Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Quais distúrbios podem afetar a placenta durante a gravidez?

A placenta e sua saúde são vitais para a saúde da gravidez e desenvolvimento fetal da mulher. Este órgão fornece oxigênio, nutrientes e filtra os resíduos fetais durante a gravidez.

Também desempenha um papel importante na produção de hormônios e protege o feto contra bactérias e infecções.

A placenta rica em sangue é unida à parede uterina e se conecta ao bebê por meio do cordão umbilical.

Na maioria das vezes, a placenta se fixa na parte superior ou lateral da parede uterina. Às vezes, no entanto, pode crescer ou se prender ao útero de uma forma que pode causar problemas de saúde.

Fatores de risco

Muitos fatores influenciam a saúde da placenta, incluindo:

Um modelo de um bebê no útero.

  • Etnia
  • História de fumar cigarros
  • Pressão alta
  • Múltipla gravidez gestacional
  • Distúrbios da coagulação do sangue materno
  • História de cirurgia uterina, como parto cesáreo
  • História de problemas placentários
  • Abuso de substância materna, como uso de cocaína
  • Trauma abdominal, como de uma queda ou trauma contuso
  • Idade materna – mulheres com idade acima de 40 anos correm maior risco de desenvolver problemas placentários
  • Ruptura prematura de membranas – o risco de problemas placentários aumenta quando o saco amniótico se rompe prematuramente.

Existem muitas complicações que podem afetar a placenta. Os distúrbios mais comuns são discutidos abaixo.

Placenta prévia

A placenta prévia é uma condição na qual a placenta se liga à parede do útero muito abaixo. Ao fazer isso, a placenta cobre parcialmente ou completamente o colo do útero.

Esta condição ocorre em 0,5-1% das gestações. A condição pode resolver como a gravidez avança, no entanto.

A placenta prévia é mais comum em mulheres que são:

  • Preto e de outras raças minoritárias
  • Mais velho
  • Fumantes
  • Ter uma história de aborto, parto cesáreo ou outra cirurgia uterina
  • Carregando uma gravidez de gestação múltipla.

Existem dois tipos de placenta prévia: marginal e completa. A placenta prévia marginal é quando a placenta cobre apenas parcialmente o colo do útero. A placenta prévia completa cobre totalmente o colo do útero.

A placenta prévia pode causar sangramento vaginal antes e durante o parto. Esse sangramento pode ser grave às vezes.

A placenta prévia pode causar as seguintes complicações durante a gravidez:

  • Ruptura placentária
  • Risco aumentado de infecção fetal
  • Sangramento
  • Contrações
  • Trabalho de parto prematuro.

Na maioria das vezes, um parto cesáreo será necessário para entregar o bebê com segurança.

Abrupção placentária

O descolamento de placenta ocorre quando a placenta se separa do útero durante a gravidez. O abrupto pode ser parcial ou completo.

Uma mulher grávida está tendo sua pressão arterial medida.

A condição ocorre mais comumente no terceiro trimestre. É o distúrbio placentário mais comum e ocorre em até 1 em cada 100 gestações.

O descolamento de placenta é a principal causa de morte fetal e neonatal. Também causa altas taxas de parto prematuro e restrição de crescimento fetal.

O risco de descolamento da placenta pode ser aumentado por:

  • Trauma ao abdômen
  • Ruptura de membrana prematura
  • Fumar
  • Uso de cocaína
  • História de um descolamento prematuro da placenta
  • Defeitos do útero
  • Hipertensão arterial materna ou hipertensão induzida pela gravidez
  • Placenta circumvallate.

As gestantes com ruptura da placenta podem apresentar sangramento vaginal, dor abdominal ou uterina, contrações contínuas e anormalidades da frequência cardíaca fetal.

Um diagnóstico de descolamento prematuro da placenta será baseado nos sintomas e tratado de acordo com sua gravidade.

Devido ao papel que a placenta desempenha na entrega de oxigênio e nutrientes, o descolamento da placenta pode causar privação desses nutrientes vitais.

Essa privação pode levar ao desenvolvimento fetal anormal, parto prematuro, restrição do crescimento fetal e natimortalidade.

Insuficiência placentária

Como discutido anteriormente, a placenta desempenha um papel vital no desenvolvimento fetal, fornecendo um bebê em crescimento com nutrientes e oxigênio e filtrando seus produtos residuais. Às vezes, no entanto, a placenta pode não funcionar corretamente. Quando isso acontece, pode falhar em fornecer quantidades adequadas de nutrição, causando insuficiência placentária.

Essa anormalidade placentária freqüentemente resulta em restrição do crescimento fetal e baixo peso ao nascer em bebês.

Mulheres com insuficiência placentária podem notar menos movimento fetal e um tamanho menor do útero do que antes.

Pode haver consequências maternas e fetais relacionadas à insuficiência placentária. Riscos maternos aumentam na presença de diabetes e hipertensão arterial.

Muitas mulheres grávidas apresentam sintomas de insuficiência placentária, tais como:

  • Descolamento de placenta (veja acima)
  • Trabalho de parto prematuro e parto
  • Pré-eclâmpsia.

A pré-eclâmpsia é caracterizada por pressão alta e presença de proteína na urina. Os sintomas da pré-eclâmpsia incluem ganho excessivo de peso, edema, dores de cabeça e pressão alta.

Riscos fetais e infantis na presença de insuficiência placentária incluem:

  • Privação de oxigênio no nascimento, que pode causar condições como paralisia cerebral
  • Dificuldades de aprendizagem
  • Hipotermia (baixa temperatura corporal)
  • Hipoglicemia (níveis baixos de açúcar no sangue)
  • Policitemia (níveis excessivos de glóbulos vermelhos)
  • Trabalho de parto prematuro
  • Necessidade de parto cesáreo
  • Natimorto ou morte.

A presença de insuficiência placentária no início da gestação agrava os problemas vivenciados pelo bebê.

Embora não haja cura para a insuficiência placentária, é vital receber acompanhamento e atendimento pré-natal recomendados.

Os profissionais de saúde podem avaliar sua gravidez regularmente, recomendando:

  • Exames de escritório mais frequentes
  • Registros de contagem de chute
  • Educação sobre automonitoramento para sintomas de pré-eclâmpsia
  • Repouso na cama
  • Injeções de esteróides antes de 32 semanas, se o trabalho de parto prematuro é um risco
  • Avaliação com especialistas em medicina fetal materna de alto risco.

Em casos graves, gestantes podem necessitar de internação hospitalar.

Infartos placentários

Infartos de placenta são áreas de tecido morto encontradas dentro da placenta, geralmente causadas por complicações dos vasos sanguíneos.

Esta anormalidade placentária diminui o fluxo sanguíneo para as áreas afetadas, o que às vezes pode causar restrição do crescimento fetal ou morte. Os infartos placentários são mais comumente experimentados por mulheres com pressão alta grave.

Acreta da placenta

Uma mulher está apontando para uma cicatriz de cesariana.

Placenta accreta é uma condição que ocorre em 1 em 2.500 gestações. A placenta e seus vasos sanguíneos se ligam e crescem profundamente na parede do útero.

Esta condição médica séria tem três formas:

  • Placenta acreta: a placenta está ligada ao músculo da parede uterina
  • Placenta increta: a placenta é fixada através do músculo da parede uterina
  • Placenta percreta: a placenta cresce através de toda a parede uterina e se liga a outros órgãos adjacentes.

Fatores de risco para o desenvolvimento da placenta acreta são principalmente desconhecidos, mas acredita-se que incluam uma história de placenta prévia e cesáreas anteriores.

As complicações dessa condição podem incluir sangramento vaginal no terceiro trimestre, hemorragia pós-parto grave, parto cesáreo e histerectomia subsequente.

Desenvolvimentos recentes em placentas de notícias MNT

A placenta modelo pode revelar como os patógenos atingem um feto

Os cientistas fizeram progressos na compreensão de como os patógenos, como o vírus Zika, passam da mãe para o feto e causam defeitos congênitos, de acordo com uma pesquisa publicada em.

Benefícios para a saúde de comer placenta ‘não comprovada’

Após o parto, muitas mulheres optam por consumir suas placentas para múltiplos benefícios para a saúde. Uma nova revisão de estudos investigando o consumo de placenta, no entanto, não conseguiu descobrir qualquer evidência científica para esses benefícios, ou que a prática é livre de risco.

Fale com seu médico para discutir seu risco pessoal de desenvolver anormalidades placentárias e recomendações sobre prevenção e tratamento.

Like this post? Please share to your friends: