Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Terapia gênica pode prevenir a doença de Alzheimer, sugere estudo

Um tratamento genético que fornece um vírus para um gene no cérebro pode ser usado para tratar a doença de Alzheimer em estágio inicial, diz uma pesquisa publicada na revista.

[placas amilóides]

A doença de Alzheimer é o tipo mais comum de demência. Afeta mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo, trazendo perda de memória, confusão e alterações de personalidade ou humor. Atualmente não há cura.

Em 2013, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimaram que até 5 milhões de pessoas viviam com a doença de Alzheimer nos Estados Unidos. Em 2014, 93.541 mortes foram atribuídas à doença, tornando-se a sexta principal causa de morte nos EUA.

Cientistas do Imperial College London, no Reino Unido, já usaram um vírus modificado para entregar um gene, conhecido como PGC1-alpha, às células cerebrais dos camundongos. Eles descobriram que reduziu o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

O vírus é chamado de vetor de lentivírus e é comumente usado em terapia gênica.

Com base na pesquisa de laboratório anterior, a equipe previu que poderia impedir que uma proteína chamada peptídeo beta-amilóide se formasse nas células.

Placas amilóides são aglomerados pegajosos de proteína que ocorrem no cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. Acredita-se que eles sejam responsáveis ​​pela morte das células cerebrais. O peptídeo beta-amilóide é o principal componente dessas placas.

O professor Nicholas Mazarakis, co-autor do estudo, explica como os cientistas podem transformar o modo como o lentivírus infecta as células a seu favor; envolve a produção de uma versão modificada do vírus e sua utilização para entregar genes em células específicas.

Os cientistas já estão usando a técnica para pesquisar tratamentos para artrite, câncer e outras condições. Em ensaios clínicos, a equipe atual usou com sucesso para entregar genes para o cérebro de pessoas com doença de Parkinson.

O córtex e o hipocampo

Neste último estudo, os pesquisadores injetaram o vírus em duas áreas do cérebro de camundongos: o córtex e o hipocampo próximo.

Acredita-se que o mal de Alzheimer comece no córtex e, em seguida, se espalhe gradualmente até o hipocampo. O primeiro dano pode ocorrer de 10 a 20 anos antes que a doença se torne visível externamente.

O córtex está associado à memória de longo prazo, raciocínio, pensamento e humor. Danos podem resultar em depressão e dificuldade em descobrir como realizar tarefas familiares.

O hipocampo é instrumental na aprendizagem, na conversão de memórias de curto prazo em memórias de longo prazo e na orientação. Danos ao hipocampo podem levar a pessoa a esquecer eventos recentes, como o que eles fizeram esta manhã. É também a razão pela qual as pessoas com Alzheimer se perdem em rotas familiares – por exemplo, não conseguem encontrar o caminho de casa.

Desenvolvimento mais lento de placas amilóides

Os ratos que receberam o tratamento tinham o estágio inicial de Alzheimer. Eles ainda não haviam desenvolvido placas amilóides. Eles foram injetados com o vírus adaptado contendo o gene PGC1-alfa.

Quatro meses após as injeções, os testes mostraram que os ratos que receberam o gene tinham muito poucas placas amilóides, uma memória melhor e nenhuma perda de células cerebrais no hipocampo. Aqueles que não haviam sido tratados tinham múltiplas placas no cérebro.

Para testar a memória, a equipe substituiu um objeto familiar nas gaiolas do mouse por um novo item. Aqueles com uma memória saudável exploraram o novo objeto por mais tempo. Os ratinhos tratados tiveram um desempenho tão bom quanto os ratos saudáveis.

Os ratos tratados também tiveram um menor número de células gliais. Na doença de Alzheimer, acredita-se que as células da glia causem dano celular adicional pela liberação de substâncias inflamatórias tóxicas.

“Embora essas descobertas sejam muito precoces, elas sugerem que essa terapia genética pode ter potencial uso terapêutico para os pacientes. Há muitos obstáculos a serem superados e, no momento, a única maneira de entregar o gene é por meio de uma injeção diretamente no cérebro.” este estudo de prova de conceito mostra que esta abordagem merece uma investigação mais aprofundada “.

Autora sênior, Dra. Magdalena Sastre

Os autores esperam que as descobertas possam abrir um novo caminho para futuras terapias, seja para prevenir a doença ou para interrompê-la nos estágios iniciais. Eles esperam começar a analisar como aplicar o tratamento em seres humanos, embora ressaltem que levará anos até que ele possa ser usado em um ambiente clínico.

Eles acreditam que este tratamento seria melhor usado nos estágios iniciais da doença de Alzheimer, quando os sintomas aparecem pela primeira vez.

David Reynolds, diretor científico da Alzheimer’s Research UK, considera os resultados “um passo promissor no caminho para o desenvolvimento de tratamentos para essa condição devastadora”.

PGC1-alfa desempenha um papel na regulação do metabolismo de açúcar e gordura no corpo. Outros estudos sugeriram que o exercício físico e o resveratrol – um composto presente no vinho tinto – podem aumentar os níveis de PGC1-alfa.

Saiba como o sucesso nos testes de memória verbal pode significar que algumas mulheres estão perdendo um diagnóstico precoce para a doença de Alzheimer.

Like this post? Please share to your friends: