Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Toxina de E. coli associada à doença inflamatória intestinal

Uma nova pesquisa sugere que uma toxina produzida pelas bactérias pode ser o que desencadeia a inflamação na doença inflamatória intestinal.

mulher com dor de estômago

O termo doença inflamatória do intestino (DII) descreve condições caracterizadas por inflamação crônica no trato gastrointestinal, como a doença de Crohn e a colite ulcerativa.

Nos Estados Unidos, estima-se que 3 milhões de pessoas vivam com a doença.

Embora a causa exata da DII seja desconhecida, os pesquisadores sabem que ela é causada por uma reação exagerada do sistema imunológico ao trato gastrointestinal, que causa inflamação.

Essa reação tende a ocorrer em pessoas geneticamente predispostas à condição. No entanto, também existem fatores ambientais que desencadeiam essa resposta imunológica – e esses fatores permanecem um mistério.

Agora, os cientistas podem ter tropeçado em uma descoberta interessante que nos pistas em um tal gatilho potencial.

Pesquisadores do John Innes Center, em Norwich, Reino Unido, trabalhando em colaboração com o Hospital Brigham and Women (BWH) em Boston, MA, acham que subprodutos de uma toxina chamada microcin B17 podem causar inflamação na DII.

O Microcin B17 é produzido por – uma bactéria que é frequentemente encontrada nas entranhas de seres humanos e outros animais.

produz microcin B17, a fim de combater outras bactérias no intestino. Isso tornou a toxina potencialmente útil na busca por um novo antibiótico – algo que a equipe de pesquisadores sediada no Reino Unido vinha investigando há algum tempo antes de o grupo de Boston entrar em contato com eles.

O primeiro autor do novo trabalho é Shankar S. Iyer, do BWH, e Harvard Medical School, em Boston, e os resultados foram publicados na revista.

Uma ‘descoberta casual’ pode explicar o DII

O prof. Tony Maxwell, que liderou a equipe baseada no Reino Unido, explica como eles se depararam com o link:

“Este é um grande achado casual. Nós estudamos essa toxina por suas propriedades antibacterianas e fomos contatados pelo Prof. Richard Blumberg, que lidera o grupo de Boston por razões bem diferentes – eles pensaram que poderia haver uma conexão entre a toxina e a DII. “

Para ver se este era o caso, os pesquisadores experimentaram usando modelos de rato de colite e culturas de células do cólon. Eles também projetaram uma versão sintética do microcin B17 para ver se induziria inflamação no cólon dos camundongos.

Os cientistas descobriram que, de fato, a microcina B17 induz a inflamação intestinal in vivo. Esta inflamação foi dependente das proteínas CD1d.

As proteínas CD1d são moléculas que “medeiam a apresentação de antígenos principalmente lipídicos e glicolipídicos” às células T – um tipo de glóbulo branco que desempenha um papel fundamental na imunidade.

O Prof. Maxwell explica as descobertas, dizendo que “as bactérias que vivem dentro de nós têm muito impacto no bem-estar”.

“A reviravolta aqui é que não são as bactérias, mas a toxina produzida pelas bactérias que parece ter efeito.”

Tony Maxwell

“Eles produzem essas toxinas para matar seus vizinhos em sua luta por nichos ecológicos, mas parece que os produtos de decomposição da toxina podem iniciar a inflamação intestinal”, acrescenta o pesquisador.

Além disso, a pesquisa também sugere que os oxazóis dietéticos e microbianos, em geral, desencadeiam a inflamação intestinal.

Os oxazóis são uma classe de compostos orgânicos aromáticos que possuem propriedades antibacterianas, antifúngicas e anti-inflamatórias, o que os torna uma boa base para vários antibióticos, entre outras aplicações.

Fred Collin, um pesquisador de pós-doutorado no laboratório do Prof. Maxwell e co-autor do estudo, diz: “Essas descobertas irão avançar nossa compreensão de como a inflamação intestinal associada à DII pode ser desencadeada e oferecer uma nova esperança de terapia futura potencial”.

Like this post? Please share to your friends: