Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

TOC ligado à inflamação no cérebro

Transtorno obsessivo-compulsivo é uma condição intrusiva que permanece difícil de tratar. Isso se deve, em parte, às causas por trás da desordem que permanecem ocultas. Pesquisa recente, no entanto, aponta o dedo para a inflamação do cérebro.

Mulher lavando as mãos OCD

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é caracterizado por obsessões e compulsões incontroláveis. Indivíduos com TOC podem experimentar pensamentos intrusivos que produzem ansiedade ou a necessidade de repetir certas ações para aliviar a ansiedade reprimida.

As obsessões comuns no TOC giram em torno da limpeza, dos tabus sexuais, dos pensamentos agressivos e da simetria.

Afetando cerca de 1% das pessoas nos Estados Unidos, cerca de metade dos casos de TOC são classificados como graves.

O TOC é geralmente tratado com terapias da fala – em particular, recomenda-se um tipo de terapia comportamental cognitiva chamada exposição e prevenção de resposta. Existem também alguns medicamentos disponíveis, sendo os inibidores seletivos de recaptação de serotonina os mais comumente prescritos. Atualmente, no entanto, as terapias funcionam apenas para cerca de 70% dos indivíduos afetados pelo TOC.

Um dos maiores obstáculos para encontrar bons tratamentos é que as causas físicas do TOC não são conhecidas.

Inflamação e TOC

Rompendo a pesquisa publicada esta semana, analisa o papel da inflamação cerebral no TOC. O principal autor do estudo é o Dr. Jeffrey Meyer, chefe do Programa de Neuroimagem em Humor e Ansiedade no Centro de Dependência e Saúde Mental em Toronto, Canadá.

A inflamação é um processo natural; é um componente normal da resposta imune e uma reação padrão ao dano. No entanto, se o nível de inflamação for inadequado ou persistir por muito tempo, isso pode ter consequências negativas. Por exemplo, em várias doenças, incluindo artrite reumatóide e aterosclerose, a inflamação está fortemente envolvida.

Evidências crescentes sugerem que certas condições psiquiátricas podem envolver neuroinflamação, algumas das quais incluem transtorno depressivo maior, esquizofrenia e bipolar.

O Dr. Meyer e sua equipe começaram a entender se a inflamação no cérebro poderia desempenhar um papel no desenvolvimento do TOC. Para isso, recrutaram 40 participantes, sendo 20 com TOC e 20 sem. Cada um foi escaneado usando tomografia por emissão de pósitrons que havia sido adaptada para identificar e medir a inflamação no cérebro.

Especificamente, os pesquisadores conseguiram tingir seletivamente a microglia, que são células que atuam como a defesa imunológica mais proeminente do sistema nervoso e que são ativadas durante a inflamação. Os pesquisadores mediram os níveis de microglia em seis regiões do cérebro conhecidas por serem importantes no TOC, incluindo o córtex orbitofrontal e o córtex cingulado anterior.

Os resultados foram claros: nas regiões cerebrais associadas ao TOC, os indivíduos com o distúrbio tiveram 32% mais inflamação quando comparados com pessoas sem essa condição.

“Esta descoberta representa um dos maiores avanços na compreensão da biologia do TOC e pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos”.

Dr. Jeffrey Meyer

Da inflamação ao tratamento

Outro achado interessante foi que os indivíduos que relataram os níveis mais altos de estresse quando tentavam se impedir de agir sob compulsões também tinham os níveis mais altos de inflamação em uma determinada região do cérebro.

Como muitas doenças envolvem inflamação, já existe uma variedade de medicamentos destinados a combatê-la. Porque estas drogas já existem no mercado, pode ser uma avenida produtiva de pesquisa na busca de tratamentos mais eficazes para o TOC.

“Medicamentos desenvolvidos para combater a inflamação do cérebro em outros distúrbios podem ser úteis no tratamento do TOC”, diz Meyer. “O trabalho precisa ser feito para descobrir os fatores específicos que contribuem para a inflamação do cérebro, mas encontrar uma maneira de reduzir os efeitos nocivos da inflamação e aumentar seus efeitos úteis pode nos permitir desenvolver um novo tratamento muito mais rapidamente”.

Estão em andamento estudos que examinam a possibilidade de projetar um teste de marcadores sanguíneos que possa distinguir quais pacientes se beneficiariam mais com os antiinflamatórios.

Embora, como sempre, mais pesquisas sejam necessárias, essa descoberta pode marcar um avanço significativo na compreensão e no tratamento do TOC.

Saiba como certas mutações genéticas podem causar comportamentos semelhantes ao TOC.

Like this post? Please share to your friends: