Suplementos de vitamina D e boa noite de sono podem ajudar a controlar a dor

Após uma revisão de pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores propõem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de controlar a dor em condições como artrite, dor crônica nas costas, fibromialgia e cólicas menstruais.

[vitamina d para dor]

A revisão – de pesquisadores do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo – é publicada no.

Os pesquisadores explicam que, embora o papel da vitamina D no metabolismo ósseo esteja bem estabelecido, também há evidências de que ele participa de outros processos biológicos, como o processamento de sinais sensoriais e a regulação do sono.

Outro elo bem estabelecido é o que liga a dor à perturbação do sono. O que não está claro, no entanto, é como a vitamina D se encaixa nesse relacionamento.

Em sua revisão, os pesquisadores analisam estudos recentes que examinam as ligações entre a vitamina D, o sono e a dor. Eles também sugerem que os profissionais de saúde devem considerar essas associações quando recomendam tratamentos para pacientes com todos os tipos de condições de dor, incluindo dor lombar crônica, fibromialgia, artrite e cólicas menstruais.

A autora sênior, Dra. Monica Levy Andersen, diz: “Podemos supor que a suplementação adequada de vitamina D combinada com a higiene do sono pode otimizar o tratamento terapêutico de doenças relacionadas à dor, como a fibromialgia”.

Ela enfatiza a importância de compreender os mecanismos que ligam o sono, a vitamina D e a dor – como as vias imunológica e neurobiológica.

O manejo da dor é uma área complexa da medicina que abrange uma vasta gama de pesquisas e tratamentos. A dor afeta mais pessoas nos Estados Unidos do que doenças cardíacas, câncer e diabetes combinadas.

A dor é o motivo mais comum para os indivíduos americanos terem acesso ao sistema de saúde, e é responsável por uma grande proporção dos custos de saúde do país.

Duas maneiras pelas quais a vitamina D influencia a sensibilidade à dor

Em seu artigo, os pesquisadores classificaram a dor em três tipos principais: nociceptiva (decorrente de lesão ou dano ao tecido e detectada pelos neurônios sensoriais); neuropática (decorrente de doença ou lesão do sistema nervoso); e dor que tem uma origem emocional.

Eles explicam como a dor é regulada tanto pelo sistema nervoso central (o cérebro e medula espinhal) quanto pelo sistema nervoso periférico (que inclui a parte que capta sinais dos neurônios sensoriais e os transmite ao cérebro e à medula espinhal).

Eles também descrevem como a interação entre o sistema imunológico e o sistema nervoso periférico – por exemplo, na inflamação – pode aumentar a sensibilidade à dor (conhecida como hiperalgesia).

Novas pesquisas também mostram que há duas maneiras pelas quais a vitamina D pode afetar a sensibilidade à dor: uma é através de sua influência no sono, e a outra é através de sua influência na inflamação.

Em seu artigo, os pesquisadores destacam os 19 estudos “mais relevantes” (publicados entre 2011 e 2017) que examinaram o papel da vitamina D no distúrbio do sono. Os estudos exploraram condições como a síndrome das pernas inquietas, a apneia obstrutiva do sono e a narcolepsia, ou usaram medidas mais gerais, como a qualidade do sono e a duração do sono.

Eles também destacam outros 16 estudos (publicados entre 2008 e 2017) que eles consideram mais relevantes para o exame da ligação entre a vitamina D e as condições de dor crônica. As condições abordadas incluíam: dor musculoesquelética, fibromialgia, artrite reumatoide, doença falciforme, câncer e dor lombar.

Hipótese de trabalho para futuras pesquisas

Após a revisão, os autores propõem uma hipótese de trabalho para futuras pesquisas. Isso sugere que “a dor crônica e os distúrbios do sono compartilham uma relação bidirecional, na qual a deficiência de vitamina D pode desempenhar um papel importante”.

A hipótese propõe que a vitamina D – em sua forma biologicamente ativa – atua estimulando a resposta antiinflamatória produzida pelas células imunes. Isso reduz a sensibilidade à dor, que, por sua vez, melhora a qualidade do sono.

Portanto, os autores sugerem que os suplementos de vitamina D – juntamente com uma boa higiene do sono – poderiam melhorar a eficácia das abordagens de controle da dor usadas para tratar uma série de condições.

Este poderia ser um meio simples, mas eficaz, de melhorar a qualidade de vida dos pacientes e reduzir a carga sobre os cuidados de saúde, observam eles.

Sof Andrikopoulos, professor assistente da Universidade de Melbourne, na Austrália, comentou sobre a importância das descobertas, que descreve como “muito animador e inovador”. Ele adiciona:

“Estamos desvendando os possíveis mecanismos de como a vitamina D está envolvida em muitos processos complexos, incluindo o que esta revisão mostra – que uma boa noite de sono e níveis normais de vitamina D podem ser uma maneira eficaz de controlar a dor”.

Saiba como a dieta pode afetar os sintomas da fibromialgia.

Like this post? Please share to your friends: