Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Síndrome de Wallenberg: o que você precisa saber

A síndrome de Wallenberg, ou síndrome medular lateral, como é conhecida clinicamente, é uma condição que afeta o sistema nervoso central.

É frequentemente causada por um acidente vascular cerebral que ocorre no tronco cerebral, especificamente no aspecto lateral da medula.

Quando o sangue rico em oxigênio não consegue alcançar partes do tronco cerebral devido a um derrame ou outra condição, muitos sintomas podem ocorrer.

Algumas pessoas podem estar mais expostas à síndrome de Wallenberg do que outras, embora isso não seja simples.

O tratamento geralmente envolve reduzir ou melhorar os sintomas. As perspectivas de longo prazo para as pessoas com síndrome de Wallenberg podem variar muito.

Sintomas

diagrama do tronco cerebral

O tronco cerebral é composto de várias partes e conecta o cérebro ao resto do corpo, e controla o fluxo de mensagens e sinais químicos entre essas duas áreas.

O tronco cerebral afeta funções básicas do corpo, como engolir, respirar e batimentos cardíacos. Até controla a consciência e como a pessoa está acordada ou adormecida.

A falta de fluxo sanguíneo e oxigênio no tronco cerebral pode causar sérios problemas em todo o corpo, incluindo a síndrome de Wallenberg.

Um sintoma comum entre as pessoas que têm síndrome de Wallenberg é dificuldade em engolir. Algumas pessoas podem não conseguir engolir nada.

Também pode causar problemas em como os músculos respondem aos comandos do cérebro. Uma pessoa pode ter dificuldade em perceber certos sentidos por causa disso, especialmente seu senso de toque.

Outros sintomas da síndrome de Wallenberg podem incluir:

  • dificuldade ao respirar
  • dificuldade em falar
  • soluços severos e persistentes
  • náusea
  • vômito
  • dor de cabeça
  • rouquidão na voz
  • movimentos rápidos dos olhos em muitas direções
  • tontura ou vertigem
  • caindo e problemas com o equilíbrio
  • flutuações nas sensações da temperatura corporal, como ondas de calor ou calafrios
  • sudorese reduzida

A síndrome de Wallenberg também pode causar mais sintomas incomuns no organismo. Algumas pessoas podem experimentar alterações neurológicas em um lado do corpo, como se sentir mais frio de um lado.

As pessoas podem sentir dor, ardor ou dormência completa em um lado do corpo também. Essa sensação pode ocorrer em todo o corpo, mas é mais comum em áreas como braços, pernas e face.

Algumas pessoas relatam sentir que o mundo à sua volta está desequilibrado ou que as coisas estão inclinadas para um lado da sala. Algumas pessoas podem experimentar mudanças drásticas na frequência cardíaca ou pressão arterial.

Indivíduos que experimentam algum ou todos esses sintomas devem discuti-los com um médico se a causa deles não for conhecida. Eles podem ser um sinal da síndrome de Wallenberg ou outro distúrbio sério.

Causas e fatores de risco

A síndrome de Wallenberg é geralmente causada por um derrame, que ocorre quando o fluxo sanguíneo para uma área na parte de trás do cérebro é interrompido. Isso faz com que as células afetadas e os nervos morram devido à falta de oxigênio. Essas células cerebrais e nervos que estão morrendo causam sintomas nas áreas que eles controlam.

Senhora mais velha sendo examinada por um GP

Os sintomas também podem ser causados ​​ou influenciados por muitos outros distúrbios, incluindo:

  • Câncer
  • ferimentos na cabeça ou no pescoço
  • aneurisma
  • inflamação da parede da artéria no pescoço
  • hematoma ou um coágulo sanguíneo anormal
  • encefalite do tronco cerebral devido a herpes
  • esclerose múltipla
  • tuberculoma do tronco cerebral, que é uma forma rara de tuberculose
  • certas infecções, como a infecção por varicela

Algumas pessoas podem estar mais expostas à síndrome de Wallenberg do que outras, embora ainda não se saiba exatamente por que esse tipo de dano ocorre.

Pode haver uma conexão entre certas condições e os sintomas da síndrome de Wallenberg. As pessoas que têm histórico de coágulos sanguíneos, doença cardíaca, tabagismo, gravidez, parto recente e problemas de circulação podem estar em maior risco. Lesões de cabeça e pescoço também podem ser um fator contribuinte em algumas pessoas.

Outros distúrbios, como esclerose múltipla, herpes e câncer, também podem colocar uma pessoa em risco maior de síndrome de Wallenberg.

Diagnóstico

A síndrome de Wallenberg pode parecer fácil de identificar, mas os médicos vão querer ter certeza de que não estão confundindo sintomas com os de outro transtorno.

Os médicos ouvirão o indivíduo descrever seus sintomas e revisarão sua saúde e histórico médico antes de seguir em frente. O médico irá realizar um exame neurológico completo e provavelmente vai querer realizar alguma forma de teste de imagem.

Tirar fotografias do tronco cerebral e avaliar o fluxo sangüíneo usando tomografia computadorizada ou ressonância magnética (Ressonância Magnética) ajuda a identificar se o aspecto lateral da medula é afetado. Esses exames de imagem fornecem uma visão precisa dentro do corpo, facilitando a identificação de um bloqueio nas artérias e danos ao tronco encefálico.

Tratamento

terapia de fala

Não há cura simples para a síndrome de Wallenberg.

O objetivo do tratamento é minimizar os sintomas, tanto quanto possível, enquanto gerencia os que não podem ser resolvidos. Compreender a causa dos sintomas é um passo necessário no tratamento.

Terapia e reabilitação são aspectos importantes do tratamento da síndrome de Wallenberg. Os médicos podem encaminhar a pessoa para um fonoaudiólogo se tiverem dificuldade para mover a boca e a língua ou se tiverem problemas para engolir.

Em situações severas em que os pacientes não conseguem engolir, pode ser necessário um tubo de alimentação, bem como terapia de deglutição.

Os médicos provavelmente prescrevem medicamentos para certos sintomas. Se um derrame de formação de coágulo causasse os sintomas, os médicos podem prescrever diluentes de sangue para ajudar a quebrar ou dissolver qualquer bloqueio na artéria que causou o dano. Diluentes de sangue também podem reduzir o risco de formação de coágulos sanguíneos no futuro.

Os médicos podem recomendar que uma pessoa com síndrome de Wallenberg tome uma dose baixa de uma droga, como a aspirina, pelo resto da vida, para reduzir as chances de outro derrame.

Os médicos também podem prescrever medicamentos de controle da dor para ajudar a tratar a dor de longa duração. Algumas pessoas podem se beneficiar do uso de drogas anticonvulsivas, anticonvulsivas ou antiepilépticas.

Um dos sintomas mais difíceis de tratar são os soluços persistentes, que muitas pessoas com síndrome de Wallenberg experimentam. Esses soluços podem ser violentos e dolorosos às vezes e podem dificultar a ingestão, a fala ou até mesmo o sono de uma pessoa.

Os soluços podem durar dias ou semanas de cada vez. Um relaxante muscular chamado baclofeno pode ser benéfico para ajudar pacientes com soluços crônicos, mas o tratamento pode ser difícil.

Pesquisa e suporte

Existe uma rede de grupos trabalhando para pesquisar a síndrome de Wallenberg e fornecer apoio para aqueles que a possuem.

O Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS) realiza pesquisas sobre a síndrome de Wallenberg e apóia pesquisas adicionais através de outras instituições. O objetivo desta pesquisa é encontrar melhores formas de prevenir ou tratar esses sintomas enquanto busca uma cura, se houver, dependendo da causa.

Outras organizações que apóiam a pesquisa e o alcance da síndrome de Wallenberg incluem:

  • National Stroke Association
  • Associação Americana do Coração
  • Centro Nacional de Informação sobre Reabilitação (NARIC)

O conhecimento adquirido em qualquer site não substituirá o benefício de trabalhar diretamente com um médico experiente e uma equipe de terapia em direção aos objetivos do tratamento.

Outlook

A perspectiva da síndrome de Wallenberg varia de pessoa para pessoa. Depende em grande parte do tamanho e causa do derrame.

Sintomas diferentes podem aparecer dependendo de quanto da medula lateral foi danificada. Algumas pessoas vêem uma diminuição em seus sintomas nos meses seguintes a um derrame, enquanto o cérebro se recupera, enquanto outras podem ficar com deficiências neurológicas por anos após o derrame inicial.

Outras causas podem afetar quanto tempo os sintomas duram. Indivíduos devem discutir suas perspectivas de longo prazo com seu médico.

É importante que qualquer pessoa que tenha síndrome de Wallenberg siga qualquer plano de tratamento para obter as melhores ferramentas possíveis para a recuperação.

Like this post? Please share to your friends: