Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Quais são os estágios do câncer de pulmão?

Existem dois tipos principais de câncer de pulmão: câncer de pulmão de não pequenas células e câncer de pulmão de pequenas células. Cada um tem seu próprio sistema de encenação, um processo que determina até que ponto um câncer se espalhou.

O estadiamento ajuda os médicos a prever a perspectiva e a desenvolver o melhor plano de tratamento possível.

Estágios

Ambos os principais tipos de câncer de pulmão têm seus próprios sistemas de estadiamento.

Câncer de pulmão de não pequenas células

diagrama de câncer de pulmão

De acordo com a American Cancer Society (ACS), o câncer de pulmão de células não pequenas (NSCLC) é responsável por cerca de 80% dos casos de câncer de pulmão. Os três principais subtipos de NSCLC são:

  • Adenocarcinoma. Isso representa 40% dos casos de câncer de pulmão. Geralmente é encontrado nas partes externas do pulmão. Ele tende a crescer mais lentamente do que os outros dois subtipos, então há uma chance maior de um tumor ser encontrado antes de se espalhar.
  • Carcinoma de células escamosas. Isso é responsável por cerca de 25 a 30% dos cânceres de pulmão. Ela cresce a partir das células que revestem o interior das vias aéreas do pulmão. O carcinoma de células escamosas é geralmente encontrado no centro do pulmão.
  • Carcinoma de grandes células. Isso é responsável por 10 a 15% dos cânceres de pulmão. Pode ser encontrado em qualquer parte do pulmão e tende a crescer mais rapidamente que os outros subtipos.

O NSCLC é mais comumente encenado usando um sistema chamado classificação TNM:

  • T – tamanho e localização do tumor
  • N – o número de linfonodos próximos que se envolveram
  • M – metástase, ou até onde o câncer se espalhou

Usando uma combinação de pontuações T, N e M, os médicos podem categorizar o NSCLC em quatro estágios diferentes:

  • O estágio 1 ocorre quando o tumor está em um único pulmão e não se espalhou para nenhum linfonodo ou órgão distante.
  • O estágio 2 significa que o câncer se espalhou para os linfonodos dentro do pulmão, mas não se espalhou para órgãos distantes.
  • O estágio 3 é diagnosticado quando o câncer se espalhou para os gânglios linfáticos no centro do tórax, mas não se espalhou para órgãos distantes.
  • No estágio 3a, o câncer não se espalhou para o lado oposto do corpo.
  • No estágio 3b, ele se espalhou para os linfonodos no pulmão oposto e progrediu acima da clavícula para a garganta e pescoço.
  • Estágio 4 é diagnosticado quando o câncer se espalhou por todo o corpo.

As perspectivas para esses estágios geralmente são dadas como a porcentagem de pessoas que ainda vivem 5 anos após o diagnóstico. As taxas a seguir são de um artigo de revisão de 2015 em:

  • estágio 1: 60 a 80 por cento
  • estágio 2: 30 a 50 por cento
  • estágio operacional 3a: 10-15 por cento
  • estágio inoperável 3a: 2-5 por cento
  • estágio 3b: 3-7 por cento
  • estágio 4: 1 por cento

Câncer de pulmão de pequenas células

O câncer de pulmão de pequenas células (CPPC) é responsável por cerca de 15% de todos os casos de câncer de pulmão. O sistema de estadiamento mais comum para CPPC divide a doença em duas categorias:

  • Estágio limitado, quando há câncer em apenas um dos lados do tórax.
  • Estágio extenso, quando o câncer se espalhou para o lado oposto do corpo.

O SCLC tende a crescer e se espalhar rapidamente, o que dificulta o tratamento. A taxa de sobrevida global em 5 anos é de cerca de 5 a 10 por cento, com melhores perspectivas para estágio limitado do que extensivo.

Sintomas e triagem

homem mais velho tossindo

Os sintomas do câncer de pulmão podem ser freqüentemente confundidos com bronquite ou pneumonia. Isso é parte da razão pela qual mais de 70% dos cânceres de pulmão já estão em estágio avançado quando encontrados.

No entanto, o câncer de pulmão mais cedo é detectado, melhores são as chances de ser tratado com sucesso. Os ACS dizem que um médico deve ser consultado se alguém:

  • tem uma tosse persistente, ou está tossindo sangue ou fleuma de cor escura
  • tem voz rouca, dor no peito, falta de ar ou chiado
  • freqüentemente tem infecções respiratórias
  • se sente cansado ou fraco, ou perdeu o apetite e está perdendo peso

Como o câncer de pulmão progride, novos sintomas podem surgir. Algumas delas incluem:

  • dores de cabeça, tontura ou convulsões, devido ao câncer se espalhar para o sistema nervoso
  • icterícia, devido ao câncer se espalhando para o fígado
  • nódulos sob a pele, devido ao câncer se espalhando para os gânglios linfáticos
  • dor nas costas, dor no quadril ou dor óssea geral

Mesmo sem nenhum destes sintomas, o rastreamento preventivo do câncer de pulmão pode ser recomendado. Embora nenhum benefício significativo tenha sido demonstrado em pacientes de baixo risco, há fortes evidências de que o rastreamento em fumantes pesados ​​pode reduzir significativamente a mortalidade.

Um estudo de 2011 encontrou 20% menos mortes em fumantes pesados ​​que foram submetidos a tomografias anuais, em comparação com um grupo de fumantes pesados ​​que não foram examinados.

Diagnóstico

Se os sintomas forem suspeitos, o médico primeiro fará uma radiografia de tórax simples. Se sinais de um tumor forem detectados, uma tomografia computadorizada, ressonância magnética ou PET serão então solicitados. Esses exames produzem uma imagem mais detalhada e podem revelar o tamanho, a forma e a posição do tumor.

O próximo passo é descobrir se o tumor é canceroso e, em caso afirmativo, que tipo de câncer de pulmão ele carrega. Para fazer isso, é necessário olhar para as células pulmonares sob um microscópio e executar alguns testes genéticos.

Uma biópsia do tecido pulmonar pode ser realizada usando uma agulha ou com cirurgia. Alternativamente, as amostras celulares podem ser retiradas da fleuma ou do fluido que envolve o pulmão.

Tratamento

Com base nas informações coletadas, um plano de tratamento pode ser desenvolvido. O tratamento pode incluir uma combinação de métodos, dependendo do estágio e do tipo de câncer de pulmão, e da composição genética do tumor.

As formas tradicionais de tratamento são cirurgia, radiação e quimioterapia:

  • Cirurgia: Se o câncer for detectado precocemente, pode ser possível remover o tumor principal e outras células cancerígenas.
  • Radiação: A radiação danifica o DNA das células cancerígenas até que elas não possam mais se espalhar, efetivamente encolhendo ou matando um tumor.
  • Quimioterapia: Drogas que são injetadas por via intravenosa interferem no DNA das células cancerígenas, impedindo-as de crescer e se espalhar.

No entanto, as drogas de radiação e quimioterapia são incapazes de diferenciar entre células saudáveis ​​e células cancerígenas. Como resultado, as células saudáveis ​​também são danificadas com esses tratamentos.

Além dessas terapias tradicionais, novas drogas que atacam apenas as células cancerosas estão se tornando mais prontamente disponíveis. Eles geralmente têm efeitos colaterais menos graves, e muitas vezes podem tratar cânceres que a quimioterapia não pode.

  • Terapias direcionadas: essas drogas têm como alvo proteínas específicas que somente as células cancerígenas produzem. Estas proteínas resultam de alterações anormais do DNA, que podem ser identificadas através do teste genético de tumores.
  • Imunoterapia: Certas proteínas na superfície das células do sistema imunológico agem como interruptores de ligar e desligar, de modo que as células do corpo saudáveis ​​podem sinalizá-las para não atacarem. As drogas de imunoterapia funcionam mantendo essas proteínas ativadas, de modo que o sistema imunológico atue para atacar as células cancerígenas.

Se o tratamento não for possível, existem programas de terapia que trabalham para aliviar os sintomas, aliviar a dor e proporcionar a melhor qualidade de vida possível. Esse tipo de terapia é chamado de cuidados paliativos.

Um artigo recente nos perfis Dr. B. J. Miller, ex-diretor executivo do Zen Hospice Project, um programa de cuidados paliativos que trabalha para “reincorporar a versão da realidade [do paciente], para acomodar o sofrimento”.

Como reduzir o risco de câncer de pulmão

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o câncer de pulmão é a segunda forma mais comum de câncer e a principal causa de morte por câncer.

O maior fator de risco para câncer de pulmão é o uso do tabaco. Um estudo do Instituto Nacional de Saúde de 2012 descobriu que cerca de 800.000 mortes por câncer de pulmão foram evitadas nos Estados Unidos entre 1975 e 2000, devido a uma diminuição no número de fumantes.

Assim, a melhor maneira de reduzir o risco de câncer de pulmão é não fumar ou parar de fumar.

Like this post? Please share to your friends: