Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Quais são os benefícios para a saúde de ser social?

Os seres humanos nascem em grupos sociais e vivem suas vidas inteiras como parte da sociedade, de modo que o elemento social não pode ser facilmente removido da evolução de um indivíduo. Mas como o contato social afeta nossa saúde?

grupo de pessoas felizes

Como seres humanos, sonhamos, aprendemos, crescemos e trabalhamos como parte da sociedade. A sociedade em que nascemos e as sociedades que navegamos ao longo de nossas vidas moldam nossas identidades pessoais.

E, de fato, estamos tão interessados ​​em nos comunicar uns com os outros – até mesmo além das limitações geográficas – que desenvolvemos uma infinidade de ferramentas para nos ajudar a conseguir isso, incluindo caneta e papel, telégrafo, telefone e Internet.

Quando perguntei a meus colegas no escritório quais benefícios – se algum – eles achavam que derivavam da conexão social, a maioria deles disse que eles encontraram alguma medida de conforto na interação social.

Alguns colegas disseram que gostaram das experiências compartilhadas, enquanto outros explicaram que os amigos os mantinham motivados a fazer “algumas atividades saudáveis ​​de tempos em tempos”. Outros disseram que estar perto de amigos ajudou-os a “desestressar e colocar as coisas em perspectiva”.

Mesmo os mais introvertidos entre nós anseiam contato social de tempos em tempos. Mas por que isso e ser social nos traz benefícios reais para a saúde?

Neste Spotlight, investigamos por que os seres humanos prosperam na sociedade e como a interação social afeta nosso bem-estar mental e físico.

Por que somos uma espécie social?

Pode ser intuitivo dizer que ser social ajudou nossa espécie a não apenas sobreviver, mas também prosperar ao longo de milhões de anos. Mas por que isso acontece?

Um estudo de 2011, publicado na revista, argumenta que ser social tornou-se uma força chave para os ancestrais primatas dos humanos quando eles trocavam de comida por comida à noite (para que pudessem usar a escuridão como um escudo) para realizar suas atividades. atividades diárias (o que as tornava mais vulneráveis ​​a uma gama mais ampla de predadores).

Outro estudo mais recente – também na revista – sugere que os primeiros hominídeos podem ter desenvolvido uma forma básica de linguagem porque precisavam de uma comunicação mais avançada para compartilhar idéias. Isso, dizem eles, ajudou nossos ancestrais a desenvolver ferramentas que lhes permitissem viver melhor e evoluir ainda mais.

Pesquisadores também sugeriram que os seres humanos são seres naturalmente compassivos, e que nossa compaixão e empatia nos serviram bem – já que a capacidade de cuidar e compartilhar é altamente valorizada por indivíduos que procuram por um parceiro.

Afinal, para que uma espécie sobreviva, seus membros devem não apenas procriar, mas também proteger seus filhos de danos e proteger seus pares de ferimentos, para que possam obter força da colaboração diante da adversidade.

“O contato face a face é como uma vacina”

A psicóloga Susan Pinker afirma que o contato direto de pessoa a pessoa aciona partes do nosso sistema nervoso que liberam um “coquetel” de neurotransmissores encarregados de regular nossa resposta ao estresse e à ansiedade.

Em outras palavras, quando nos comunicamos com as pessoas cara-a-cara, isso pode nos ajudar a tornar mais resilientes aos fatores de estresse a longo prazo.

“O contato face a face libera toda uma cascata de neurotransmissores e, como uma vacina, eles protegem você agora, no presente e no futuro, simplesmente apertando as mãos, dando a alguém um é suficiente para liberar a oxitocina, o que aumenta o seu nível de confiança e diminui os níveis de cortisol, diminuindo assim o estresse. “

Susan Pinker

Ela acrescenta que, como resultado da interação social, “a dopamina é [também] gerada, o que nos dá um pouco mais alto e mata a dor, é como uma morfina produzida naturalmente”.

Esta ideia é corroborada pelas conclusões de um estudo coberto pelo ano passado, que concluiu que o toque de um parceiro romântico pode realmente ajudar a aliviar a dor física.

Outro estudo do ano passado mostrou que aqueles que passam por quimioterapia para o câncer tendem a se sair melhor se tiverem acesso a apoio social e interação, sugerindo que apenas estar perto de familiares, amigos ou colegas passando por experiências semelhantes pode nos fortalecer mentalmente e fisicamente.

Motivação social e poder do cérebro

A pesquisa mostrou que interagindo com os outros, na verdade, treinamos nossos cérebros. A motivação social e o contato social podem ajudar a melhorar a formação da memória e a recordar e proteger o cérebro de doenças neurodegenerativas.

dois cérebros com engrenagens

O prof. Matthew Lieberman – da Universidade da Califórnia, em Los Angeles – é especialista na mecânica do que ele chama de “cérebro social”, que é a atividade neural relacionada à interação social e os benefícios cerebrais que ela oferece.

Ele viu, por exemplo, que “se você aprende para ensinar a outra pessoa, aprende melhor do que aprendendo para fazer um teste”.

Isso vai contra as crenças proeminentes nos sistemas educacionais modernos, nos quais a aprendizagem por conta própria, em prol da acumulação de conhecimento e habilidades, é tipicamente preferida.

Em vez disso, no entanto, o professor Lieberman observa que “quando você está socialmente motivado para aprender, o cérebro social pode fazer o aprendizado e pode fazê-lo melhor do que a rede analítica que você normalmente ativa quando tenta memorizar”.

Um estudo publicado no ano passado também descobriu que manter amizades próximas mais tarde na vida poderia ajudar a prevenir o declínio mental.

A pesquisa – liderada por cientistas do Centro de Neurologia Cognitiva e Doença de Alzheimer da Universidade Northwestern Feinberg School of Medicine em Chicago, IL – descobriu que “SuperAgers”, definido como pessoas com 80 anos ou mais, mas que têm a agilidade mental de pessoas muito mais jovens, parecem ter uma coisa em comum: amigos íntimos.

“Embora os SuperAgers e seus pares com desempenho cognitivo médio endossem altos níveis de bem-estar psicológico”, explicam os autores, “SuperAgers endossou níveis mais altos de relações sociais positivas do que seus pares cognitivamente médios para a idade”.

Contexto social determina hábitos saudáveis

Vários estudos recentes também relacionaram a conexão social com benefícios à saúde física e melhores hábitos com um estilo de vida mais saudável. Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Maastricht, na Holanda, constataram que indivíduos socialmente ativos têm menor risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Por outro lado, indivíduos que não participaram de atividades sociais, como sair com amigos ou ingressar em um clube, tinham um risco 60% maior de desenvolver uma condição chamada “pré-diabetes”, que geralmente antecede o diabetes.

Pode ser que apenas estar perto de pessoas que nos encorajam a manter hábitos saudáveis ​​ou atingir metas de estilo de vida desafiadoras possa nos ajudar a permanecer conscientes de nossa alimentação, exercícios e outros hábitos relacionados ao estilo de vida.

Um estudo recente também descobriu que as pessoas que se exercitaram em um grupo, e não sozinhas, diminuíram os níveis de estresse e tiveram melhor bem-estar físico e mental no final de um programa de exercícios de 12 semanas.

Seus colegas que fizeram sessões de ginástica solo ou que se exercitaram com apenas um parceiro não tiveram as mesmas melhorias.

“Os benefícios comuns de se reunir com amigos e colegas, e fazer algo difícil, incentivando um ao outro, paga dividendos além do exercício sozinho”, observa o principal autor do estudo.

Uma ferramenta para felicidade e longevidade

Finalmente, curtir laços sociais íntimos – com amigos, parceiros ou membros da família – pode nos fazer felizes e melhorar nossa satisfação geral com a vida a longo prazo.

senior sorridente

Estudos mostraram que aqueles que desfrutam de amizades próximas durante a adolescência não são apenas felizes como adolescentes; Eles também têm uma menor taxa de depressão ou ansiedade mais tarde na vida.

Tendências semelhantes foram observadas no caso de adultos mais velhos. Pesquisa publicada em 2016 revelou que os idosos que “vivem uma vida socialmente ativa e priorizam os objetivos sociais têm maior satisfação no final da vida”.

Curiosamente, os pesquisadores que estudaram os habitantes das chamadas Zonas Azuis em todo o mundo – locais com um alto número de SuperAgers que vivem até a velhice enquanto mantêm boa saúde e função cognitiva – observaram que, enquanto outros elementos relacionados à dieta e estilo de vida variou amplamente, todos pareciam ser dedicados a serem altamente ativos socialmente.

O Dr. Archelle Georgiou, que estudou SuperAgers na ilha isolada de Ikaria, na Grécia, viu que eles estavam constantemente cercados por familiares, vizinhos e outros membros de sua comunidade, e que todos eles se apoiavam ativamente.

Ikarians, Dr. Georgiou descobriu, se reuniu quase todas as noites para se desestressar e se livrar da carga de preocupação do dia.

Da mesma forma, os autores de, que entrevistaram as supercentenárias da aldeia Ogimi – na prefeitura japonesa de Okinawa – viram que estar socialmente conectado era fundamental na vida dessas pessoas.

“É costume em Okinawa formar laços estreitos dentro das comunidades locais. A é um grupo informal de pessoas com interesses comuns que buscam umas às outras. Para muitos, servir a comunidade se torna parte de seu propósito de vida.”

Os autores explicam que os membros de uma “manutenção da estabilidade emocional e financeira”, como todos os outros membros do seu grupo ajudá-los se eles estão em apuros ou passando por tempos difíceis.

Concedido, ser socialmente ativo não é necessariamente algo que todos nós podemos fazer o tempo todo. Nós só precisamos de um pouco de espaço às vezes, e isso é O.K .; Desfrutar da nossa própria empresa nos ajuda a conhecer melhor a nós mesmos e desenvolver algumas das nossas forças internas.

No entanto, pelo menos ocasionalmente, a socialização com as pessoas – sejam elas nossas amigas próximas ou novas amizades – pode nos permitir sair de nossas próprias cabeças um pouco e obter novos insights sobre o mundo.

Ser mais feliz, aprender melhor e viver mais são vantagens que devem motivar até os mais dedicados dos solitários a chegar lá e conviver. Agora feche seu navegador e ligue para aquele velho amigo seu.

Escolhemos os itens vinculados com base na qualidade dos produtos e listamos os prós e contras de cada um para ajudá-lo a determinar o que funcionará melhor para você. Fazemos parcerias com algumas das empresas que vendem esses produtos, o que significa que a Healthline UK e nossos parceiros podem receber uma parte das receitas se você fizer uma compra usando um link (s) acima.

Like this post? Please share to your friends: