Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Qual o efeito da cafeína na depressão?

Muitas pessoas não podem enfrentar o dia sem alguma forma de cafeína, especialmente no início da manhã. No chá e café, a cafeína é muitas vezes parte de um ritual diário que ajuda as pessoas durante o dia.

O mundo médico é dividido, no entanto, quando se trata dos benefícios e riscos da cafeína. Seu impacto na saúde mental é muito debatido. Muitos acreditam que a cafeína pode aliviar a depressão, enquanto outros advertem que isso pode piorar a situação.

Este artigo procurará analisar os dois lados do debate e, ao mesmo tempo, analisar os efeitos de outros alimentos na depressão.

Possíveis efeitos positivos

Um homem mais velho e mulher desfrutar de uma gargalhada com uma xícara de café

Estudos médicos sobre a relação entre a ingestão de cafeína e depressão, particularmente quando consumidos em café e chá, geralmente mostram que a cafeína pode reduzir a incidência de depressão. Alguns até chegam a sugerir que a cafeína pode reduzir a incidência de suicídio.

Estudos realizados na China entre 1980 e 2015 descobriram que a depressão relacionada à cafeína era relativamente baixa, afetando menos de 1% das pessoas em todos os casos.

Os estudos também mostraram que o risco de depressão como resultado da ingestão de cafeína caiu quando os indivíduos aumentaram sua ingestão diária de cafeína.

Os pesquisadores concluíram que o consumo de cafeína e café diminuiu significativamente o risco de depressão.

Outra análise de 12 estudos analisou a relação entre cafeína e depressão, em 346.913 indivíduos e 8.146 casos de depressão. O estudo concluiu que a cafeína, particularmente no café, teve um efeito protetor na prevenção da depressão.

Este estudo também descobriu que o chá, com seu menor teor de cafeína por xícara, era menos protetor na prevenção da depressão, mas ainda eficaz até certo ponto.

Por que o café pode ser melhor para reduzir o risco de depressão do que o chá?

Parte do motivo pelo qual o café parece ser mais eficaz do que o chá é porque alguns de seus componentes podem neutralizar os efeitos negativos da depressão.

O café também contém ácido clorogênico, ácido ferúlico e ácido cafeico. Esses ácidos podem reduzir a inflamação das células nervosas que ocorre no cérebro de pessoas com depressão.

Juntamente com as propriedades antioxidantes naturais da cafeína, o café pode atuar como um antiinflamatório nas partes afetadas do cérebro. Isso pode aliviar um pouco do desconforto e da angústia causados ​​pela depressão, que está relacionada à inflamação.

Nem todo chá é menos eficaz do que o café para reduzir o risco de depressão. O chá verde, com suas altas propriedades antioxidantes, pode ser tão eficaz quanto o café na proteção contra a depressão.

Chá verde

O chá verde também contém os seguintes produtos químicos, que podem ajudar com a depressão:

  • Folato, uma das vitaminas do complexo B, que é amplamente acreditado para ser um impulsionador do humor eficaz
  • Polifenóis, que possuem propriedades antidepressivas
  • A teanina, que demonstrou aumentar os níveis de dopamina e serotonina no cérebro

Um estudo japonês de uma seção transversal da população trabalhadora concluiu que o consumo de chá verde, café e cafeína desempenhou um papel protetor na prevenção da depressão.

Possíveis efeitos negativos

Uma senhora segura a cabeça na mão direita em um café

Nem todo mundo no mundo da medicina concorda que a cafeína é um protetor eficaz contra a depressão. Muitos argumentam que isso pode realmente piorar as coisas.

O consumo pesado de café e a ingestão de cafeína podem resultar em alguns sintomas desagradáveis, como:

  • ansiedade
  • dores de cabeça
  • aumento da pressão arterial
  • palpitações
  • náusea
  • inquietação

Cada um desses sintomas está relacionado à resposta “lutar ou fugir” do corpo. Se esta resposta for desencadeada com demasiada frequência pela cafeína, pode levar a inflamação e doença.

Vários estudos também mostraram uma conexão entre a ingestão de café e um aumento na depressão. De acordo com um artigo, o consumo de cafeína pode até piorar a depressão em pessoas com transtornos do humor. O estudo destacou uma tendência para o aumento da ansiedade, especialmente com pessoas propensas a ataques de pânico.

A cafeína só fornece um impulso temporário para o sistema nervoso. Como resultado, as pessoas com depressão podem experimentar uma queda mais grave no humor quando o efeito desaparece. Pessoas com depressão são aconselhadas a não consumir grandes quantidades de cafeína.

Alimentos a evitar para pessoas com depressão

Existem alguns alimentos a serem evitados quando se tenta combater os efeitos da depressão.

Uma mesa cheia de comida mediterrânea e pessoas bebendo vinho

Um dos principais alimentos a evitar é o açúcar refinado. Seja consumido como chocolate ou misturado com chá ou café, o açúcar refinado dará às pessoas uma corrida imediata. Depois que a correria passa, as pessoas geralmente ficam esgotadas e têm menos disposição do que antes.

Outros alimentos que as pessoas que estão em risco de depressão devem minimizar ou evitar incluem:

  • Adoçantes artificiais. Estes bloqueiam a produção de serotonina.
  • Alimentos processados, como pão branco, cereais, massas e salgadinhos. Estes têm o mesmo efeito que o açúcar
  • Óleos hidrogenados, como frango frito, peixe ou batata frita. Qualquer coisa cozida em gorduras trans ou gorduras saturadas pode obstruir as artérias e impedir que o sangue flua para o cérebro.
  • Alimentos ricos em sal. Grandes quantidades podem perturbar o sistema nervoso e imunológico e causar cansaço.
  • Álcool. Um depressor bem conhecido do sistema nervoso central.

A cafeína também pode causar agitação, tremores, nervosismo e insônia. Todos esses sintomas podem ter um efeito negativo no humor.

Alimentos que podem neutralizar a depressão

Nutricionistas e nutricionistas freqüentemente comparam a dieta ocidental e aqueles em outras partes do mundo. Muitos acreditam que a dieta mediterrânea é o modelo para medir a saúde e a nutrição ideais.

Embora varie de acordo com a região, a dieta mediterrânea consiste em grande parte de vegetais, frutas, nozes, feijões, grãos de cereais, azeite de oliva e peixe.

A dieta provou ser boa para o coração e para o cérebro e conhecida por reduzir a inflamação. É amplamente associado com altos níveis de ácidos graxos ômega, bem como um foco em alimentos à base de plantas. Isso tudo serve para manter a mente e o corpo na melhor saúde.

A Clínica Mayo delineia alguns componentes-chave da dieta mediterrânea da seguinte forma:

  • principalmente comer frutas e legumes, cereais integrais, legumes e nozes
  • substituindo a manteiga por gorduras mais saudáveis, como o azeite
  • alimentos aromatizantes com ervas e especiarias, em vez de sal
  • comer carne vermelha não mais do que algumas vezes por mês
  • comer aves e peixes pelo menos duas vezes por semana
  • comer com a família e amigos
  • consumir álcool – de preferência vinho tinto – com moderação
  • fazendo muito exercício

A dieta ocidental, que geralmente é rica em carboidratos e açúcar, pode levar a níveis mais altos de depressão. Em contraste, o foco da dieta mediterrânea em legumes, nozes, frutas, verduras e peixes poderia afastar a depressão de formas dramáticas.

Estes alimentos, juntamente com a ênfase da dieta em baixos níveis de carne vermelha e consumo moderado de álcool, dão ao cérebro e ao corpo tudo o que ele precisa para realizar em seu nível ideal.

Like this post? Please share to your friends: