualquer um desses sintomas ou nenhum.

Causas

grávida senhora mais velha

Os pesquisadores ainda não descobriram uma causa definitiva para a doença. Cada caso de eclâmpsia é único, e a gestante pode compartilhar poucas ou nenhuma característica com outras mulheres que desenvolvem a condição.

A maioria dos estudos recentes se concentrou em determinar os fatores de risco para pré-eclâmpsia no início da gravidez para prevenir ou prever o desenvolvimento da doença mais tarde.

Fatores de risco

Os fatores de risco para pré-eclâmpsia e eclâmpsia variam de paciente para paciente. Fatores que devem ser levados em consideração são:

  • História da gravidez: A maioria dos casos de pré-eclâmpsia ocorre na primeira gestação. Gravidezes anteriores com resultados ruins também podem aumentar o risco de desenvolver eclâmpsia.
  • Idade do paciente: Gravidezes e gravidezes na adolescência em mulheres com mais de 35 anos têm um risco aumentado de desenvolver eclâmpsia.
  • História familiar: Casos de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia em membros da família podem sinalizar uma predisposição genética para a condição.
  • Obesidade: Mulheres obesas correm maior risco de desenvolver eclâmpsia do que outras.
  • Hipertensão arterial: Pacientes com pressão alta em longo prazo correm maior risco de desenvolver eclâmpsia do que outros.

Outras condições médicas, incluindo lúpus, diabetes gestacional e doença renal, também aumentam as chances de desenvolver eclâmpsia.

Sintomas

Os sintomas da eclâmpsia podem se apresentar a qualquer momento durante a gravidez. Também pode haver muito poucos sintomas, levando a uma mulher a desenvolver eclâmpsia sem que seja detectada por profissionais da área médica.

Os sintomas mais comuns da pré-eclâmpsia incluem:

  • dores de cabeça severas
  • ganho de peso excessivo durante a gravidez – mais de 2 quilos por semana
  • náusea, vômito ou dor de estômago
  • inchaço das mãos, pés e rosto

Se a pré-eclâmpsia evoluir para eclâmpsia, os sintomas também podem incluir:

  • dor muscular
  • convulsões

Não há cura para a pré-eclâmpsia, exceto a entrega do bebê. Se for detectado precocemente, os sintomas podem ser administrados com remédios e repouso para manter a pressão alta baixa. Medicamentos anticonvulsivantes também podem ser usados ​​para prevenir a ocorrência de uma convulsão no caso de pré-eclâmpsia grave progredir para eclâmpsia.

Quando ver um médico

Par jovem, reunião, com, um, doutor

Enquanto as mulheres grávidas devem consultar um médico regularmente para o pré-natal, elas devem marcar uma consulta imediatamente se aparecer algum sintoma de pré-eclâmpsia.

Além disso, qualquer pessoa que tenha sangramento, dores de cabeça intensas ou movimentos fetais reduzidos deve procurar seu médico o mais rápido possível.

Durante consultas pré-natal regulares, o médico também fará exames de sangue e urina para procurar:

  • proteína na urina
  • pressão alta
  • função do fígado

A presença de níveis elevados de proteína na urina pode ser um indicador precoce de pré-eclâmpsia, assim como pode diminuir a função renal.

Dependendo da gravidade dos sintomas, o médico pode prescrever alterações na dieta, repouso no leito ou medicamentos para baixar a pressão arterial e prevenir convulsões.

Tratamento

No passado, as mulheres que lidavam com as complicações da pré-eclâmpsia foram orientadas por especialistas em saúde para tomarem uma dose baixa de aspirina diariamente após 12 semanas de gravidez.

A única maneira de curar os sintomas da eclâmpsia é entregar o bebê. Permitir que a gravidez continue enquanto a mãe tem eclâmpsia pode resultar em complicações.

Na maioria dos casos, os sintomas da eclâmpsia se resolvem dentro de 6 semanas após o nascimento do bebê. Em casos raros, pode haver danos permanentes aos órgãos vitais, e é por isso que é tão importante que as mulheres mantenham seus prestadores de cuidados informados sobre seus sintomas.

Se alguém tiver algum sintoma semelhante aos listados acima, é essencial marcar uma consulta imediatamente. As pessoas devem conhecer seus fatores de risco e certificar-se de que elas sejam mencionadas a um médico durante a primeira consulta, para que o médico esteja preparado para a possibilidade do diagnóstico.

O objetivo geral é ter uma gravidez saudável e dar à luz um bebê feliz e saudável. Prestar atenção à saúde é a melhor maneira de fazer isso.

Like this post? Please share to your friends: